Estudo indica que o uso de medicamentos para neutralizar a acidez do estômago pode causar infecções no cólon e resultar em colite

Sabe aquela queimação no estômago que geralmente acontece depois de ter comido um lanche gorduroso, tomadas várias xicaras de café, ou exagerado na bebida? Para muitas pessoas, a solução é simples: basta um remédio para azia e o desconforto vai embora.

Leia também: Salvador libera 400 mil doses de vacina contra febre amarela

Remédios que curam dor de estômago podem causar colite, uma infecção no intestino que pode ser recorrente
Getty Images
Remédios que curam dor de estômago podem causar colite, uma infecção no intestino que pode ser recorrente

Se você se encaixa nesse perfil, é melhor ficar atento: um estudo alerta que esse tipo de remédio pode causar infecções no intestino .

De acordo com uma pesquisa publicada pelo Jornal da Associação Médica Americana de Medicina Interna, o estudo indica que quem utiliza essas medicações corre um risco maior de ter infecção causada pela bactéria Clostridium difficile, responsável pela colite.

Os pesquisadores acreditam que a supressão do ácido do estômago pode ter um efeito sobre as bactérias que vivem no intestino, o que tornaria as pessoas mais suscetíveis à infecção.

Embora o estudo não prove que os antiácidos são a causa recorrente da doença, de maneira indireta há uma sugestão de que os dois fatores estejam associados.

Clostridium difficile é uma bactéria que provoca inflamação do cólon, resultando em colite. Os sintomas incluem diarreia, febre, perda de apetite, náuseas e dor abdominal. A recorrência da infecção pode ser um grande problema, pois em até 60% dos casos há um risco de contrair a doença novamente após três ou mais infecções, segundo especialistas.

A pesquisa

O estudo analisou dados de 16 outras pesquisas diferentes sobre o assunto, atingindo um total de 7.703 pacientes que tiveram a bactéria. Dentre eles, pouco mais de 50% estavam usando supressores de ácido gástrico.

Quase 20% de todos os pacientes estudados desenvolveram Clostridium difficile mais de uma vez – sendo considerada a segunda infecção quando ocorria dentro de um período de 90 dias da anterior.

No entanto, a taxa de infecção recorrente em pacientes que tomam remédios para azia foi de 22%, comparada a 17% dos pacientes que não tomam esses tipos de drogas.

Embora a diferença possa parecer pequena, os pesquisadores escreveram que "o uso de supressores de ácido gástrico estavam associados a um risco significativamente alto de infecção recorrente".

Leia também: Tecnologia ajuda tetraplégicos a mexerem o braço com a força do pensamento

Resultados

Um dos líderes da pesquisa, o doutor Sahil Khanna, gastroenterologista da Clínica Mayo em Rochester, Minnesota, disse à CBS News que a neutralização do ácido do estômago pode afetar as bactérias que vivem no intestino dessas pessoas, tornando-as suscetíveis a bactéria responsável pela colite.

O especialista também disse que é possível que as pessoas que tomam remédios para azia podem já estar em piores condições de saúde do que as pessoas que não as tomam, o que as tornaria mais propensas a contrair essas infecções.

Para o doutor Khanna, a melhor maneira de prevenir a infecção é parar de usar remédios contra azia. "Os pacientes com colite devem reavaliar a necessidade de usar medicamentos de supressão de ácido gástrico", orientou ele.

Questionamentos

No entanto, há controvérsias. De acordo com David Bernstein, chefe de hepatologia da Northwell Health em Manhasset, Nova York, a presença da doença não tem relação com os remédios para estômago. "Nós não vemos isso como um problema, porque muitas pessoas usam esse tipo de medicação, e não passam pelos problemas da colite.”

Bernstein acrescenta que não as pessoas que usam remédios para azia não precisam se preocupar. "Eu não iria mudar nada no que fazemos medicamente ou dizemos aos pacientes com base no que este estudo encontrou associando os antiácidos a infecções intestinais", ressaltou o médico.

Leia também: Garota fica paralisada do pescoço para baixo depois de tomar vacina contra HPV

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.