Ministério da Saúde vai oferecer todos os imunizantes do calendário vacinal para crianças e adolescentes menores de 15 anos até o dia 22 de setembro

Para receber as doses faltantes é preciso levar a carteirinha de vacinação ao posto de saúde
shutterstock
Para receber as doses faltantes é preciso levar a carteirinha de vacinação ao posto de saúde

Crianças e adolescentes que estão com a carteirinha de vacinação desatualizada poderão procurar qualquer posto de saúde para receber as doses necessárias gratuitamente. Isso porque começou nesta segunda-feira (11) a Campanha Nacional de Multivacinação.

Leia também: Conheça cinco dicas indispensáveis de como cuidar da saúde para quem vai viajar

O incentivo, que é realizado todos os anos pelo Ministério da Saúde, dá a chance dos pais de todo o Brasil levar seus filhos até o dia 22 de setembro para colocar a carteirinha de vacinação em dia.

As vacinas oferecidas são aquelas que se encontram no calendário de imunizações destinadas a crianças e adolescentes de até 15 anos. Os pais devem levar, além da carteirinha de vacina, um documento dos filhos para receberem a proteção. Veja quais vacinas estarão disponíveis.

Para menores de 7 anos

BCG, Hepatite B, VIP, VOPb, rotavírus humano, pneumocócica 10 valente, Meningocócica C conjugada, febre amarela, tríplice viral, tetra viral ou tríplice viral + varicela (atenuada), DTP, Hepatite A, e varicela.

Para crianças entre 7 e 15 anos

Hepatite B, febre amarela, tríplice viral, dT, dTpa, Meningocócica C conjugada, HPV e varicela.

Entenda cada uma das vacinas

BCG – Sua função é prevenir a tuberculose. A imunização é aplicada ao nascer, mas também pode ser oferecida para crianças até 5 anos que ainda não receberam.

DTP – Conhecida como tríplice bacteriana, a proteção serve contra difteria, tétano e coqueluche é oferecida em duas doses: a primeira aos 15 meses e a segunda aos 4 anos.

Leia também: Para não desperdiçar, governo amplia público de vacina contra HPV

Hepatite A – Vacina administrada em crianças de 15 a 23 meses.

Hepatite B – Administrada ao nascimento, a proteção contra a doença pode ser tomada até um mês de idade do bebê.

HPV – A vacina contra o vírus do papiloma humano é aplicada em meninas de 9 a 14 anos e meninos de 11 a 14. São duas doses que garantem a proteção completa, respeitando um intervalo de seis meses entre elas.

Febre amarela – Crianças a partir de nove meses, residentes ou viajantes nas áreas com recomendação devem tomar o imunizante.

Meningocócica C conjugada – Protege contra meningite, a vacina deve ser aplicada a partir dos três meses de idade, com duas doses, com intervalo de 60 dias entre elas, além de uma dose de reforço, preferencialmente aplicada aos 12 meses do bebê.

Penta – A proteção é 5 em 1: a tetravalente que age contra difteria, tétano, coqueluche e meningite, e a vacina contra hepatite B. No entanto, ela é dividida em três doses, que devem ser aplicadas em crianças entre dois meses e 7 anos de idade, com intervalo de dois meses.

Pneumocócica 10 valente – Essa é a proteção contra 70% das doenças graves – pneumonia, meningite e otite – provocadas por dez sorotipos de pneumococos, conforme a Sociedade Brasileira de Imunizações. A aplicação acontece depois dos dois meses de idade, sendo duas doses, sendo a segunda depois de 60 dias, além de uma dose de reforço, de preferência quando completarem 12 meses.

Rotavírus humano – As doses podem ser aplicadas a partir de um mês e 15 dias de vida. São duas doses, com intervalo de dois meses entre elas.

Tetra viral ou tríplice viral + varicela (atenuada) – Essa é apenas para quem já recebeu a primeira dose da vacina tríplice viral. Deve ser aplicada em crianças entre 15 meses e 4 anos de idade.

Tríplice viral – Vacina protege de sarampo, caxumba e rubéola e deve ser tomada aos 12 meses, a primeira dose, e a segunda dose aos 15 meses.

VIP e VOPb – A Vacina Inativada da Poliomelite (VIP) e a Vacina Oral da Poliomelite Bivalente  (VOPb) tem o mesmo modelo de vacinação: também são  divididas em três doses cada uma delas, com intervalo de dois meses, e oferecidas a crianças de dois meses a cinco anos.

Leia também: Anvisa estuda nova medida que pode permitir que farmácias apliquem vacinas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.