Tamanho do texto

Contato semanal com elementos químicos, como a água sanitária, pode fazer com que o risco de condição respiratória aumente em até 32%; entenda

Cuidado na hora de limpar a casa! Produtos de limpeza podem causar problemas respiratórios, diz estudo
shutterstock
Cuidado na hora de limpar a casa! Produtos de limpeza podem causar problemas respiratórios, diz estudo

Como você faz a higiene do seu banheiro? É preciso ficar atento ao que você usa para cuidar da casa sem deixar de cuidar da sua saúde. Isso porque, de acordo com um estudo, o contato com água sanitária e outros produtos de limpeza podem aumentar as chances de desenvolver uma doença pulmonar potencialmente fatal.

Leia também: Pílula que protege contra HIV pode ser usada por jovens, diz estudo

Segundo a pesquisa, realizada pelo Instituto Nacional Francês de Saúde e Pesquisa Médica, ao respirar regularmente alguns elementos químicos de produtos de limpeza , os malefícios causados no pulmão são similares aos problemas provocados pelo cigarro, já que o risco de adquirir doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) – causada geralmente por tabagismo - pode ser até 32% maior.

Essa conclusão pode ser aplicada a enfermeiros, faxineiros e pessoas que usam essas substâncias diariamente em suas rotinas.

Até então, estudos anteriores já haviam relacionado a exposição a desinfetantes com problemas respiratórios, como a asma, mas pouca atenção foi dada à sua contribuição para a DPOC .

A DPOC é um grupo de condições pulmonares que causam dificuldades respiratórias, incluindo enfisema, onde há danos nos sacos de ar nos pulmões, ou bronquite crônica, que é a inflamação de longo prazo das vias aéreas. Aproximadamente três milhões de britânicos sofrem com a condição.

Como o estudo foi feito

O estudo liderado pela Dra. Orianne Dumas, do Instituto Nacional Francês de Saúde e Pesquisa Médica, analisou os enfermeiros que precisam desinfetar instrumentos e alas como parte de seus deveres.

Leia também: 'Não há alternativas saudáveis ao cigarro', afirma especialista

Para a avaliação, foi observado o contato com desinfetantes específicos, como o glutaraldeído, um bactericida forte usado para fazer a higienização de instrumentos médicos, água sanitária, peróxido de hidrogênio, álcool e compostos de amônio quaternário, conhecidos como "quats", principalmente utilizados para desinfecção de baixas condições de superfícies, como pisos e móveis.

Pesquisa foi feita com enfermeiros responsáveis por desinfectar os instrumentos médicos nos hospitais como produtos de limpeza
shutterstock
Pesquisa foi feita com enfermeiros responsáveis por desinfectar os instrumentos médicos nos hospitais como produtos de limpeza

"Descobrimos que os enfermeiros que usam desinfetantes para limpar superfícies regularmente - pelo menos uma vez por semana - tiveram um risco aumentado de ter DPOC de 24% a 32% do que os outros”, afirmou Orianne.

Os resultados foram baseados em mais de 55 mil enfermeiros dos EUA, que começou em 1989 e analisou os profissionais que ainda trabalharam na profissão em 2009. Eles foram acompanhados por oito anos, durante o qual 663 deles foram diagnosticados com DPOC.

Apesar de essas serem conclusões preliminares e de mais pesquisas precisarem ser realizadas, é necessário que o impacto da doença pulmonar em relação a exposição ocupacional vitalícia aos produtos químicos seja levado em consideração.

"Nossas descobertas fornecem evidências adicionais aos efeitos da exposição a produtos químicos em problemas respiratórios e destacam a urgência de integrar considerações de saúde ocupacional em diretrizes para limpeza e desinfecção em ambientes de saúde, como os hospitais”, concluiu a especialista.

Leia também: Pesquisa aponta que metal contido na água potável pode proteger contra demência