Pesquisa sugere que a imunidade adquirida depois de ser infectado pelo vírus da dengue pode ajudar a proteger contra zika; descoberta poderá ser usada para o desenvolvimento de uma nova vacina contra as duas doenças

Mosquito Aedes aegypti é o transmissor mais conhecido dos vírus da dengue, zika e chikungunya
Shutterstock/Divulgação
Mosquito Aedes aegypti é o transmissor mais conhecido dos vírus da dengue, zika e chikungunya

Pessoas que já tiveram dengue poderão estar mais protegidas contra o vírus da zika. Essa é a constatação de um estudo que foi publicado nesta segunda-feira (13) na revista “Nature  Communications”. Segundo o trabalho, a imunidade adquirida após uma infecção pode proteger contra a outra.

Leia também: Pesquisadores desenvolvem repelente contra o Aedes aegypti com planta amazônica

Para realizar os testes, foram analisados os comportamentos dos organismos de camundongos imunes à dengue . Foi possível perceber que esses animais também desenvolveram proteção cruzada contra o vírus da zika. Os pesquisadores puderam identificar que algumas células de defesa específicas tiveram ação combinada contra as duas infecções.

A ideia é que agora, com a descoberta feita por cientistas do Instituto de Arboviroses da Universidade de Wenzhou, na China, uma vacina contra as duas enfermidades comece a ser desenvolvida.

O principal autor da pesquisa, Jinsheng Wen, que também é colaborador no Instituto La Jolla de Alergia e Imunologia, na Califórnia (EUA), acredita que o estudo indica que a dengue não aumenta a gravidade de infecções por zika – o que poderia ser um problema sério, caso houvesse interação entre infecções cruzadas .

Em nota, outro autor do estudo, Sujan Shresta, da Universidade de Wenzhou, afirmou que os resultados podem explicar algumas dúvidas que pairavam sobre o assunto. "Em países endêmicos para a dengue, isso pode explicar a razão pela qual algumas pessoas infectadas com zika não desenvolvem a doença".

Leia também: Fiocruz modifica 90% de Aedes aegypti impossibilitando a transmissão de doenças

Testes

Para testar a imunidade cruzada, foi preciso infectar camundongos com o vírus da dengue e esperar que eles se recuperassem – para garantir que adquiriram imunidade. Depois disso, os animais receberam o vírus da zika. Outro grupo de roedores que não tiveram dengue também foi infectado com o mesmo vírus para que a comparação pudesse ser feita.

Os resultados apontaram que os que camundongos que tiveram dengue apresentaram uma carga menor de zika no sangue, nos tecidos e no cérebro.

Vacinas

O estudo também sugere que os imunizantes deverão ter como algo dois tipos de célula de defesa para garantir a proteção contra as duas doenças. Enquanto a maioria das vacinas em andamento e em atividade no mercado só foca nos linfócitos B , a pesquisa mostrou que é preciso se atentar na ação dos linfócitor T CD8 .

Isso porque as células do tipo B são as que produzem anticorpos depois do contato com a infecção, focando em infecções futuras. Enquanto as do tipo T focam nas próximas infecções, mas vão direto ao invasor, sem precisar necessariamente envolver os anticorpos.

Leia também: Tecnologia vai esterilizar Aedes aegypti impedindo mosquito de se reproduzir

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.