Tamanho do texto

Ação que teria início no dia 16 de abril deverá começar após dez dias da data original; fornecedor das doses afirma que não há um contrato com o governo

A campanha de vacinação contra a gripe deverá proteger contra os vírus A(H1N1), H3N2 e influenza B
shutterstock/Reprodução
A campanha de vacinação contra a gripe deverá proteger contra os vírus A(H1N1), H3N2 e influenza B

Vários municípios brasileiros tiveram a campanha de vacinação contra a gripe adiada. A ação que começaria a partir do dia 16 de abril deverá ser iniciada dez dias depois da data original por conta da demora na entrega das doses.

Leia também: Em 2017, mortes causadas pela gripe diminuem 82,4% em relação ao ano anterior

Mesmo com alguns municípios já informando o dia 26 de abril como a nova data para a campanha de vacinação contra a gripe o Ministério da Saúde alega que não há prazo definido. Em 2017, a ação teve início em 17 de abril.

De acordo com uma nota da pasta, foi informado que a data para a campanha contra a gripe se adapta conforme a produção e entrega dos lotes da vacina. Mesmo sem mencionar o atraso na entrega dos lotes das doses no caso de alguns municípios, o ministério também ressaltou que a fabricação depende da informação sobre as cepas do vírus (variações do vírus )  que estão circulando com mais frequência nos últimos meses no Hemisfério Sul, que se baseiam nos dados atualizados pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Segundo a OMS, em 2016 a cepa do vírus A (H1N1) foi alterada, o que levou à produção de uma nova composição para a campanha de 2017. A vacina contra a gripe permite a proteção contra os vírus A(H1N1), H3N2 e influenza B.  

O assunto preocupa a população e funcionários da área da saúde, por se tratar de uma imunização contra uma condição que tem seu maior pico no inverno - que começa a partir do dia 21 de junho. Portanto, o objetivo da ação é garantir que todos estejam protegidos antes do período de transmissão do vírus influenza.

Para amenizar a situação, ainda sem fechar uma data específica, o órgão informou que entre os meses de abril e maio, todo os municípios brasileiros receberão as doses. “Assim a população ficará prevenida em tempo, evitando casos graves e mortes pela doença”.

Além disso, a pasta mencionou um trâmite administrativo e jurídico em curso para que as vacinas sejam adquiridas pelo governo.

Leia também: Até 650 mil pessoas morrem por conta da gripe anualmente, afirma OMS

O que diz o fabricante das vacinas contra gripe

Segundo o Instituto Butantan, as doses estão prontas, porém o que impede a entrega é a falta de um acordo com o Ministério da Saúde. A entidade afirmou que chegou a desenvolver 5 milhões de doses com antecedência com o dinheiro do ano passado e que a expectativa era entregar 60 milhões de doses até o final de maio, quando a campanha nacional tinha previsão de terminar.

Em relação às cepas, o instituto alegou que a OMS atualiza todos os anos a informação, e assim que isso é feito, o instituto começa  a produção.

Quem pode ser imunizado

Desde o ano passado, profissionais da área da educação passaram a fazer parte do público-alvo da camapnha. Além disso, continuam pertencendo ao grupo os idosos, trabalhadores do setor de saúde, crianças de 6 meses até 5 anos, gestantes, mulheres no pós-parto, indígenas, população privada de liberdade, adolescentes em cumprimento de medida socioeducativa, e as pessoas com doenças crônicas.

Leia também: Governo pede que vacina contra sarampo seja obrigatória para venezuelanos

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.