Ministério da Saúde permitiu que mobilização começasse mais cedo do que em outros estados; administração das doses começa nesta sexta-feira (13)

No início, apenas maiores de 60 anos, profissionais da saúde e pessoas com doença crônica serão vacinados contra gripe
shutterstock/Reprodução
No início, apenas maiores de 60 anos, profissionais da saúde e pessoas com doença crônica serão vacinados contra gripe

O Ministério da Saúde enviou, nesta quarta-feira (11), 648 mil doses de vacina contra gripe para Goiás para que a campanha de imunização comece mais cedo. Ao longo das próximas semanas, o restante das doses deverá ser encaminhado ao estado. Ainda não há uma data oficial para a ação em outros estados, que costuma acontecer na segunda quinzena, em abril. Alguns municípios culpam a falta de doses disponíveis para o adiamento da campanha .

Em Goiás, a mobilização foi antecipada em razão de um surto de infecções pelo vírus H1N1. Por isso, as doses de vacina contra gripe deverão ser administradas na população a partir de sexta-feira (13). O acordo para implementar a campanha mais cedo no estado se deu por telefone, na última segunda-feira (9), entre o atual ministro da Saúde, Gilberto Occhi, e o governador José Eliton (PSDB).

De acordo com a Secretaria de Saúde de Goiás , neste primeiro momento, apenas idosos acima de 60 anos, profissionais de saúde e pessoas com algum tipo de comorbidade ou doença crônica vão receber a proteção.

A vacina enviada pelo ministério ao estado é a influenza trivalente 2018 , utilizada em todo o país, que protege contra os vírus H1N1, H3N2 e influenza B. A secretaria reforçou que há doses suficientes para imunizar a população prioritária. A logística de distribuição foi organizada pelo comitê de enfrentamento à influenza.

O Ministério da Saúde ressalta que a campanha de vacinação contra a influenza é adaptada conforme a produção e entrega do imunobiológico, que só começa a ser produzido com a autorização da Organização Mundial da Saúde (OMS).

O processo de produção da vacina leva cerca de seis meses para ser concluído. “Isso acontece porque é necessário avaliar quais cepas mais circularam no hemisfério sul no ano anterior e adaptar a vacina para a campanha do ano vigente”, explica a coordenadora do Programa Nacional de Imunização (PNI) do Ministério da Saúde, Carla Domingues.

Leia também: Vírus da gripe H3N2 matou 10 pessoas no Brasil este ano, diz Ministério da Saúde

Confira o cronograma da vacina em Goiás

  • 13 de abril a 20 de maio: idosos, profissionais de saúde e pessoas com comorbidades;
  • 23 de abril a 27 de abril: gestantes, puérperas e crianças;
  • 30 de abril a 11 de maio: professores;
  • 12 de maio (Dia D): todos os grupos prioritários;
  • 14 de maio a 1º de junho: todos os grupos prioritários.

A população indígena pode receber a dose durante todo o período da campanha no estado. Pessoas privadas de liberdade e funcionários do sistema prisional serão imunizados conforme agendamento de cada município.

Casos

Dados do Ministério da Saúde apontam que, este ano, até 31 de março, foram registrados 228 casos de influenza em todo o país, sendo 41 em Goiás. No mesmo período, foram identificados 28 óbitos, sendo 4 em Goiás.

Do total nacional, 57 casos e 10 óbitos foram por H3N2. Em relação ao vírus H1N1, foram registrados 84 casos e 8 óbitos. Ainda foram registrados 50 casos e 6 óbitos por influenza B e os outros 37 casos e 4 óbitos por influenza A não subtipado.

No mesmo período de 2017, foram registrados 276 casos de gripe país, com 48 óbitos. Desse total, 21 casos e 6 mortes foram por H1N1; 158 casos e 20 óbitos por H3N2; 63 casos e 21 óbitos por influenza B; e 34 casos e uma morte por influenza A não subtipada.

Leia também: Até 650 mil pessoas morrem por conta da gripe anualmente, afirma OMS

*Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.