Dieta da concentração: ganhe mais foco comendo certo

Certos alimentos ajudam a manter o cérebro esperto e alerta, veja quais são

Chris Bertelli , iG São Paulo

Quer ficar esperto para aquela reunião depois do almoço? Prestar atenção na aula logo cedo? Assim como existem alimentos capazes de causar um sono incontrolável (pense na sensação logo após um prato caprichado de feijoada), alguns podem ajudar o cérebro a se manter alerta.

Leia: Melhore o poder do seu cérebro comendo!

Para o funcionamento correto deste órgão, no entanto, ele precisa de uma série de vitaminas e minerais.

“O zinco e o selênio, por exemplo, garantem rapidez de raciocínio. O ferro também ajuda na agilidade porque é responsável por levar oxigênio para as células”, explica a nutricionista Ana Beatriz, da Clínica Integrare.

Siga o iG Saúde no Twitter

“Ainda não sabemos exatamente a porção adequada que devemos consumir para alcançar esses benefícios, mas temos conhecimento das substâncias presentes e que elas devem estar presentes no prato”, completa Ricardo Zanuto, nutricionista e professor de educação física.

Confira a lista de alimentos e como eles atuam no cérebro:

CHIA - contém o mais alto nível de concentração de ômega 3 encontrado em vegetais. O nutriente auxilia no funcionamento da memória e da concentração. Foto: Getty ImagesCOUVE - rica em ferro, nutriente que ajuda a levar o oxigênio para as células e, portanto, evitar a fadiga. Foto: Getty ImagesAZEITE - por ser rico em ômega-3, que tem ação anti-inflamatória, o azeite ajuda a aumentar a concentração . Foto: Getty ImagesCAFÉ - a cafeína atua diretamente no sistema nervoso central como um estimulante. E também tem o papel de vasodilatador. Foto: Getty ImagesFRANGO - contém ferro, que ajuda a levar oxigênio para as células e reduzir a fadiga, melhorando a concentração. Foto: Getty ImagesFRUTOS DO MAR - camarões, mexilhões e outros frutos do mar contém zinco, que tem ação regulatória no organismo, melhorando a concentração . Foto: Getty ImagesBRÓCOLIS - essa verdura tem ácido fólico, que reduz a ansiedade e atua no sistema nervoso, melhorando o desempenho cognitivo . Foto: Getty ImagesLINHAÇA - rica em vitamina E e em polifenois, ambos antioxidantes, que tem efeito neuroprotetor. Foto: Getty ImagesCASTANHA-DO-PARÁ - rica em selênio, que atua na liberação de dopamina e serotonina no corpo, responsáveis pela velocidade na transmissão de informação. Consumir apenas 3 ou 4 por dia e, de preferência, sem sal . Foto: Getty ImagesESPINAFRE - rico em ferro, nutriente que ajuda a levar o oxigênio para as células e, portanto, evitar a fadiga. Deve ser consumido uma porção por dia (uma colher de sopa). Foto: Getty Images MAÇÃ  - contém fisetina, que facilita a conexão entre os neurônios e ajuda na memória. Foto: Getty ImagesABACATE – grande fonte de selênio, substância que atua na liberação de dopamina e serotonina no corpo, responsáveis pela velocidade na transmissão de informação. . Foto: Getty ImagesATUM - peixes como o atum ou o salmão são ricos em ômega 3 e, por isso, ajudam no raciocínio rápido, diminuindo a sonolência pós-almoço. . Foto: Getty ImagesFRUTAS VERMELHAS – contêm fisetina, que facilita a conexão entre os neurônios e ajuda na memória. Foto: Getty ImagesALHO - contém selênio, que atua na liberação de dopamina e serotonina no corpo, responsáveis pela velocidade na transmissão de informação. . Foto: Getty Images OSTRA - contém zinco, que tem ação regulatória no organismo, melhorando a concentração  . Foto: Getty ImagesALFACE – essa verdura é rica em lactucina, um calmante natural do organismo. Mas atenção, o talo branco deve ser consumido junto com a folha. Foto: Getty ImagesOVO - rico em colina, substância essencial para o bom funcionamento do cérebro. Uma opção saudável é consumi-lo em forma de omelete, uma ou duas vezes por semana. Foto: Getty ImagesACEROLA – frutas ricas em vitamina C, como a acerola, são ricas em antioxidantes, que protegem as células cerebrais dos radicais livres. Foto: Getty ImagesINTEGRAIS - tem reunião depois do almoço? Pães e massas integrais são mais lentos de serem digeridos e, por isso, não dão sono. Foto: Getty Images


Siga lendo sobre saúde

Leia tudo sobre: alimentaçãocérebroconcentraçãodieta

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG