Saiba quais são os alimentos que queimam calorias e ajudam a emagrecer

Por iG São Paulo |

Texto

Os chamados termogênicos aceleram a queima de calorias do organismo e auxiliam na dieta. Além disso, há aqueles alimentos que impedem a formação das gordurinhas

A proposta é tentadora: quem não quer Inserir alguns alimentos na dieta e, em vez de engordar, perder calorias? Pois é. Parece mentira, mas não é.

Os alimentos termogênicos agem nas células e fazem com que haja uma produção maior de energia em forma de calor, o que acelera a queima de gordura.

A nutricionista Mariana Andrade, do Sistema de Saúde Hapvida, explica que as pimentas, chá-verde, chá-mate, café, gengibre, mostarda, soja, cúrcuma e suco de uva, além de outros, são os alimentos que têm esse poder.

Segundo Mariana, as pimentas contém o composto chamado capsaicina. “Ele é o grande responsável pelo efeito termogênico. A capsaicina favorece um aumento na mobilização de gorduras e diminuição da massa de tecido adiposo. Todas as pimentas vão proporcionar esse efeito, sendo malagueta, rubra (conhecida como biquinho, que arde bem pouco) ou pimenta preta (melhor moída na hora), mas as que possuem maior ardência normalmente possuem maior concentração de capsaicina”, explica.

Já o chá-verde, além de conter cafeína, também carrega um grupo de polifenóis chamados de catequinas. “As catequinas são os principais compostos que atuam no processo de emagrecimento”, explica a nutricionista.

Uva: a casca é rica em resveratrol, que além de proteger o coração, ajuda a inibir a formação de mais gordura. Foto: Getty ImagesA soja favorece a queima de calorias por termogênese. Foto: Thinkstock/Getty ImagesA mostarda também é um alimento termogênico. Foto: Getty ImagesGengibre é um potente anti-inflamatório e acelera a queima de gordura no corpo. Foto: Getty ImagesA canela tem poder de inibir a formação de gordura. Foto: Getty ImagesO açafrão-da-terra ou cúrcuma é um alimento que ajuda o corpo a queimar mais calorias. Foto: Getty ImagesO café entra na lista porque a cafeína ajuda na termogênese. Foto: Thinkstock/Getty ImagesO chá-mate também aumenta a produção de um hormônio fundamental para a termogênese. Foto: Getty ImagesO chá-verde, além de conter cafeína, carrega um grupo de polifenóis que atuam na queima de calorias. Foto: Thinkstock/Getty ImagesAs pimentas contêm capsaicina, que ajudam na queima de gordura. As mais ardidas carregam mais desse composto. Foto: Getty Images

E o chá- mate também entra no grupo de alimentos a favor da dieta. Mariana explica que a cafeína e outros compostos ajudam na termogênese. “A erva mate aumenta a produção de GLP-1, um hormônio fundamental para a termogênese e aumento do gasto calórico. O GLP-1 também aumenta a saciedade após a refeição e controla a liberação de insulina”.

O suco de uva, apesar de ser pouco conhecido para esse fim, tem poder de auxiliar no emagrecimento. “O resveratrol presente na casca das uvas conhecido como protetor do coração é também capaz de aumentar a quebra de gordura e inibir a formação de mais gordura no tecido adiposo”, explica Mariana. Além da uva, a canela e o açafrão também ajudam a inibir a formação de gordura.

Quanto e como consumir?

A quantidade recomendada desses alimentos varia bastante. “Mesmo sendo naturais, alguns deles têm contraindicações. O chá verde, por exemplo, deve ser evitado por quem tem problemas na tireoide. Mas, de maneira geral, os chás devem ser consumidos várias vezes ao dia, totalizando 2 a 3 xícaras diariamente”, explica a nutricionista da Hapvida.

Os temperos devem ser colocados nos alimentos sempre que for possível. “O gengibre pode ser colocado nos sucos e o suco de uva deve ser integral, sem aditivos, sem açúcar e de preferência orgânico. Mas tem que ser consumido com moderação pela grande concentração de açúcares da fruta”.

É preciso entender, porém, que os alimentos termogênicos são mais uma ferramenta no controle do peso, mas nunca podem ser considerados uma solução. “Os alimentos atuam em conjunto, alguns aumentando a termogênese, outros eliminando toxinas, reduzindo a inflamação e fazendo as células utilizarem gordura de forma eficiente”, explica a nutricionista. 

Comer a cada no máximo quatro horas e fazer exercícios físicos também contribuem para manter o metabolismo ativo.

Leia mais notícias de saúde

Texto

notícias relacionadas