Antes de alterar o corpo, malhar beneficia a cabeça

Cérebro é a primeira parte do corpo a melhorar com os exercícios físicos, dizem especialistas

iG São Paulo |

Getty Images
Cérebro é a primeira parte do corpo a sentir os benefícios da malhação
O objetivo é afinar a cintura, tornear as pernas e levantar o bumbum. Mas os especialistas afirmam que, de forma imediata, a primeira parte do corpo a sentir os benefícios da malhação é o cérebro.

Segundo os especialistas que fazem o boletim da Escola de Saúde Pública de Harvard, uma das instituições mais respeitadas do mundo, com apenas 20 minutos de exercícios aeróbicos de média intensidade (entram na categoria as caminhadas na rua ou na esteira, por exemplo) é possível turbinar ao menos três funções cerebrais.

Os exames de ressonância magnética mostraram que os praticantes melhoram o tempo de reação, a interpretação de imagens, e a execução de funções de planejamento tais como memória, gerenciamento de informações, capacidade de bloquear dados desnecessários e realização de raciocínio mais complexo.

Apesar do efeito imediato, os médicos alertam que uma única sessão de malhação não é suficiente para deixar ninguém mais inteligente. Isso porque, após um treino de uma hora, a fadiga (cansaço) atrapalha a melhora cognitiva conseguida durante a atividade. Se faltar água ou alimentação adequada – em especial sem carboidratos (tidos como vilões da dieta, mas essenciais para a saúde), os benefícios também diminuem.

Isso indica que, para ter efeito no corpo e na mente a longo prazo, os exercícios não podem ser exagerados, é preciso hidratação constante e a escolha do cardápio também precisa contemplar todos os nutrientes.

Dica: o que comer antes e depois do exercício

“Com exercícios de intensidade moderada, o corpo ativa o sistema nervoso simpático e aumenta os níveis de adrenalina. Estes são provavelmente os dois principais fatores na melhoria do desempenho mental”, escreveram os autores do boletim.

“Porém, em intensidade exagerada, o nível de esforço interfere na concentração e na capacidade de realizar tarefas da raciocínio.”

Leia também: Mau-humor é termômetro de excessos na academia

Limites individuais

Saber quais são os limites individuais e evitar os excessos são tarefas que precisam não apenas do próprio praticante de exercício, mas também do médico e do profissional de educação física.

A personal trainer Clóe Celentano diz que as séries que mesclam atividades aeróbicas e de força (musculação) precisam ser feitas individualmente, o que evita lesões e até desistências.

“Uma caminhada até o trabalho, os serviços domésticos ou trocar o elevador pela escada são importantes para tirar a pessoa do sedentarismo absoluto, mas não para uma mudança no metabolismo”, afirma Clóe.

“Para isso, é necessário a elaboração de treinos específicos e direcionados”, completa ela, que foi eleita a melhor profissional da sua área.

Siga lendo
Faça o teste e descubra qual é a atividade física ideal para você

 

Arquivo pessoal
Barbara e uma de suas bermudas antigas

Contra a obesidade
Eles venceram a obesidade e revelam seus segredos
 

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG