Bem-Estar

enhanced by Google
 

Exercícios ao ar livre

Cuidados para quem quer fazer atividade física fora da academia

Chris Bertelli, iG São Paulo | 23/03/2010 11:00

Compartilhar:

Foto: Getty Images

Exercícios ao ar livre: sem monotonia

Fazer o próprio horário, respirar o ar puro de um parque e experimentar certa sensação de liberdade, com o vento batendo no rosto e uma paisagem que muda constantemente. Quem decide fazer exercícios fora da academia não cansa de enumerar as vantagens da prática ao ar livre.

“Eu acho a academia muito monótona, prefiro ambientes abertos e gosto do contato com a natureza”, diz a gerente de operações Regina Alves dos Santos, 36 anos. Ela, que se define mais como uma curiosa do que como uma atleta, decidiu começar a correr há um ano para cuidar da saúde e também por motivos estéticos. O exercício é praticado durante um ou dois dias da semana e aos finais de semana.

Em parques ou mesmo nas ruas, não é difícil cruzar com dezenas de outros curiosos que, como ela, não querem nem passar em frente a uma academia. “O som muito alto e o visual podem afastar determinadas pessoas. Imagine alguém acima do peso em um local cheio de espelhos e com todos aquelas pessoas saradas em volta”, avalia o professor de educação física e personal trainer, Miguel Sarkis.

Além disso, a escolha do local de exercícios também varia de acordo com o perfil de cada um. Em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, o professor Marcelo Miranda, da Universidade Dom Bosco, coordena um projeto que avalia o aluno antes dele iniciar a atividade física, a fim de identificar qual o tipo de treino mais indicado. “Além da aptidão física, nós observamos também o histórico social da pessoa. Tem quem precise da sociabilização que a academia promove, mas tem aquele que precisa de momentos de introspecção”, analisa. Na opinião do professor, é preciso incentivar que todos incorporarem a ginástica no dia a dia, independente do lugar escolhido.

Orientação pode ser problema

A grande desvantagem de praticar exercícios ao ar livre, de acordo com os especialistas, é a orientação. “A pessoa não se submete a avaliação médica – obrigatória nas academias – e vai correr ou andar na rua. Com isso, pode ter problemas de coluna, no aparelho locomotor, desenvolver lesões sérias ou até mesmo ter um ataque cardíaco”, alerta Miguel Sarkis, autor do livro "Construção de um Corredor", da Editora Gente e “Andar ou Correr”, da Editora Referência. Marcelo Miranda reforça: “o exercício traz uma série de benefícios, mas também tem risco. A orientação profissional minimiza drasticamente esse risco.”

Quem opta por esse tipo de treino deve ficar mais atento, pois está sujeito às mudanças climáticas e também ao trânsito, se estiver na rua. Para o professor Miranda, quem treina em lugares abertos está em busca de autonomia, mas ela deve ser exercida com responsabilidade.

“Nesses casos, a pessoa é a única responsável pela condução do exercício e deve lembrar isso.” Na opinião dos professores, quem dispensa a academia deveria passar por uma assessoria especializada, que irá observar a avaliação médica e o grau de condicionamento físico do indivíduo para só então montar um treino específico. “Não dá para sair correndo e pronto. Tem de ter preparação, fazer alongamento e aprender técnicas de passada”, alerta Marcelo. Até mesmo a musculação, que parece apresentar menos riscos, pode prejudicar a saúde se realizada sem o devido cuidado. “É possível lesionar a coluna fazendo abdominais”, completa Sarkis.

Atenção!

A recomendação para os praticantes de exercícios em ambientes externos são diversas e vão desde horas suficientes de sono até atenção ao terreno percorrido ao longo da atividade. Miguel Sarkis diz que leva em consideração as horas de trabalho do aluno, o tempo de sono, o número de refeições, o estado emocional e possíveis dores decorrentes do treino. Além disso, é preciso buscar um local com piso adequado, sem desníveis e buracos, evitar locais inclinados e com muita poluição, fugir das horas de sol forte, hidratar-se corretamente e usar roupas adequadas para a prática de exercícios.

Outra indicação é procurar orientação periódica para mensurar a evolução no objetivo desejado, seja ele perder peso, ou ganhar músculos e condicionamento físico. A pessoa que faz exercícios frequentemente e não percebe que precisa aumentar gradativamente a exigência pode estacionar e voltar ao sedentarismo.

“A evolução no ritmo e na capacidade respiratória é individual. Quem dá cinco voltas em uma praça diariamente vai chegar a um estágio em que, se não aumentar a distância ou a intensidade, não vai evoluir e vai ficar desmotivado”, avalia Marcelo Miranda.

 

    Notícias Relacionadas


    Ver de novo