Tamanho do texto

Exercício físico melhora sensação de felicidade; falta de efeito é sinal de “overtraining”

Mau-humor no treino? Cuidado, você pode estar exagerando na malhação
Getty Images
Mau-humor no treino? Cuidado, você pode estar exagerando na malhação
Os médicos de todas as áreas “receitam” exercício físico para combater ou prevenir as mais variadas doenças – infarto, resfriado e até depressão. A preocupação que agora surge no cenário da medicina esportiva é com a “overdose” desta medicação. O tema da moda entre os especialistas é encontrar um instrumento capaz de avaliar quando é hora de reduzir a dose dos treinos. O mau-humor é um dos escolhidos para indicar estes excessos.

“Feito qualquer medicamento de qualidade, o exercício físico também precisa de limites. Mas como é sempre tido como inofensivo, as pessoas esquecem de suspeitar que o excesso desta prática pode fazer mal”, afirmou o médico especializado em medicina do esporte Tales de Carvalho, durante o Congresso Brasileiro de Cardiologia em Belo Horizonte (evento que acontece até quarta-feira – 29 – e será usado para definir as novas diretrizes da medicina esportiva do País).

Carvalho e um grupo de cardiologistas e vários locais do País estão empenhados em criar um questionário eficiente e de fácil aplicação para conseguir – em pouco mais de dois minutos – identificar o mal chamado de overtraining (treino em excesso em português), já disseminado como nocivo e perigoso em muitas pesquisas clínicas.

As experiências internacionais e algumas iniciativas isoladas no Brasil já encontraram um início de caminho. O humor e a hipertensão são dois exemplos de melhora imediata com a prática de esporte, seja uma caminhada, ginástica ou boxe, e podem ser usados para avaliar a dose correta das atividades.

“Se a sensação de cansaço, desânimo, tristeza, angústia e mau-humor não melhorarem é indicativo de que a dosagem do exercício pode estar errada. A pressão também precisa ficar controlada ou, em caso de hipertensos, deve reduzir após a prática de atividades”, acrescenta Carvalho que em suas avaliações já utiliza um roteiro de perguntas para identificar se o praticante de exercícios se sente “apavorado”, “confuso”, “cansado” entre outras sensações que denunciam “efeito colateral” do esporte excessivo .

Inimigo maior

O overtraining ainda é um problema muito menor do que o sedentarismo, este sim uma epidemia nacional que afeta, segundo os dados mais atualizados do Ministério da Saúde, 90% dos brasileiros, sendo ainda maior entre as mulheres.

“As nossas preocupações com o excesso de treinos não podem funcionar como mais uma barreira para as pessoas fazerem exercícios”, acredita o médico Nabil Gorayebe, principal referência nacional em medicina do esporte, ligado à Sociedade Brasileira de Cardiologia e à Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte. “Mas é fato também que não podemos continuar sem controle nenhum, fazendo com que em alguns casos a prática seja mais nociva do que positiva”, afirma.

Danos fatais

A dosagem errada do esporte pode desencadear problemas sérios de saúde – como lesões musculares, arritmias – até mesmo nos atletas amadores, como reforça o médio Tales de Carvalho. Mas entre os esportistas profissionais e pessoas que participam de maratonas de corrida e ciclismo, o overtraining vai além do mau humor e da pressão alta e pode ser fatal.

De acordo com as pesquisas do médico do esporte do Instituto Dante Pazzanese, Ricardo Contesini Francisco, a prática contínua e de alta dosagem de esporte faz com que os corações dos atletas sejam maiores do que os órgãos de pessoas que não têm a mesma rotina esportiva.

Estas alterações anatômicas não necessariamente são um problema, mas em situações de excesso de treino ou falta de acompanhamento podem ser o gatilho de uma doença cardíaca grave e também de morte súbita, muito mais comum no mundo do esporte (entre esportistas a incidência é de 1,76 casos em 100 mil pessoas. Em amadores o número de morte súbita cai para 0,76 em 100 mil pessoas).

Outro fator que potencializa os danos negativos do excesso de treino é a alimentação inadequada, neste caso mais comum em amadores e frequentadores de academias. “As pessoas fazem regimes por conta própria, vão para academia sem comer nada de carboidrato e desmaiam em cima da esteira. Uma mistura entre excesso e falta de cuidado”, informa Gorayebe.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.