Praticar artes marciais e esportes de defesa ajuda a entrar em forma e aumenta a segurança

Foi-se o tempo em que aulas de luta eram “coisa de homem”. Lutas e artes marciais são atividades completas que, além de queimar calorias ajudam a eliminar o estresse acumulado durante o dia.

 De olho nessa tendência, as academias não demoraram a oferecer novas modalidades, ajudando a quebrar crenças que ainda afastavam parte do público feminino – como a de que esses esportes são violentos.

 “Durante as aulas não priorizamos o contato direto, mas sim o aprendizado e condicionamento físico. As que quiserem competir são direcionadas a outro grupo”, explica o professor de boxe Carlos Fiola, da Cia Athletica de Manaus (AM).

Destemidas

 Apesar de não incitarem o combate, as aulas acabam deixando a mulher mais confiante no dia a dia, como é o caso do Krav Magá, modalidade reconhecida mundialmente como arte de defesa pessoal. De origem israelense, ela tem feito muito sucesso entre as moças (elas representam 30% dos alunos) principalmente porque não se baseia na força física para aplicar golpes certeiros, e sim na transferência do próprio peso e velocidade máxima do músculo.

 “Primeiramente, a aluna é estimulada a aprender todos os movimentos. O contato físico acontece depois, de forma gradual”, conta Avigdor Zalmon, instrutor do Centro Paulista de Krav Magá.

Superpoderosas

 A sensação de segurança somada ao corpo durinho são os fatores que mais contribuem para elevar a autoestima daquelas que praticam algum tipo de luta. O melhor de tudo, acrescenta Fiola, é que as aulas são tão dinâmicas que as alunas nem percebem a intensidade dos exercícios realizados. “Elas melhoram a coordenação, os reflexos e fazem trabalho aeróbico e de força sem notar, pois estão concentradas na técnica”, diz.

 Além dos benefícios estéticos, o treinamento favorece a execução das tarefas diárias, já que a aluna consegue ficar mais calma e centrada. “Ela aprende a descontar a ansiedade durante as aulas e, por isso, consegue se manter tranquila durante situações corriqueiras, como uma fechada no trânsito”, afirma Alexandro Almeida professor de boxe da Fórmula Academia, de São Paulo, SP.

 A atriz Nathália Rodrigues, praticante de boxe há sete anos, confirma que não há nada melhor para liberar o estresse do que subir ao ringue. “Para mim, é como se fosse uma terapia. Quando luto, coloco para fora tudo que está me incomodando. Isso sem falar que, ao mesmo tempo, queimo muitas calorias", diz. Para turbinar o treinamento e manter o corpo sequinho, a atriz ainda corre e pratica pilates.

Para todos os gostos

 Adorou a ideia de entrar em formar distribuindo chutes e socos? Então se prepare para passar um bom tempo escolhendo a qual modalidade se dedicar, pois há diversas opções legais. Para ajudá-la nessa empreitada, selecionamos cinco aulas bastante recomendadas para o público feminino.

Boxe

De acordo com Carlos Fiola, da Cia Athletica de Manaus, para se dar bem nesse esporte não basta ser dona de um soco poderoso. “É preciso ter um ótimo movimento de quadril e pernas para poder aplicar os golpes e se esquivar do adversário”, comenta. Para se ter ideia, cerca de 60% do treinamento é focado nos membros inferiores.

Krav Magá

O aquecimento conta com corrida, flexões, abdominais, pulos e outros exercícios. Em seguida, parte-se para o aprendizado da técnica. O instrutor Avigdor Zalmon informa que as alunas usam todos os grupos musculares para praticar os movimentos. “Em poucos meses elas adquirem noções básicas de defesa pessoal. Sem contar que o corpo já fica bem mais definido”, afirma.

Muay Thai (boxe tailandês)

Ao contrário do boxe tradicional, essa modalidade permite chutes, pontapés e cotoveladas. Nas academias, são ensinadas as mesmas técnicas usadas em competições, mas com o objetivo de queimar calorias, tornear os músculos e treinar a defesa pessoal. Quem não quiser aprender os golpes com um colega pode usar o saco de pancada ou o Bobby (boneco).

Aero Tae Box

No começo do ano, a academia A! Body Tech de Copacabana, no Rio de Janeiro (RJ), registrou um aumento de 70% na procura por essa modalidade, que mistura movimentos de diversas artes marciais em ritmo aeróbico. Segundo o coordenador Leonardo Nunes, os números mostram a intenção da mulherada em ficar em forma e, ao mesmo tempo, aliviar o estresse.

Jiu-jítsu
De acordo com Charles Leite, professor da modalidade na academia Metabolismo, em São Paulo (SP), a praticante dessa arte não só ganha força como aumenta a massa magra, reduzindo as chances de sofrer com celulites e gordura localizada. Outro beneficiado com a prática de jiu é o coração, já que o trabalho aeróbico intenso favorece a capacidade cardiorrespiratória. “A aluna também desenvolve a coordenação motora, flexibilidade e os reflexos”, ressalta Leite.

    Leia tudo sobre: luta
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.