Coqueluche: adultos também devem fazer de reforço na vacina

Imunização feita na infância deve ser reforçada na vida adulta, a cada 10 anos

Leoleli Camargo, iG São Paulo

Getty Images
Tosse: se ela dura mais de 10 dias é importante ir ao médico

O aumento da permanência em ambientes fechados ou com pouca circulação de ar faz crescer a incidência de doenças respiratórias, especialmente as infecciosas – causadas por vírus e bactérias.

Leia: Prepare-se para o frio

A coqueluche, infecção respiratória causada pela bactéria Bordetella pertussis, é um exemplo de doença que pode surpreender durante os meses de frio porque causa os mesmos sintomas de outras enfermidades das vias respiratórias (nariz, garganta e pulmões): febre, coriza, espirros e tosse.

Siga o iG Saúde no Twitter

A diferença, explica o clínico geral Alfredo Salim Helito, é que na coqueluche o sintoma mais distintivo são os episódios frequentes de tosse intensa e incontrolável, que pode causar vômitos e até morte por insuficiência respiratória.

“É importante ficar atento ao processo gripal que vai se prolongando e for acompanhado de aumento da tosse. Passou uma semana e a gripe se foi, se a tosse continua, o melhor a fazer é procurar o médico” orienta Helito.

Leia mais:
Mitos e verdades da pneumonia
Alimentos que previnem a gripe
Os principais erros ao tomar remédios

O diagnóstico da coqueluche normalmente é feito por meio do exame clínico e de testes de laboratório para detectar a presença da Bordetella pertussis no sangue ou nas mucosas. Uma vez confirmada a doença, o tratamento é feito com antibióticos.

Embora a tosse comprida – o nome popular da coqueluche – seja particularmente perigosa em crianças, os adultos e os idosos também podem adoecer, especialmente se o esquema de vacinação, que deve ser iniciado na infância, for falho.

“As formas graves de coqueluche ocorrem mais frequentemente nas crianças porque elas, muitas vezes, ainda não têm as defesas contra a bactéria. Com o passar dos anos, no entanto, a imunidade adquirida com a vacina pode ir diminuindo” explica o infectologista Jean Gorinchteyn, do Instituto de Infectologia Emilio Ribas, de São Paulo.

Saiba mais sobre a gripe e o resfriado comum na Enciclopédia da Saúde

Vacinação falha e redução da imunização feita na primeira infância, dizem os especialistas, podem ser a explicação para o recente aumento nos casos da doença nos Estados Unidos. Um alerta do Centro de Controle de Doenças daquele país divulgado na semana passada, contabilizou mais de mil casos da doença desde o início do ano no estado de Washington, a pior epidemia a atingir a região em 70 anos.

A única forma de prevenção da coqueluche é a vacinação. Em crianças, a vacina tríplice (contra difteria, coqueluche e tétano) deve ser feita aos dois, quatro e seis meses de vida, com reforços entre 15 e 18 meses e entre quatro e seis anos.

Em adultos e idosos que receberam todas as doses da infância, a recomendação é de que um novo reforço seja feito a cada 10 anos. O reforço para adultos ainda não é disponibilizado na rede pública de saúde, mas pode ser encontrado em hospitais e clínicas da rede privada.

Continue lendo notícias de saúde

Leia tudo sobre: saúdefriocoqueluchetossevacina

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG