No frio, podemos nos esquecer de beber água conforme necessário. Porém, os cuidados para a hidratação do corpo devem continuar. Aprenda a reconhecer os sinais que o corpo envia quando precisa de mais líquido

A desidratação ocorre quando o corpo não tem fluidos em quantidade suficiente para continuar funcionando adequadamente. O problema – mais comum do que se pode imaginar – faz com que 25 pessoas sejam internadas por dia somente em hospitais públicos do estado de São Paulo .

A situação é simples: se não ingerimos uma quantidade suficiente ou passamos por um episódio de perda excessiva de líquido, o corpo sofre mais risco de desidratação , especialmente em caso de diarreia – infecção gastrointestinal causada por vírus, bactérias e protozoários. Esse quadro pode ser particularmente perigoso para idosos, crianças e pessoas com o sistema imunológico enfraquecido e, nesses casos, a atenção deve ser redobrada.  

Vale lembrar que, no calor, o corpo perde líquido por conta do suor, sendo necessário repor esses sais minerais. Por isso, a recomendação dos especialistas é: não espere sentir sede. O ideal é manter sempre uma garrafa de água por perto para não esquecer de se hidratar tanto nos dias quentes quanto frios.

Beber água é fundamental para evitar a desidratação e manter o organismo funcionando corretamente
Freepik
Beber água é fundamental para evitar a desidratação e manter o organismo funcionando corretamente




Sintomas da desidratação

O Sistema Nacional de Informações sobre Doenças Digestivas, dos Estados Unidos, orienta: qualquer pessoa com os sinais listados a seguir deve ser encaminhada para avaliação médica, pois pode estar desidratada. São eles:

  • Urina escura ou pouco frequente

A urina é composta principalmente por água - por isso, quanto menos líquido no organismo, menor será a quantidade a ser expelida pelo orifício da uretra. Diante disso, a cor da urina fica alterada - mais forte que o normal - por causa da maior concentração de outras substâncias.

  • Pele seca

Com menos água no organismo, a pele fica seca e repuxada. Os lábios, por sua vez, ficam ressecados – e as famosas pelinhas podem aparecer. O importante é não arrancá-las, pois isso pode ferir ainda mais a região.

  • Desmaios ou tonturas

Perde-se líquido de forma mais rápida e, com isso, a pessoa passa por um episódio de hipotensão – queda da pressão arterial –, que leva a perda dos movimentos. Nesse caso, é importante afrouxar as roupas da vítima e manter suas pernas elevadas. Se a situação for mais intensa, como é o caso da perda repentina de consciência, alguns dos procedimentos a serem adotados são checar os batimentos cardíacos  e colocar a pessoa deitada de lado.

  • Cansaço

Com a falta de água, o corpo fica fraco e, muitas vezes, realizar atividades que fazem parte do dia a dia torna-se uma missão impossível.

  • Pele que não retorna ao normal depois de ser beliscada

Não há como negar: a água é a protagonista nessa história. Sem ela, o organismo não funciona de forma adequada e pode causar sérios problemas à saúde. Em geral, a pele perde a elasticidade. Faça um teste com um beliscão e veja como ela reage. 

Conheça as causas

Diarreia é um dos principais motivos que fazem o corpo desidratar facilmente
shutterstock
Diarreia é um dos principais motivos que fazem o corpo desidratar facilmente



Perdas gastrointestinais: vômitos, diarreia e sangramento;

Perdas renais: inclui os efeitos dos diuréticos e doenças renais específicas;

Perdas pela pele: suor, queimaduras e outras condições dermatológicas;

Sequestro de líquido para fora dos vasos: obstrução intestinal, fratura e pancreatite aguda.

Entre elas, uma das mais comuns é a diarreia, causada principalmente por falta de higiene, falta de acesso às condições básicas de saúde e, também, intoxicação alimentar – por isso a importância de lavar bem os alimentos antes de consumi-los, conservá-los adequadamente e respeitar a validade determinada pelos fabricantes.

A diarreia, apesar de ser frequente na população, precisa de atenção. Dicas básicas como lavar as mãos após utilizar o banheiro e antes de consumir determinados alimentos devem ser seguidas à risca.

Para exemplificar, basta analisar os dados em relação às crianças que morrem vítimas da desidratação. O número é assustador – e bastante preocupante. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 361 mil crianças com menos de 5 anos morrem por ano no mundo em razão da doença. Ela perde apenas para a pneumonia, que é a principal causa de óbito infantil, com 570 mil mortes anuais.

Com tantos casos constatados que levam à desidratação infantil , o Dr. Mauricio Jordão, clínico geral do Hospital Samaritano em São Paulo, relata: “Esse grupo é um dos mais sensíveis e o tratamento precisa ser rápido”. Diante disso, saber reconhecer os sintomas e tratar com urgência e de maneira correta são ações fundamentais.

Em crianças menores, quando a fala ainda não está desenvolvida por completo, uma das maneiras de avisar que algo não vai bem é pelo olhar - que se torna uma forma de comunicação. Um dos sinais é o choro persistente – mas as lágrimas não saem e, além disso, o olho fica mais fundo e a boca seca.

Conforme explica o Dr. Mauricio Jordão, a perda excessiva e persistente de líquidos leva a diminuição do fluxo de sangue para os órgãos. “Essa condição é caracterizada pelo estado de choque. Dessa forma, sem perfusão pelo sangue, os órgãos entram em falência e param de funcionar, o que pode levar à morte”, diz.

Terceira idade

Idosos devem beber água ao longo do dia para prevenir doenças
FreePik
Idosos devem beber água ao longo do dia para prevenir doenças




A atenção especial também deve ser com os idosos, que desidratam com mais facilidade. Entre os sinais, destacam-se urinar com mais frequência, tontura e fadiga. “ Sintomas mais graves, como sonolência e confusão mental, necessitam de avaliação médica, assim como a queda de pressão”, relata o clínico geral.

Como repor os nutrientes perdidos?

Segundo o Ministério da Saúde , o paciente deve ingerir mais líquido que o normal para evitar a desnutrição. Para isso, água mineral, soro caseiro, água de coco, chá e suco – não adoçados – devem ser incluídos no tratamento.

A alimentação, por sua vez, deve ser leve e balanceada. Os alimentos gordurosos – e até mesmo frituras – precisam ser evitados. É necessário cortar o leite por conta da fermentação e também refrigerantes, pois não hidratam.

Para cada idade, há uma quantidade que deve ser ingerida após cada evacuação. Os dados do órgão indicam:

  • Menores de 1 ano: 50 – 100ml;
  • 1 a 10 anos: 100 – 200ml;
  • Maiores de 10 anos: Quantidade que o paciente aceitar.

Para prevenir a desidratação, e em casos mais leves, é possível recorrer ao soro caseiro. O Grupo NotreDame Intermédica recomenda que ele seja ingerido à vontade, a cada 20 minutos, após passar por episódios de vômitos e diarreias. Os ingredientes são:

  • 1 colher (sopa) rasa de açúcar;
  • 1 colher (café) rasa de sal;
  • 1 copo (200 ml) de água filtrada ou fervida.

Os sintomas estão persistindo por muito tempo? Então é hora de procurar ajuda médica. Após a avaliação, o médico irá analisar cada caso em particular e poderá indicar o melhor tratamento para tratar a desidratação.

Leia também: O risco de consumir alimentos contaminados em enchentes


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.