HPV está em sete em cada dez casos de câncer de boca, faringe e laringe

Pesquisa avaliou 1.475 pacientes com tumores na cabeça e pescoço. Sexo oral é a principal forma de transmissão

iG São Paulo , com Agência Fapesp |

Getty Images
Sexo oral sem camisinha seria a principal via de transmissão do HPV

Um novo estudo realizado pela Faculdade de Saúde Pública da USP mostra que 72% dos casos de c âncer de cabeça e pescoço apresentam o vírus HPV , transmitido principalmente em relações sexuais desprotegidas.

Guia de exames: saiba qual exame detecta o HPV

Os especialistas alertam que a relação entre este vírus e os tumores nas línguas, garganta e faringe se dá por meio do sexo oral sem camisinha. A nova pesquisa, divulgada pela Agência FAPESP, foi feita com 1.475 pacientes brasileiros.

O alerta do sexo oral para o HPV

“Fizemos dois tipos de testes para verificar a prevalência da infecção pelo HPV entre os 1.475 pacientes: sorologia e análise de DNA”, afirmou Rossana Verónica Mendoza López, autora da análise.

Considerando os resultados apenas para o HPV do tipo 16 – o mais relacionado ao desenvolvimento de câncer de cabeça e pescoço entre os 200 tipos de vírus existentes –, a prevalência de casos positivos entre os pacientes do estudo foi de 72%. Nas avaliações mais antiga, feitas entre os anos 1998 e 2003, o índice encontrado foi de 55%, um aumento de 17 pontos porcentuais.

Veja também: HPV está em 30% dos casos de câncer de pênis

Menos letal

Ao analisar a sobrevida dos pacientes, os cientistas observaram que, entre aqueles que apresentaram resultado positivo para o HPV, a mortalidade foi 38% menor.

“Estudos internacionais têm mostrado que o HPV tem mais relação com tumores de orofaringe. Os resultados de nosso estudo sugerem, portanto, que os casos de câncer de cabeça e pescoço com presença de infecção por HPV apresentam maior sobrevida, ou seja, são de melhor prognóstico. Mas ainda não sabemos ao certo o motivo”, ressaltou López.

Entrevista : A mulher que declarou guerra ao HPV

Segundo Victor Wünsch Filho, professor e orientador da pesquisa, o perfil demográfico e de hábitos de vida dos pacientes que apresentaram resultado positivo para o HPV 16 é uma possível explicação para o melhor prognóstico.

“Eles formam um grupo de pacientes mais jovens, com maior proporção de mulheres e menor proporção de fumantes. Esses dados merecem uma análise mais aprofundada”, disse Wünsch.

Segundo López, embora as evidências apontem que o HPV esteja se tornando uma causa mais comum de câncer de cabeça e pescoço, o consumo de tabaco e de álcool ainda responde pela maioria dos casos.

Siga lendo:

Brasil estuda implantar Vacina do HPV na rede pública

    Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG