Artrose atingirá 12,3 milhões de pessoas no Brasil até 2015

Problema causado pela degeneração das cartilagens das articulações já afeta 5,2% da população brasileira, apontou pesquisa

Chris Bertelli , iG São Paulo |

Número de brasileiros com artrose no País deve crescer 23% nos próximos 3 anos. A doença, que afeta as cartilagens das articulações, já atinge 10 milhões de brasileiros.

Um levantamento apresentado hoje (2) em São Paulo alerta para um prognóstico alarmante: em 2015 serão 12,3 milhões de pessoas a conviver com as dores e as dificuldades e limitações impostas pela doença.

Siga o iG Saúde no Twitter

Para o estudo foram entrevistados 2.282 médicos, que forneceram informações estatísticas sobre a doença e seu tratamento na prática clínica. Os dados encontrados mostraram que a artrose é mais prevalente nas articulações do joelho e do quadril – estas são as áreas que articulares que suportam as maiores cargas.

Também conhecida como osteoartrite, a artrose é uma doença causada por diversos fatores, entre eles o excesso de peso – um problema crescente em todo o mundo – e a ocorrência de lesões na articulação afetada.

Saiba mais sobre a osteoartrite na Enciclopédia da Saúde

O problema pore começar com uma pequena fissura na cartilagem. Com o envelhecimento e conforme o esforço exigido da região afetada, a lesão cresce e pode provocar o amoleciamento do tecido que envolve a articulação, perda de cartilagem e diminuição do espaço articular entre os ossos – eles passam a se chocar entre si, o que pode provocar um processo de esclerose no osso, além do aparecimento de cistos. Quando a doença chega a estágios avançados, em muitos casos a única solução é a substituição das articulações por próteses.

“A artrose é uma doença extremamente incapacitante. E nossa população está envelhecendo, estamos vivendo mais tempo com a doença. É preciso evitar ao máximo a colocação de prótese no paciente”, diz a fisiatra Pérola Grinberg Plapler.

Brasil está em 2º lugar entre os países com mais afetados pela artrose no mundo, ficando atrás apenas dos Estados Unidos. No entanto, apenas 42% dos pacientes têm o diagnóstico, apontou o levantamento. O restante, nem sabe que tem a doença, apesar de ela ser facilmente diagnosticada por meio de exames clínicos e de imagem.

Leia também:

Musculação exagerada e obesidade aproximam artrose dos jovens

Estudo comprova benefício da bengala para artrose de joelho

Exercícios para fortalecer os joelhos

Embora as mulheres sejam mais afetadas pela artrose do que os homens – em média, 5% a mais – neles a doença aparece mais cedo. O número se iguala, porém, quando elas entram na menopausa. A artrose é mais frequente nas faixas etárias acima dos 30 anos, com maior significância na população acima dos 60. Segundo o levantamento, 69% dos pacientes com atrose estão em tratamento, um número que pode chegar a 76% em 2015.

Combatendo a doença

O tratamento com melhor resultado precisa combinar exame clínico adequado, medicamentos e um lado não-farmacológico que inclui conscientizar corretamente o paciente, além da realização de exercícios físicos. “Quando a cartilagem diminui, o ligamento fica frouxo. Se tem músculos fortes, eles funcionam como borracha, absorvem o impacto e seguram os ligamentos no lugar. A pessoa ganha mais estabilidade. Além disso, o exercício físico ajuda a hidratar a cartilagem, fazendo com que ela fique mais maleável”, explica Pérola.

A fisiatra indica a musculação, porque nela é possível controlar a intensidade, a carga e a amplitude do movimento. Além disso, fortalece o músculo e evita o excesso de exercício, que também faz mal. Alongamento, ressalta a especialista, é essencial. “Ele dá liberdade para a articulação. O músculo encurtado puxa o osso, pressionando a articulação, podendo levar à dor e ao desgaste”, explica

O remédio utilizado serve, em geral, para aliviar a dor, que atinge quase 100% dos pacientes. É preciso, também, evitar a automedicação. “Os pacientes fazem uso de analgésicos comuns e antiinflamatórios. Mas utilizar esses medicamentos, principalmente a longo prazo, como é no caso da doença, pode trazer problemas futuros. Por isso, é preciso ser cauteloso e procurar um médico”, aconselha Ibsen Coimbra, reumatologista e um dos coordenadores do estudo.

O estudo foi feito pelo laboratório farmacêutico Zodiac, em parceria com quatro importantes sociedades médicas: Sociedade Brasileira de Reumatologia, Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia, Associação Brasileira de Medicina Física e Reabilitação e Sociedade Brasileira de Cirurgia do Joelho.

Leia mais notícias de saúde

    Leia tudo sobre: saúdeosteoartriteartrosedorprótesetratamento

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG