Britânica conta como superou fobia a gravidez e teve 3 filhos

Fran Benson foi acompanhada por uma terapeuta, mas teve de superar um inferno emocional para trazer seus filhos ao mundo

BBC |

BBC

Uma britânica, mãe de três filhos, falou à BBC de sua luta para vencer uma fobia até recentemente não reconhecida por médicos: o pavor do parto.

Muitas mulheres sentem medo e ansiedade em relação ao parto, especialmente na primeira gravidez. Mas para as que sofrem de tocofobia – transtorno psicológico identificado em 2000 pela psiquiatra Kristina Hofberg – esse medo natural se transforma em um pavor irracional e profundo que as leva a evitar o parto.

"Eu sentia um temor incontrolável, como se o parto fosse algo impossível", disse à BBC Brasil a jornalista Fran Benson.

"Achava que se tivesse um filho meu corpo iria se partir pela metade e eu morreria".

Um estudo feito recentemente no Akershus University Hospital da Universidade de Oslo, na Noruega, concluiu que os partos de mulheres que sentem medo de parir são em média 90 minutos mais longos.

Pânico

Quem vê a foto de Benson sorrindo ao lado dos filhos dificilmente imagina o inferno emocional que ela teve de superar para que suas crianças viessem ao mundo. A jornalista contou que, desde pequena, sentia desconforto na presença de mulheres grávidas e evitava conversas sobre gravidez e partos.

Se havia cenas envolvendo gravidez e partos na TV, ficava nervosa e tinha de sair da sala. Também evitava visitar amigas na maternidade. Seu marido, no entanto, queria ter filhos.

"Evitei a gravidez por um longo tempo".

Quando finalmente engravidou, Benson teve de confrontar seu medo profundo. Ela disse que sofreu cinco ou seis ataques de pânico.

"O ritmo das minhas batidas cardíacas se acelerava e eu sentia um frio na barriga. Se eu não me retirasse daquela situação, começava a chorar e ficava histérica".

"Uma vez, no início da gravidez, durante um jantar, minhas amigas começaram a falar de seus partos e dos cortes que sofreram. Pedi que parassem, mas continuaram. Comecei a hiperventilar e chorar".

Estudo

Um total de 2.206 mulheres participaram do estudo norueguês. Todas pretendiam ter partos normais. Os especialistas constataram que as que tinham medo de parir passaram, em média, uma hora e 32 minutos a mais em trabalho de parto do que as que não tinham esse medo.

"Encontramos uma relação entre o medo de parir e a duração mais longa do parto", disse Samantha Salvesen Adams, co-autora do estudo.

"De maneira geral, a duração maior do trabalho de parto aumenta os riscos de partos instrumentais (fórceps) e de cesáreas de emergência".

Ela ressaltou, no entanto, que a grande maioria das participantes que tinham medo do parto conseguiu ter seu filho por parto normal.

Em artigo publicado na revista científica de ginecologia e obstetrícia BJOG, Adams e seus colegas disseram que, de maneira geral, entre 5 e 20% das mulheres grávidas têm medo do parto – nem todos esses casos seriam classificados como tocofobia.

Eles explicam que vários fatores estão associados ao medo de parir. Entre eles, falta de suporte social, histórico de abuso ou de problemas associados ao parto, a pouca idade da mãe, o fato de se tratar de uma primeira gravidez e problemas psicológicos. E o problema parece estar aumentando, disse Adams.

BBC Brasil
A jornalista Fran Benson com a família: pavor de enfrentar a hora do parto

"O medo do parto parece estar um tema cada vez mais importante em obstetrícia. Nossa descoberta de que partos demoram mais entre mulheres com medo de parir é uma nova peça nesse quebra-cabeças que é uma intersecção entre psicologia e obstetrícia".

Pesadelo

Fran Benson teve a sorte de conhecer a psiquiatra Kristina Hofberg, do St. George's Hospital em Stafford, Inglaterra. Especialista no assunto, Hofberg diagnosticou a tocofobia da paciente na primeira gravidez.

A jornalista começou então a se preparar para o parto utilizando, entre outros recursos, CDs de relaxamento. Baseados em técnicas de hipnose, os CDs, nas palavras dela, tinham o objetivo de "reprogramar o cérebro", convencendo-a de que ela era capaz de parir e de que o parto não iria matá-la. No entanto, após algumas horas na mesa de operações, seu parto se complicou.

Terminado o seu turno de trabalho, o primeiro grupo de parteiras – que já conhecia Fran e sabia do seu diagnóstico de tocofobia – foi substituído por um outro grupo.

Benson explicou que antes de entrar em trabalho de parto havia pedido à equipe que acompanhava a gravidez que evitasse fazer cortes no períneo ou o uso de instrumentos (como os utilizados em partos fórceps). Mas a nova equipe não havia lido o prontuário da paciente e começou a considerar o uso desses recursos.

Sem o suporte psicológico necessário, Fran Benson viveu seu pior pesadelo. Ela sofreu uma crise de pânico na mesa de cirurgia. Agitada e sem controle, começou a gritar, dizendo que preferia morrer e que não se importava com o bebê. Benson acabou recebendo uma injeção epidural que a anestesiou parcialmente e a equipe teve de usar instrumentos para auxiliar o parto. O primeiro filho, Sam, nasceu saudável, mas ela acha que o trauma do parto poderia ter sido evitado.

Conselhos

Ao longo de três gestações, Fran Benson aprendeu a lidar com a própria fobia. Ela acha importante que equipes médicas estejam conscientes de que o problema existe. Mas muito pode ser feito pelas próprias mulheres. Além dos CDs de relaxamento, um bom grupo de apoio é fundamental, ela recomendou.

"Eu sugiro que você se cerque de profissionais com quem se sente confortável". Suporte na sala de cirurgia também é essencial – e não apenas por parte da equipe médica.

"Escolha alguém de confiança para te apoiar durante o parto – seu marido, um amigo, alguém que pode ser seu porta-voz se você começar a entrar em pânico".

Benson também é a favor de partos em casa – especialmente para mulheres que têm fobia de hospitais –, mas reconhece que essa nem sempre é a opção mais adequada.

Leia mais notícias de saúde

Leia tudo sobre: saúdegravidezpartofobia

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG