CFM condena uso de hormônios para retardar envelhecimento

Entidade quer aprovar uma resolução que proíba a prescrição de hormônios para pessoas saudáveis

Agência Brasil |

Agência Brasil

Parecer do Conselho Federal de Medicina (CFM) publicado nesta segunda-feira (6) aponta que não há evidências científicas que justifiquem a prática da medicina antienvelhecimento, que tem como base o uso de hormônios como a testosterona e a progesterona.

Médicos prometem ir à justiça para usar a técnica

Siga o iG Saúde no Twitter

De acordo com o vice-presidente do órgão, Carlos Vital Corrêa, o documento vai servir de base para a publicação de uma resolução que proíba a indicação hormonal para pessoas saudáveis.

Desta forma, profissionais de saúde que insistirem na prática vão responder por conduta antiética e estarão sujeitos a sindicâncias e sanções.

Leia:  Executivos nos EUA tentam retardar envelhecimento com hormônios

Dados do CFM apontam que pelo menos cinco médicos foram cassados nos últimos quatro anos por praticar procedimentos sem comprovação científica, enquanto dez profissionais foram punidos com suspensão.

“A questão da eterna juventude ainda está no campo das fábulas. Do ponto de vista técnico-científico, não há nenhuma afirmação de um procedimento que possa retardar ou retornar a juventude daquele que já envelheceu”, destacou Vital.

Para a geriatra e membro da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Maria Lencastre, a manipulação hormonal deve ser indicada apenas nos casos em que o paciente apresente algum tipo de disfunção na produção de hormônios, como nos casos de hipotireoidismo (distúrbio hormonal que afeta o metabolismo do organismo).

Leia mais sobre doenças da tireoide na Enciclopédia da Saúde

Ela lembrou que o fator genético responde por um terço das causas do envelhecimento e que a melhor maneira de retardar o processo é a modificação de hábitos, que incluem a prática regular de exercícios, a alimentação adequada e a perda de peso.

“Envelhecimento não é doença”, disse. "Medicamentos que não são necessários, além do risco, significam custo com uma população que já tem grandes custos [com patologias como doenças do coração], completou.

* Por Paula Laboissière

Leia mais notícias de saúde

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG