Fracionar o treino é mais eficaz para baixar a pressão

Pesquisa constatou que malhar 10 minutos três vezes ao dia é melhor do que cumprir uma sessão de meia hora

NYT * |

NYT

“A cada 4 anos, as Olimpíadas estimulam as pessoas a se exercitarem”, afirma Glenn Gaesser, professor de educação física e diretor do Centro de Pesquisas de Estilo de Vida Saudável da Universidade do Estado do Arizona (EUA), que dirigiu um novo estudo sobre exercícios físicos e hipertensão que foi, em parte, inspirado nos Jogos Olímpicos de Londres.

“As ruas e academias ficam repletas de pessoas que, estimuladas por histórias de sucesso das Olimpíadas, praticam corrida ou treinam por uma hora ou mais”, diz Gaesser.

Siga o iG Saúde no Twitter

Dentro de algumas semanas, porém, a maioria terá abandonado os exercícios e retomado a vida sedentária.

Getty Images
Caminhada contra a hipertensão: fazer 3 sessões de 10 minutos ao dia pode ser mais eficaz do que meia hora seguida

“Nós quisemos verificar se existiam abordagens da prática de exercícios que se adequassem mais facilmente ao estilo de vida das pessoas, mas continuassem sendo eficazes em termos de melhora da saúde”, conta o pesquisador.

Especificamente, o cientista esperava determinar se a divisão dos exercícios em pequenas sessões possíveis de praticar, realizadas ao longo do dia, produziria um resultado tão bom quanto uma sessão longa e contínua de exercícios.

Faça o teste e descubra: Qual a atividade física ideal para você?

Assim, ele e seus colegas reuniram um grupo de voluntários adultos. Todos estavam saudáveis de um modo geral, não fosse pelos sintomas iniciais de pressão arterial alta, doença chamada de pré-hipertensão.

A pressão arterial alta é certamente um dos principais fatores de risco para doenças cardíacas e acidente vascular cerebral , e a pré-hipertensão é um dos principais fatores de risco para a pressão arterial alta propriamente dita.

A pré-hipertensão é conhecida por responder bem à atividade física. Muitos estudos sobre exercícios e pressão arterial aplicaram sessões de exercícios moderadas, com duração de aproximadamente 30 minutos seguidos, padrão geralmente recomendado para melhorar a saúde.

Gaesser, porém, pediu a seus voluntários que caminhassem rapidamente, com intensidade de aproximadamente 75% da frequência cardíaca máxima, durante 10 minutos, três vezes ao dia. As sessões ocorriam às 9h30, 13h30 e 17h30.

Aprenda a calular a sua frequência cardíaca máxima

Em outro dia, os voluntários completaram uma sessão supervisionada de 30 minutos de caminhada rápida no período da tarde e, no último dia, não realizaram exercício algum.

Todos usaram braçadeiras que monitoravam continuamente a pressão arterial por um período de 24 horas.

Constatou-se que a prática de exercícios ajudou a controlar a pressão arterial, mas o treino dividido em três sessões curtas foi significativamente mais eficiente que uma sessão única de meia hora.

“O exercício fracionado levou a leituras médias de pressão arterial inferiores ao longo de 24 horas”, relata Gaesser.

Ele também resultou em uma 'carga' de pressão arterial inferior ou em um número menor de incidentes durante o dia, quando a pressão arterial do voluntário atingia picos superiores a 140/90.

Baixar a pressão sanguínea é importante, observou o cientista, pois uma 'carga' relativamente alta indica que a pessoa está propensa a desenvolver a pressão arterial alta propriamente dita. O cientista acredita que, de um modo geral, os resultados “são realmente animadores”.

“Para as pessoas que acham que a prática de 30 minutos de exercícios é muito difícil ou ocupa muito tempo, podemos dizer: ‘faça apenas 10 minutos três vezes ao dia’. Por outro lado, caso alguém seja tentado a desprezar meros 10 minutos de caminhada por ser muito pouco para trazer benefícios, parece claro que dividir os exercícios é, na realidade, mais eficaz, ao menos para controlar a pressão arterial, do que uma sessão de 30 minutos.”

O trabalho de Gaesser junta-se ao pequeno mas convincente conjunto de estudos científicos que sugere que sessões de exercícios curtas e cumulativas são significativamente benéficas para vários fins. Um estudo publicado ano passado no periódico PLoS One, por exemplo, descobriu que sessões repetidas de corrida ou outras atividades físicas com duração de apenas 5 minutos cada, reduziram, em crianças e adolescentes, os riscos de ter um nível alto de colesterol LDL (o colesterol 'ruim'), cintura larga e leituras de pressão arterial acima da média, na mesma proporção que sessões mais longas.

Outros estudos descobriram que praticar exercícios de forma esporádica ao longo do dia ajuda a controlar o peso, particularmente em mulheres mais velhas. Em alguns estudos pequenos, essa prática também ajudou a melhorar, tanto quanto um treino único e longo, a capacidade aeróbica de pessoas que antes eram sedentárias e, enquanto programa de exercícios, estava mais propensa a ser mantida ao longo do tempo. Exercícios fracionados, no entanto, têm suas limitações.

“Você não conseguirá participar de uma Olimpíada.Você será mais saudável, mas não será um atleta”, afirma Gaesser.

Gaesser e seus colegas estão examinando agora se sessões de exercícios cada vez menores podem ajudar a controlar a pressão arterial e outras medições de saúde.

“Estamos tentando descobrir se dois minutos de caminhada realizada 15 vezes ao dia são eficientes. Um empenho que, implicitamente, revela mais do que talvez desejemos sobre as atitudes das pessoas em relação à atividade física”, afirma o pesquisador. Entretanto, ele acredita que os resultados iniciais são promissores.

* Por Gretchen Reynolds

Leia mais notícias de bem-estar e alimentação

    Leia tudo sobre: bem-estarhipertensãopressão altaexercíciospesquisa

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG