Doença pulmonar crônica mata um brasileiro a cada 4 horas

Ela gera redução progressiva do fluxo de ar nos pulmões, é causada principalmente pelo fumo e será a terceira causa de morte no mundo em 2020

Leoleli Camargo , iG São Paulo |

Getty Images
Fumo: 80% dos casos de doença obstrutiva crônica no pulmão são causados pelo tabagismo

Morrer sem ar deve ser uma das piores formas de morrer. Se você fuma, imagine isso antes de acender o próximo cigarro e considere parar de fumar o quanto antes. Pensar assim pode parecer mórbido, mas esta imagem é uma ameaça real para os quase 8 milhões de brasileiros portadores de Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC), uma condição progressiva causada predominantemente pelo fumo.

Apesar da palavra pulmonar no nome, a DPOC é uma doença sistêmica, ou seja, compromete o corpo todo. Associada a uma reação inflamatória exagerada – uma resposta do organismo a partículas e gases nocivos aos pulmões – ela gera a limitação progressiva do fluxo de ar que entra e sai dos pulmões, e é responsável por 40 mil mortes ao ano no Brasil, o que, estatisticamente, resulta em uma pessoa a cada quatro horas.

As consequências da gradual redução no ar aspirado e expirado começam de forma discreta. Os sintomas são tosse e catarro crônicos, cansaço e falta de ar. Com o tempo, o quadro evolui para uma bronquite crônica, e vai se agravando até chegar ao estágio mais avançado da doença, o enfisema pulmonar. E os problemas não param por aí: a DPOC pode gerar depressão e fadiga muscular, e aumenta em duas vezes o risco de infarto e acidente vascular cerebral (AVC).

“Muitas pessoas com a doença vão parar no hospital por conta de problemas cardiovasculares gerados pela DPOC. E um grande número delas volta para casa medicada para o coração, mas sem ter a doença pulmonar diagnosticada”, diz o pneumologista José Jardim, da Escola Paulista de Medicina.

O diagnóstico da DPOC é o grande entrave para mudar o cenário da doença no Brasil e no mundo. Ele é feito com base no histórico do paciente e com um teste chamado espirometria. O grande problema, afirma Jardim, é que a maioria dos médicos nem chegam a desconfiar da doença quando atende pacientes com problemas respiratórios. Hoje, dos quase 8 milhões de afetados por ela no País, apenas 350 mil estão fazendo tratamento – ele é feito com broncodilatadores, remédios de ação prolongada cujo objetivo é dilatar os brônquios e aumentar o fluxo de ar nos pulmões.

Leia mais: DPOC ainda é uma doença pouco conhecida

Nem todos os casos de Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica, no entanto, são consequência do fumo ativo ou passivo. Uma parcela dos doentes (cerca de 20%) tem DPOC por exposição frequente e prolongada a agentes químicos, poluição, poeira e fumaça proveniente da queima de madeira (fogão e forno à lenha).

“Mas a grande maioria dos casos é causada pelo cigarro. O tabagismo não é um vício nem um hábito, é uma doença. E 100% de quem fuma terá algum mal relacionado ao tabaco. A DPOC é um deles” alerta o pneumologista Roberto Stirbulov, presidente da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT).

A última estatística mundial da entidade divulgada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) sobre a DPOC mostra que em 2005 a doença matou 3 milhões de pessoas, o equivalente a 5% do total de mortes daquele ano. Desde então os números vêm subindo, impulsionados pelo adoecimento da legião de fumantes e ex-fumantes com mais de 20 anos de tabagismo, quando a DPOC geralmente começa a se agravar. A DPOC já é a 5º causa de morte no País e será, em menos de duas décadas, a terceira a mais matar pessoas em todo o mundo, estima a OMS.

Leia mais notícias de saúde

Leia tudo sobre: saúdefumoDPOCdoença pulmonar obstrutiva crônicacigarrotabagismopulmão

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG