Saiba como é a cirurgia para curar a impotência sexual

Apresentador Jorge Kajuru foi um dos pacientes submetidos à técnica, que é indicada quando medicamentos para disfunção erétil não funcionam

iG São Paulo |

Divulgação
Kajuru declarou ter feito cirurgia para recuperar a potencia sexual

Quatro em cada dez homens com mais de 50 anos sofrem de um problema de saúde devastador da autoestima, que também pode ser um anúncio de infarto e acidente vascular cerebral .

Apesar da gravidade que cerca a impotência sexual, a vergonha afasta os pacientes dos tratamentos e impede que eles tenham acesso às técnicas desenvolvidas para reverter a disfunção erétil.

Leia:  Entenda por que a impotência pode ser um aviso de problemas no coração

Prova disso é a cirurgia de prótese peniana, procedimento que está no mercado há 35 anos mas ainda é pouco conhecido do universo masculino.

A operação saiu ligeiramente do anonimato quando o apresentador Jorge Kajuru resolveu falar, sem rodeios, que tinha encarado o bisturi para voltar a “ter prazer em viver”.

Leia também:

Médicos alertam para o perigo do uso caseiro de silicone para aumentar o pênis

“Não teve reportagem, não teve Copa do Mundo, Olimpíada que me deixou mais feliz do que esta cirurgia do pênis”, declarou Kajuru à Revista Trip

Kajuru é diabético e, até bem pouco tempo, sofria de obesidade mórbida, duas condições que além de falirem com a capacidade de enrijecimento do órgão sexual masculino também podem comprometer a ação dos medicamentos existentes contra a disfunção erétil.

Saiba mais: Como é a ação do Viagra

Para esta gama de pessoas que não se dá bem com as conhecidas pílulas azuis, o urologista Marcelo Salim – médico que operou o apresentador – afirma que as cirurgias são um caminho possível.

“Os medicamentos responsáveis pela ereção foram a grande revolução para tratamento da disfunção erétil. Só depois de confirmada a ineficiência, está autorizado usar drogas injetáveis, como a prostaglandina (aplicada diretamente no pênis, horas antes da relação sexual)”, explica Salim.

“Se as injeções também não forem suficientes, a opção é a cirurgia de prótese peniana, um procedimento seguro, reconhecido e realizado pelos melhores centros médicos do mundo”, garante Salim, que já operou 102 pacientes.

Leia o alerta: Remédios contra a impotência são os mais falsificados no País

Como é o implante

centro médico - Dr. Paulo Egydio
Prótese de silicone maleável, usada nas cirurgias feitas em homens com disfunção erétil

O urologista Paulo Egydio , uma das principais autoridades brasileiras no tratamento da disfunção erétil, explica que no País a cirurgia peniana mais realizada é feita com uma prótese de silicone maleável.

“Com anestesia local, criamos uma cavidade embaixo da pele do pênis, onde é colocado o bastão de silicone, compatível com o tamanho do órgão sexual do paciente. Os nervos locais são preservados, o que permite a reação aos estímulos e a ereção”, explica Egydio, que já realizou 2,5 mil operações como esta.

“Como o pênis volta a ter firmeza e rigidez, o homem fica capaz de fazer penetração. A ejaculação não é comprometida.”

Centímetros a mais

Após a colocação da prótese, o pênis do paciente fica todo tempo enrijecido. Mas como o silicone é maleável, explica o especialista, é possível acomodá-lo para cima ou para baixo e disfarçar o volume.

“Outra vantagem da técnica é que, simultaneamente à colocação da prótese, é possível fazer a reconstrução peniana. Alguns pacientes, por causa dos problemas de saúde que desencadearam a disfunção erétil, perdem entre 2 e 4 centímetros do tamanho do órgão sexual. Isso ocorre por falhas na circulação e atrofiamento das veias”, explica o urologista.

Segundo ele, é possível recuperar o que foi perdido por meio da reconstrução. “Não dá para trazer centímetros extras e, sim, deixar o órgão do tamanho que ele teve um dia”, ressalta o especialista Egydio.

Polêmica:  Será que finasterida causa impotência?

O diretor do Departamento de Sexualidade Humana da Sociedade Brasileira de Urologia, Geraldo Eduardo Faria, endossa que a cirurgia para curar a impotência recupera a capacidade de ereção.

“Não é um mecanismo capaz de trazer de volta a libido e o apetite sexual”, esclarece.

“Por isso, a avaliação do médico é fundamental, pois a disfunção erétil pode ser um sintoma psicológico e não só orgânico. Além disso, como envolve outras doenças crônicas, por vezes o simples controle do diabetes pode melhorar a potência sexual.”

Conheça os oito vilões da potência sexual:

Siga lendo:  Saiba quais são os três inimigos do homem

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG