Você corre o risco de ter tendinite?

Por Elioenai Paes , iG São Paulo |

compartilhe

Texto

Os movimentos repetitivos e a sobrecarga dos tendões são os causadores dessa inflamação; mas, ao contrário do que muita gente pensa, a tendinite tem cura

Thinkstock/Getty Images
O tratamento da tendinite consiste em medicações, imobilização do membro e fisioterapia. Nos casos mais graves, a cirurgia é indicada pelo ortopedista


Sim, você é um sério candidato a ter dores resultantes das inflamações nos tendões se usa o computador e celular (para mandar mensagens) diariamente sem ficar atento à postura, alongamento e fortalecimento muscular. Por conta da tecnologia – e do trabalho que exige o acesso a ela – a população está fazendo mais movimentos repetitivos para usar o computador ou celular, e, de quebra, pouca gente se atenta a manter uma boa postura. O resultado caminha sempre para o mesmo lugar: inflamação nos tendões, a chamada tendinite.

A tendinite nada mais é do que essa inflamação nos tendões. “O tendão é o que ‘gruda’ o músculo ao osso, e, quando ele é sobrecarregado, o corpo se autodefende inflamando e mandando um alerta da dor. Se a pessoa se automedica para melhorar a dor, ela simplesmente está ignorando um alarme importante do organismo”, alerta Jorge Bitun, ortopedista chefe do departamento de ortopedia do Hospital Villa-Lobos. “A automedicação é um perigo porque vai aliviar a dor, mas não vai curar a tendinite, que pode evoluir para a ruptura dos tendões e consequentemente para a necessidade de uma intervenção cirúrgica”. 

O tratamento inicial da tendinite é conservador, composto por medicações específicas, imobilização do membro afetado e fisioterapia. 

Leia também: HC alerta para lesões causadas por smartphones

Bitun explica que uma das causas mais comuns da tendinite nas mãos é a digitação. Para evitar esse problema, é essencial que os cotovelos sempre estejam apoiados na cadeira, no nível da mesa, e o teclado não estaja muito mais alto do que cotovelo. O ideal é que a altura do teclado não esteja mais que 15º mais alto.

Porém, para prevenir que aconteça alguma inflamação, o ideal é alongar o tendão e fortalecê-lo por meio de exercícios. “Na academia, por exemplo, existem exercícios para o punho, além dos braços e ombros, que fortalecem a musculatura e faz com que ela aguente mais sobrecarga”, explica Bitun, que recomenda que um profissional seja consultado antes de começar a fazer esses exercícios, para não correr o risco de fazer os movimentos errados e piorar a situação.

Ao contrário do que muita gente pensa, no entanto, é possível se livrar da tendinite de uma vez por todas. “As pessoas costumam achar que tendinite não tem cura. Isso é um erro. O problema é que, depois que a tendinite foi tratada, elas voltam a fazer os mesmos movimentos repetitivos – e, naturalmente, o tendão vai inflamar novamente”, explica o ortopedista.

Leia também: Problema no joelho rende 107 mil afastamentos do trabalho por ano

“Se alguém teve tendinite por conta do trabalho e depois do tratamento quiser continuar fazendo exatamente a mesma função, vai ter que corrigir a postura, além de alongar e fortalecer os tendões”, explica o chefe de ortopedia do Hospital Villa-Lobos.

Bitun recomenda que, para prevenir a tão temida e temporariamente incapacitante tendinite, é preciso fazer exercícios físicos direcionados por três vezes por semana, 40 minutos cada vez, além de fazer alongamento de 15 minutos três vezes ao dia, antes de ir para o trabalho, durante o trabalho e quando voltar para casa.

Leia mais notícias de saúde

Leia tudo sobre: saúdetendiniteinflamação no tendãodorortopedia

compartilhe

Texto

notícias relacionadas