Tamanho do texto

Segundo psiquiatra do Hospital das Clínicas, não há um motivo único para o comportamento sexual de risco

As informações sobre sexo seguro estão por todo lado: na televisão, na escola, no cinema... Às vésperas do carnaval, essas campanhas aumentam, reforçando a importância do uso preservativo como a mais importante arma de combate ao HIV/Aids.

Preservativo: ele ajuda na proteção contra o vírus HPV
Getty Images
Preservativo: ele ajuda na proteção contra o vírus HPV


Uma pesquisa feita pela empresa Gentis Panel aponta que 52% dos brasileiros raramente ou nunca usam o preservativo, apesar de 95% da população ter consciência de que a camisinha é o modo mais eficiente de proteção contra o vírus.

No carnaval, a ingestão excessiva de álcool e o uso de drogas podem aumentar essas estatísticas, pois o abuso dessas substâncias é capaz de implicar alterações comportamentais, como o sexo sem camisinha com risco de gravidez indesejada, infecção por HIV e outras doenças sexualmente transmissíveis, a exemplo de sífilis, gonorreia e até mesmo hepatites B e C.

No carnaval, é comum ingerir muito álcool, o que pode mudar o comportamento das pessoas
Fernando Pereira/ SECOM
No carnaval, é comum ingerir muito álcool, o que pode mudar o comportamento das pessoas


Segundo o infectologista e secretário de Estado da Saúde de São Paulo David Uip, esse comportamento é perigoso porque, no caso da Aids, é importante ter clareza que a doença ainda não tem cura, tampouco vacina.

“Embora os tratamentos hoje disponíveis sejam altamente eficazes, fazendo com que o paciente infectado possa conviver por décadas com o vírus, os efeitos colaterais da terapia antirretroviral são inúmeros: alterações metabólicas, dislipidemia, intolerância a glicose, diabetes, doença arterosclerótica, hipertensão arterial, alterações corpóreas [a exemplo de redistribuição de gordura], câncer, alterações renais, hepáticas e ósseas, entre outras.”

Mas, afinal de contas, por que as pessoas continuam a fazer sexo sem proteção mesmo nessa era em que a informação pode ser acessada a qualquer hora e de qualquer lugar?

O psiquiatra e especialista em transtornos de sexualidade do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo Marco Scanavino afirma que não há um único motivo para o comportamento sexual de risco, pois são várias as questões que levam uma pessoa a não usar preservativo, além do abuso de álcool e drogas.

Uma delas, diz Scanavino, é que algumas pessoas não conseguem ter uma consciência clara das chances de se expor à contaminação por doenças ao fazerem sexo desprotegido, principalmente porque as campanhas sobre a importância do uso da camisinha, apesar de muito boas, costumam se voltar a públicos específicos, como homens homossexuais, por exemplo.

Álcool não é o único responsável por foliões esquecerem o preservativo
Getty Images
Álcool não é o único responsável por foliões esquecerem o preservativo


“Quem não acompanha a informação não consegue entender que o risco de adoecer por não usar preservativo continua existindo. Homens heterossexuais e bissexuais também acabaram tendo um aumento grande de contaminação nos últimos anos, mas as campanhas sempre veicularam muito mais o tema voltado para o homem homossexual e isso pode fazer com que parte da população não tenha acesso à informação e continue se expondo.”

O fato de a epidemia estar controlada no Brasil - o país registrou, em 2015, recorde no número de pessoas em tratamento de HIV e Aids, segundo o Ministério da Saúde - também distancia os mais jovens do preservativo, de acordo com o psiquiatra.

Um público específico enfrenta dificuldades quando o assunto é o uso do preservativo masculino: as mulheres.  O medo de contrariar o parceiro com o pedido para usarem camisinha no ato sexual é um dos principais motivos que levam as mulheres a fazer sexo sem proteção.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), em todo o mundo, 16 milhões de mulheres vivem com HIV, o que representa metade dos adultos vivendo com o vírus. HIV/Aids é a principal causa de morte entre mulheres em idade reprodutiva em países em desenvolvimento.

“O uso do preservativo masculino está mais no domínio do homem do que da mulher, ao passo que com o anticoncepcional acontece o contrário. A mulher precisa negociar o uso do preservativo  com o parceiro, precisa ter assertividade e nem todas conseguem fazer isso, não se sentem autoconfiantes, têm receio da reação do parceiro, de ser preterida, mal interpretada. É preciso entender que o pedido pelo uso do preservativo tem a ver com a preservação da saúde e não com a falta de confiança”, explica o psiquiatra.

E quem pensa que o risco de contaminação acaba na terceira idade está enganado.

“Hoje, as pessoas vivem mais, tem remédio para ereção e o idoso pode ter vida sexual ativa. O problema é que esses indivíduos não se acostumaram a usar preservativo, isso não fez parte dos hábitos deles no passado. Por isso que é um segmento que precisa ser contemplado nas campanhas sobre sexo seguro.”