Tamanho do texto

Durante partida contra Sérvia, lateral esquerdo sentiu lesão e precisou ser substituído; médico explica o que causa o problema e como é o tratamento

Com dor na coluna, Marcelo chora ao deixar o gramado e recebe tratamento para espasmo muscular na lombar
Reprodução/Fifa.com
Com dor na coluna, Marcelo chora ao deixar o gramado e recebe tratamento para espasmo muscular na lombar

Quando o lateral esquerdo Marcelo deixou o campo bem no início da partida contra a Sérvia pela Copa do Mundo nesta quarta-feira (27), o medo de que alguma lesão grave tenha acontecido com o jogador pairou sobre a torcida brasileira. Logo depois, o médico da Seleção Rodrigo Lasmar tentou tranquilizar os mais preocupados, informando que se tratava apenas de um espasmo muscular na lombar.

Leia também: Espasmo na coluna de Marcelo pode ter sido causado por colchão macio do hotel

O termo pode parecer pouco comum, mas um  espasmo muscular na lombar  não é nada mais do que quando os músculos apresentam contrações involuntárias, o que acontece espontaneamente e pode gerar dor e desconforto intensos. Ou, falando de uma maneira mais popular, quando a pessoa dá o famoso “mau jeito”.

“Talvez tenha relação com o colchão um pouco mais macio no hotel. Ele teve um mau jeito na coluna. Mas é cedo para prever o que vai acontecer nos próximos dias. Amanhã [quinta-feira (27)] ele segue tratamento, e em um ou dois dias poderemos ter uma conduta mais concreta”, disse Lasmar à imprensa.

Apesar de, aparentemente, não ter sofrido nenhum lance que justificaria a lesão na lombar, o neurocirurgião e diretor do Comitê de Cirurgia Minimamente Invasiva da Sociedade Brasileira de Coluna, Adriano Scaff, explica que esse tipo de problema pode acontecer repentinamente.

“Pode ser um movimento repentino no calor de uma partida de tênis ou um jogo de futebol, ou uma queda, torção ou contração muscular repentina para evitar uma queda. A dor repentina geralmente segue uma lesão clara, embora possa haver um atraso de horas ou até um ou dois dias”, explicou o médico

Ele também ressalta que esses espasmos também podem ocorrer sem lesão muscular, como um fenômeno reflexo de estruturas mais profundas e irritadas, incluindo ligamentos rompidos, infecções, tumores ou irritação crônica do disco ou hérnia.

No entanto, não há motivo para pânico em relação ao quadro do jogador da Seleção . “A maneira como você se move, sua postura e outros testes permitem ao médico separar um espasmo muscular primário daquele causado por alguma doença subjacente”, garantiu Scaff.

Leia também: Dor no quadril e nos joelhos pode ser 'ressaca da evolução', indica estudo

Como tratar o espasmo muscular?

Os médicos recomendam atividade física e a caminhada, de acordo com o que for tolerado pelo paciente, combinadas com os antiinflamatórios não-esteróides (AINEs). Algumas dessas drogas já estão disponíveis sem receita.

“Os relaxantes musculares também podem ser usados, mas eles não são mais eficazes que os AINEs e podem causar sedação. Manipulação da coluna vertebral pode ser útil em alguns casos, mas consulte seu médico primeiro. Analgésicos também são utilizados”, incluiu Scaff.

Se a dor não passar e persistir além de 1 ou 2 semanas, o ideal é buscar ajuda médica.  Em alguns casos de espasmo muscular na lombar , os especialistas podem indicar fisioterapia e até aconselhamento sobre como lidar com a dor. “Continuar exercitando e tentando ser o mais funcional possível em casa e no trabalho também pode ser útil”, completou.

Leia também: Dez vezes mais cara, cirurgia pouco invasiva  da coluna ganha adeptos no Brasil