Minha Saúde

enhanced by Google
 

Amídalas podem prejudicar o sono e deixar a garganta sensível

Inflamações constantes são sinal de alerta. Problema pode ainda causar danos ao coração e interferir no metabolismo

Bruno Folli, iG São Paulo

Compartilhar:

Foto: Thinkstock Photos

Dor de garganta recorrente pode ser sinal de problemas nas amídalas

Quem possui a garganta sensível demais, daquelas que vive inflamada, e também ronca com frequência pode ter a origem dos problemas no mesmo lugar: as amídalas. Quando elas são grandes demais para a estrutura anatômica do pescoço, há risco de complicações sérias.

Ronco e inflamações geralmente são os primeiros sinais de alerta. Mas o quadro pode também afetar a saúde cardíaca e provocar alterações metabólicas, como diabetes, hipertensão arterial e acúmulo de gordura abdominal. Em alguns casos, os homens chegam a sofrer disfunção erétil.

As inflamações constantes na garganta são causadas pelo acúmulo de resíduos da alimentação nas amídalas. “A superfície delas nem sempre é lisa, podem haver irregularidades e cavidades que facilitam o depósito de resíduos”, explica Mônica Menon-Miyake, otorrinolaringologista dos hospitais Sírio Libanês e Prof. Edmundo Vasconcelos.

Leia mais
Ar-condicionado ameaça a saúde
Mitos e verdades da pneumonia
Gargarejo com água salgada ameniza sintomas do resfriado?

A situação é recorrente porque as amídalas sempre entram em contato com os alimentos ingeridos, mas seu difícil acesso impede uma limpeza adequada. Elas ficam bem no início da garganta, atrás da úvula (a campainha acima da extremidade anterior da língua). São duas amídalas, uma de cada lado da garganta, e elas podem ser vistas no espelho se a pessoa abrir bem a boca e abaixar a língua.

Quanto maior forem as amídalas, maior é o risco de acumular resíduos e, por consequência, maior o risco de inflamações recorrentes. “Isso pode prejudicar o sono”, diz a médica. O acúmulo de resíduos também favorece a halitose.

Apneia do sono

O próprio volume avantajado das amídalas já representa um problema. Elas podem dificultar a passagem do ar e causar pequenas interrupções na respiração. Isso provoca queda na oxigenação do organismo e está diretamente relacionado ao risco cardíaco.

Em cada episódio de inflamação, o volume das amídalas aumenta e agrava ainda mais o quadro de apneia e de ronco.

O quadro pode ser ainda piorado pela posição em que a pessoa dorme. Quem costuma se deitar com a barriga para cima pode sofrer influência da gravidade sobre mandíbula e língua, fazendo ambas voltarem um pouco para trás e, assim, aproximando ainda mais o tecido mole da boca. O ar fica com a passagem restrita.

Choque térmico

No verão, a situação toda tende a piorar. “A pessoa entra e sai de ambientes com ar-condicionado o tempo todo. Quando ela faz isso, se expõe a condições diferentes. Ora quente e úmido, ora frio e seco”, afirma o virologista britânico John Oxford, que veio recentemente ao Brasil para o lançamento de uma pastilha contra dor de garganta.

As duas situações favorecem as inflamações nas amídalas. Nos ambientes quentes, a pessoa transpira mais e perde líquido. No ambiente frio, o ar seco também favorece o ressecamento da mucosa. “Isso provoca queda na salivação, uma forma de proteção natural do organismo”, alerta a otorrino

Leia mais
Os três inimigos do homem
Ronco é indício de problemas cardíacos e diabetes
Ajuste o ambiente ao seu bem-estar
Combinações perigosas ameaçam a pílula

E não adianta ficar recorrendo às receitas caseiras para contornar inflamações na garganta, porque muitas das fórmulas podem agravar a situação, caso do mel com própolis.

“O mel, dependendo da quantidade, causa irritação no estômago e refluxo. Então, o ácido vai causar ainda mais danos à garganta”, esclarece Mônica. E o própolis costuma ser armazenado em soluções com álcool, que também provocam desconforto na região das amídalas.

“Uma boa saída é ingerir muito líquido. Manter-se hidratado bebendo um copo de água a cada meia hora. Não adianta beber muita água de uma só vez, é preciso uma ingestão fracionada e frequente”, recomenda.

Alterações do metabolismo

Quando as amídalas começam a influenciar a qualidade do sono, elas também começam a alterar a saúde do coração. “Existem muitos estudos que fazem essa relação”, afirma Mônica. A falta de oxigenação causada pela apneia pode elevar a pressão arterial e a produção de glicose.

Isso favorece o ganho de peso e o risco de diabetes, doenças diretamente relacionadas ao risco cardíaco. Sem descansar apropriadamente, o metabolismo perde seu ritmo ideal e isso também pode contribuir com o ganho de peso e com a apneia.

É um ciclo vicioso, mas que pode ser quebrado com acerta facilidade. “As amídalas muito volumosas, quando começam a causar muitas inflamações, têm recomendação de cirurgia”, conta a otorrino.

Leia mais
Escape das queimaduras de verão
Água de comer
Como proteger a saúde do ar seco

O procedimento cirúrgico também é visto com bons olhos como forma de evitar o abuso de antibióticos. “Levantamentos nacionais mostram que 45,3% dos casos são tratados com antibióticos”, afirma a médica. Em muitas das vezes, a medicação é tomada sem orientação ou necessidade, o que favorece a formação de bactérias resistentes.

A cirurgia é simples e segura, embora tenha um pós-operatório um pouco doloroso. O paciente pode retomar suas atividades profissionais em cerca de uma semana, mas deve ficar afastado dos exercícios mais intensos por até 45 dias.

    Notícias Relacionadas


    Ver de novo