Minha Saúde

enhanced by Google
 

Depressão avança no mundo e desafia médicos

Doença é causada por uma combinação de fatores e requer diferentes frentes de tratamento

Bruno Folli, iG São Paulo - Atualizada em 11/05/2011 16:58

Compartilhar:

Foto: SXC Ampliar

Depressão atinge mais muilheres

A depressão avança rapidamente mundo afora, apesar dos inúmeros esforços para contê-la.

Novos medicamentos, campanhas mundiais e mais acesso aos tratamentos psiquiátricos não parecem suficientes para evitar projeções bem negativas da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Leia a segunda parte da matéria: Depressão aumenta o risco de infarto

A entidade estima que 5% da população mundial tenha enfrentado ao menos um episódio de depressão no ano passado. “Essa foi a taxa média que encontramos nos países ao realizar a pesquisa mundial de saúde mental”, afirma Mark Humphrey Van Ommeren, do departamento de saúde mental da OMS, em entrevista ao iG Saúde.

Ele esclarece que não é fácil obter dados precisos sobre a prevalência da doença no mundo. “Às vezes recebemos números de pessoas com depressão, às vezes pessoas que tiveram depressão em algum momento da vida e às vezes pessoas que tiveram a doença no ano anterior”, esclarece. E isso interfere nos números.

O mesmo acontece no Brasil. “Existem estudos locais com metodologias diferentes”, afirma. Isso daria apenas um retrato inconsistente da prevalência da doença no país. “Faltam estudos de porte nacional”, aponta.

“As regiões norte e centro-oeste têm poucas pesquisas”, afirma o epidemiologista Paulo Menezes, pesquisador da USP com estudos na área de doenças mentais. Ele explica que os estudos feitos em outras regiões sugerem estimativas entre 10% e 20% de prevalência na população adulta do país. A OMS sustenta a estimativa de 5%, que representa oito milhões de pessoas.

“A depressão está entre as principais causas de incapacidade no Brasil”, afirma o psiquiatra Itiro Shirakawa, vice-presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) e especialista em depressão.

Leia sobre depressão
Exercícios contra a depressão
Em dois anos, número de afastamentos por depressão sobe 63%
Transtornos mentais atingem 23 milhões de pessoas no Brasil

Se um paciente perguntar ao médico porque está deprimido, a resposta não será simples. Mas em algum momento da explicação, certamente, o médico usará o termo “multifatorial”.

“Existe a tendência genética, mas é só isso. Ansiedade e estresse também exercem um papel muito importante”, aponta o psiquiatra Geraldo Possendoro, da Unifesp. Os estímulos do cotidiano ao qual a pessoa está inserida podem favorecer uma eventual predisposição genética.

Faça o teste: Qual o seu grau de ansiedade

Além da relação entre ambiente e genética, existe o fator emocional. A estrutura psicológica da pessoa dá suporte aos desafios do dia a dia. Se ela tiver uma boa estrutura, terá mais facilidade em superar situações difíceis e lidar com frustrações. “É sua estratégia de enfrentamento”, esclarece a psiquiatra Alexandrina Meleiro, doutora em psiquiatria pela USP.

A médica explica que a família exerce um papel fundamental na construção das bases emocionais da pessoa. “Família desestruturada, lar desfeito e mãe ausente, tudo isso favorece a instabilidade”, enumera.

Início sutil

Mesmo quando tudo joga contra a pessoa, a depressão não surge do dia para a noite. É um processo lento. Ninguém dorme feliz e acorda deprimido, embora seja justamente essa a primeira impressão de alguns pacientes.

A engenheira Bernardete Araújo, hoje com 56 anos, era uma consultora bem-sucedida quando se deparou com uma crise de estresse, há oito anos. O desgaste era tanto, que surgiram dores no estômago, nas pernas e na coluna. “Fiz uma avaliação médica e descobri que era depressão”, recorda.

Leia sobre depressão infantil: Ela pode aparecer a partir dos 4 anos

No primeiro momento, o diagnóstico foi uma surpresa e pareceu mesmo uma consequência do cotidiano estressante. Mas a história da doença, na verdade, era bem maior. Uma observação mais atenta ao passado de Bernardete revelou que ela já sofria crises desde a adolescência. “Mas não sabia o que era”, conta.

Casos como o da engenheira são mais frequentes do que se imagina. “Adolescentes podem ter depressão combinada com ansiedade”, aponta Alexandrina. Isso dá um comportamento atípico ao paciente, diferente da tristeza e apatia que geralmente se espera de alguém deprimido.

Foto: Guilherme Lara Campos / Fotoarena Ampliar

Érica Priscila Coronato, de 39 anos, durante oficina de pintura, no Parque Ibirapuera

Início marcante

No outro extremo da depressão, Érica Priscila Coronato, de 39 anos, sempre soube muito bem quando sua doença começou.

“Tive uma crise em 1997, depois que minha mãe morreu”, conta.

O trauma exigiu seis meses de tratamento feito em hospital, combinado com uso de medicamentos e terapia particular. “Parei de trabalhar. Fechamos um restaurante que era administrado pela minha família”, recorda-se.

A dedicação ao tratamento passou a ser quase integral. Por recomendação da terapeuta, Érica passou a frequentar o Centro de Convivência Cooperativa (Cecco) do Parque Ibirapuera, em São Paulo. “Ia todo dia. Fazia mosaicos, terapia em grupo, pintura em tela e bordados. Adorava os artesanatos”, diz.

Ficar triste pela morte da mãe é uma reação esperada em qualquer pessoa, mas isso não significa que a morte de um parente querido sempre causará depressão. “Tristeza é um sentimento natural e fisiológico. É uma resposta a um estímulo”, esclarece Alexandrina. A persistência do sentimento é que configura algo patológico. “Isso gera alterações neuroquímicas e caminha para um quadro de depressão”, explica.

Não é uma escolha

Quando a pessoa adoece, ela não está simplesmente triste e precisando de algo para se distrair e ganhar ânimo. Depressão interfere na produção de noradrenalina e serotonina, neurotransmissores importantes para o bom funcionamento do cérebro.

Outros neurotransmissores também podem ter seus níveis alterados e, com isso, a pessoa passa a ter dificuldade para desempenhar algumas atividades. Bernardete, por exemplo, tinha dificuldade para se concentrar e não conseguia tomar decisões.

“Até coisas simples eram difíceis. Minhas amigas me convidam para o cinema, e não sabia se ia ou não”, recorda.

Falta de concentração, tristeza e dificuldade para tomar decisões são alguns dos sintomas mais conhecidos da depressão. Contudo, existem outros. “Homens somatizam mais e podem ter AVC (acidente vascular cerebral) e infarto. Outras especialidades médicas não estão preparadas (para diagnosticar esses sintomas como depressão), embora exista uma consciência maior sobre a doença”, avalia Alexandrina.

Leia também: Depressão aumenta risco de infarto

A médica defende que toda especialidade médica deve saber como diagnosticar, ou ao menos como levantar a suspeita, de que seu paciente esteja deprimido. Em consultórios de ortopedistas, a reclamação de dor pode ter origem na depressão. O mesmo pode acontecer em consultas com endocrinologistas, cardiologistas e até cirurgiões plásticos.

“A pessoa quer mudar o nariz, faz a cirurgia e até fica feliz no primeiro ano. Mas a causa da depressão ainda está lá”, alerta a psiquiatra. “A chance de suicídio é maior em mulheres com prótese mamária, dez anos após o implante”, alerta Alexandrina.

Na opinião da especialista, ainda existe uma banalização dos problemas com fundo emocional. “Isso é visto como se não fosse algo sério”, afirma. Uma das implicações disso é o diagnóstico tardio da depressão, quando o paciente já passou por algumas crises e tem a doença cronificada. “A chance de precisar de medicação para o resto da vida fica maior”, diz a médica.

Se a detecção da depressão for bem precoce, há boas chances dela ser controlada apenas com terapia, sem qualquer medicação. Isso é que desejam os especialistas, mas a realidade é diferente. “Quem sofre da doença tem de cinco a dez episódios na vida”, afirma o psiquiatra Primo Paganini, gerente médico de grupos de produtos da Pfizer.

Leia também
O infarto do novo século

    Notícias Relacionadas


    Ver de novo