Minha Saúde

enhanced by Google
 

Artrite

Compartilhar:
Conteúdo exclusivo para o iG no Brasil e usado pelos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos

Foto: ADAM

Artrite no quadril

Definição

A artrite é uma inflamação de uma ou mais articulações, que resulta em dor, inchaço, endurecimento e limitação de movimento. Existem mais de 100 tipos diferentes de artrite.

Nomes alternativos

Inflamação nas articulações

Causas, incidência e fatores de risco

A artrite consiste na quebra da cartilagem. A cartilagem geralmente protege a articulação, permitindo um movimento amortecido. A cartilagem também absorve o choque quando a pressão é colocada na articulação, como ao andar, por exemplo. Com a ausência da quantidade normal de cartilagem, os ossos se friccionam, causando dor, inchaço (inflamação) e rigidez.

É possível apresentar uma inflamação nas articulações por diversos motivos, inclusive:

  • Uma doença autoimune (o organismo ataca a si próprio porque o sistema imunológico não reconhece uma parte do corpo)
  • Osso quebrado
  • Desgaste comum das articulações
  • Infecção (normalmente decorrente de bactérias ou vírus)

Normalmente, a inflamação desaparece depois que a lesão é curada, a doença é tratada ou a infecção é combatida.

No caso de certas lesões e doenças, a inflamação não desaparece ou a destruição causa deformidade e dor de longa duração. Quando isso ocorre, você tem artrite crônica. A osteoartrite é o tipo mais comum e, conforme você envelhe, as chances de ocorrência aumentam. É possível senti-la em qualquer articulação, mas com mais frequência nos quadris, nos joelhos e nos dedos.

Os fatores de risco para a osteoartrite incluem:

  • Estar acima do peso
  • Lesão prévia na articulação afetada
  • Uso da articulação afetada em ações repetitivas que coloquem estresse sobre ela (jogadores de basquetebol, bailarinos e operários de construção estão todos sob o risco)

A artrite pode surgir em homens e em mulheres de todas as idades. Cerca de 37 milhões de pessoas — quase 1 em cada 7 pessoas — nos Estados Unidos sofrem de algum tipo de artrite.

Outros tipos ou desencadeadores de artrite incluem:

  • Doença de Still do adulto
  • Espondilite anquilosante
  • Infecções fungícas como blastomicose
  • Artrite gonocócica
  • Gota
  • Artrite reumatoide juvenil (em crianças)
  • Outras infecções bacterianas (artrite bacteriana não gonocócica)
  • Artrite psoriática
  • Artrite reativa (síndrome de Reiter)
  • Artrite reumatoide (em adultos)
  • Escleroderma
  • Lúpus eritematoso sistêmico (LES)
  • Doença de Lyme terciária
  • Artrite tuberculosa
  • Artrite viral

Sintomas

Se você sofre de artrite, pode sentir:

  • Dor em articulações
  • Inchaço nas articulações
  • Redução na capacidade de mover as articulações
  • Vermelhidão da pele ao redor da articulação
  • Rigidez, especialmente pela manhã
  • Aquecimento ao redor a articulação

Exames e testes

Primeiro, seu médico fará seu histórico médico detalhado para ver se a artrite ou outro problema musculoesquelético é a provável causa dos sintomas.

Depois, um exame físico completo pode mostrar que há acúmulo de líquido na articulação. (Isso é chamado de efusão). A articulação pode estar sensível a pressões leves e pode estar quente e avermelhada (principalmente em artrite infecciosa e em artrite autoimune). Pode ser doloroso ou difícil fazer a rotação das articulações em algumas direções. Isso é chamado de amplitude de movimento reduzida.

Em algumas formas autoimunes de artrite, as articulações podem ficar deformadas, se a doença não foi tratada. Tais deformidades da articulação são as características de artrite reumatoide grave não tratada.

Os testes variam de acordo com a causa suspeita. Eles geralmente incluem exames de sangue e raios X da articulação. Para verificar a presença de infecção e outras causas de artrite (como gota causada por cristais de ácido úrico), o líquido da articulação é removido com uma agulha e examinado microscopicamente. Consulte os tipos específicos de artrite para obter mais informações.

Tratamento

O tratamento da artrite depende da causa, das articulações afetadas, da gravidade e de como a doença afeta as atividades diárias. A idade e a ocupação também são levadas em consideração na criação de um plano de tratamento.

Se possível, o tratamento terá o foco na eliminação da causa da artrite. Entretanto, a causa NÃO é necessariamente curável, como nos casos da artrite reumatoide e da osteoartrite. O tratamento, portanto, visa à redução da dor e do desconforto, além da prevenção de uma incapacidade futura.

É possível amenizar satisfatoriamente os sintomas da osteoartrite e de outros tipos de artrite de longa duração sem o uso de medicamentos. Na realidade, fazer mudanças no estilo de vida sem medicamentos é preferível para a osteoartrite e outras formas de inflamações articulares. Se necessário, os medicamentos devem ser ministrados juntamente com as mudanças de estilo de vida.

A prática de exercícios torna-se necessária para manter as articulações saudáveis, amenizar a rigidez, reduzir a dor e a fadiga e melhorar a resistência dos músculos e dos ossos. O programa de exercícios deve ser feito exclusivamente para o paciente.

Trabalhe junto com seu fisioterapeuta para planejar um programa individualizado, que deve incluir:

  • Atividade aeróbica de baixo impacto (também chamada de exercício de resistência)
  • Exercícios de amplitude de movimento para adquirir flexibilidade
  • Treino de resistência para tônus muscular

Um fisioterapeuta pode aplicar tratamentos de calor e frio, se necessários, e ajustar splints ou férulas para dar apoio e alinhar as articulações. Isso pode ser principalmente necessário para a artrite reumatoide. Seu fisioterapeuta ainda pode considerar hidroterapia, massagem com gelo ou estimulação elétrica transcutânea (TENS).

Faça o teste: Qual a atividade física ideal para você?

O repouso é tão essencial quanto o exercício. Dormir de 8 a 10 horas diárias e tirar sonecas durante o dia podem ajudar na recuperação de um flare up (agudização) mais rápido e ainda podem ajudar a evitar exacerbações.

É também recomendável:

  • Evitar permanecer na mesma posição por um longo tempo
  • Evitar posições ou movimentos que colocam pressão extra nas articulações afetadas
  • Modificar sua casa para facilitar as atividades. Por exemplo, tenha barras para se segurar no chuveiro, na banheira e perto do vaso sanitário
  • Reduza o estresse, que pode agravar os sintomas. Experimente meditação ou relaxamento através visualização mental guiada. E converse com seu fisioterapeuta sobre yoga e tai chi

Você está estressado? Faça o teste e descubra!

Outras medidas incluem:

  • Aplicar creme de capsaicina (derivada da pimenta chilli) na pele sobre as articulações doloridas. Há possibilidade de sentir melhora depois de 3 a 7 dias de aplicações do creme
  • Siga uma dieta rica em vitaminas e minerais, principalmente antioxidantes como a vitamina E. Eles são encontrados em frutas e vegetais. Obtenha selênio da levedura de Brewer, germe de trigo, alho, grãos inteiros, sementes de girassol e castanha do Pará. Obtenha ácidos graxos de ômega 3 de peixes de água fria (por exemplo, salmão, cavala e arenque), sementes de linho, óleo de canola, grãos de soja, óleo de soja, sementes de abóbora e nozes
  • Tome glucosamina e condroitina — elas formam os blocos de cartilagem, a substância que cobre as articulações. Esses suplementos estão disponíveis em lojas de suplementos alimentares e supermercados. Enquanto algumas pesquisas mostram como os suplementos podem reduzir os sintomas de osteoartrite, outras não mostram nenhum benefício. Entretanto, já que esses produtos são considerados seguros, vale a pena experimentar, uma vez que muitos pacientes sentem os sintomas amenizados
  • Se estiver acima do seu peso, reduza-o. A perda de peso pode reduzir muito a dor nas articulações das pernas e dos pés

MEDICAMENTOS

O médico selecionará de uma variedade de medicamentos, conforme a necessidade. Geralmente, as primeiras drogas experimentadas não precisam de receita médica. São elas:

  • Paracetamol — recomendado pelo American College of Reumatology (Faculdade Norte-Americana de Reumatologia) e pela American Geriatrics Society (Sociedade Norte-Americana de Geriatria) como tratamento de primeira linha para a osteoartrite. Isso pode aliviar significativamente a dor causada pela doença sem muitos dos efeitos colaterais das drogas de prescrição. NÃO exceda a dosagem recomendada nem ingira a droga com grandes quantidades de álcool. Essas ações podem causar danos ao seu fígado
  • Aspirina, ibuprofeno ou naproxeno — esses anti-inflamatórios não esteroides (AINEs) são muitas vezes eficazes no combate à dor da artrite. Entretanto, elas possuem riscos potenciais, principalmente se usadas por longos períodos. Não consuma nenhuma quantidade antes de consultar seu médico. Os efeitos colaterais prováveis incluem ataque cardíaco, derrame, úlceras estomacais, sangramento do trato digestivo e danos nos rins. Em 2005, a FDA — Agência de controle de medicamentos e alimentos nos Estados Unidos — solicitou aos fabricantes de AINEs para incluir um rótulo de alerta em seus produtos sobre o elevado risco de ataque cardíaco, derrame e sagramento gastrointestinal. Se você sofre de doença renal ou hepática, ou ainda tem histórico de sangramento gastrointestinal, não deve ingerir esses medicamentos até que seu médico os recomende

Possíveis medicamentos receitados:

  • Medicamentos biológicos-- esses são o mais recente avanço no tratamento da artrite reumatoide. Tais medicamentos, inclusive etanercepte, infliximab e adalimumab são ministrados por meio de injeções e podem melhorar drasticamente a qualidade de vida. Os medicamentos biológicos mais recentes incluem abatacept, rituximab, golimumabe, certolizumab e tocilizumabe
  • Corticosteroides (esteroides) -- esses são medicamentos que anulam o sistema imunológico e os sintomas de inflamação. Eles costumam ser injetados nas articulações osteoartritícas doloridas. Os esteroides são usados para tratar as formas autoimunes de artrite, mas devem ser evitados em artrites infecciosas. Os esteroides têm vários efeitos colaterais, incluindo indigestão e sangramento gastrointestinal, hipertensão arterial, afinamento dos ossos, catarata e infecções aumentadas. Os riscos ficam mais evidentes quando os esteroides são usados por longos períodos ou em alta dosagem. O acompanhamento médico é essencial
  • Inibidores da ciclooxigenase-2 (COX-2) — essas drogas bloqueiam uma enzima que estimula a inflamação chamada COX-2. Antigamente, acreditava-se que essa classe de drogas funcionava tão bem quanto as tradicionais AINEs, mas com menos problemas estomacais. Entretanto, diversos relatos de ataques cardíacos e derrames alertaram a FDA para uma reavaliação dos riscos e dos benefícios da COX-2. O celecoxib ainda é encontrado, mas com aviso no rótulo e uma recomendação para ser prescrita na dosagem mínima e para o menor tempo de duração possíveis. Converse com seu médico para saber se a COX-2 é certa para você
  • Drogas antirreumáticas modificadoras de doenças — essas são tradicionalmente usadas para tratar a artrite reumatoide e outras causas autoimunes da artrite. Tais drogas incluem sais de ouro, penicilamina, sulfasalazina e hidroxicloroquina. Mais recentemente, foi comprovado que o metotrexato retarda a progressão da artrite reumatoide e melhora a qualidade de vida. O metotrexato em si pode ser altamente tóxico e requer exames de sangue frequentes em pacientes que estão ingerindo essa medicação
  • Imunossupressores — essas drogas, como a azatioprina ou a ciclofosfamida, são usadas em casos graves de artrite reumatoide, quando outras medicações não foram eficazes

É muito importante tomar as medicações prescritas pelo seu médico. Se você tem dificuldades (por exemplo, efeitos colaterais intoleráveis), deve conversar com seu médico.

CIRURGIA E OUTRAS ABORDAGENS

Em alguns casos, a cirurgia para reconstrução da articulação (artroplastia) ou para substituição da articulação (como a substituição total da articulação do joelho) pode ajudar a manter um estilo de vida mais normal. A decisão de realizar a cirurgia para substituição da articulação do joelho é normalmente feita quando as alternativas, como mudança no estilo de vida e uso de medicamentos, não são mais eficazes.

As articulções normais contêm um lubrificante chamado líquido sinovial. Nas articulações afetadas pela doença, esse líquido não é produzido em quantidades adequadas. Em alguns casos, o médico pode injetar uma versão artificial do líquido da articulação na articulação afetada. O líquido sintético pode postergar a necessidade de cirurgia temporariamente e melhorar a qualidade de vida em pessoas que sofrem de artrite.

Evolução (prognóstico)

Alguns distúrbios associados à artrite podem ser completamente curados com tratamento. Porém, a maioria deles são condições crônicas (longa duração), e o objetivo do tratamento é controlar a dor e reduzir os danos na articulação. A artrite crônica costuma ser muito recorrente.

Complicações

  • Dor crônica
  • Restrições no estilo de vida ou incapacidade

Ligando para o médico

Ligue para o médico se:

  • Tiver dor persistente na articulação por mais de 3 dias
  • Tiver dor aguda e inexplicável na articulação
  • Sua articulação afetada estiver significantemente inchada
  • Você tiver dificuldades para movimentar a articulação
  • Sua pele ao redor da articulação estiver avermelhada ou quente
  • Você tiver febre ou tiver perdido peso involuntariamente

Prevenção

Se a artrite for diagnosticada e tratada cedo, será possível evitar danos nas articulações. Descubra se você tem histórico familiar de artrite e informe seu médico, mesmo na ausência de sintomas.

A osteoartrite pode ter mais chances de se desenvolver se você abusar das articulações (lesioná-las seguidamente ou usá-las excessivamente quando estão lesionadas). Tome cuidado para não sobrecarregar uma articulação lesionada. Da mesma maneira, evite movimentos repetitivos.

O excesso de peso também aumenta o risco de desenvolvimento da osteoartrite nos joelhos e, possivelmente, nos quadris. Consulte o artigo sobre o índice de massa corporal para saber se o seu peso é saudável.

Referências

Cruz DP, Khamashta MA, Hughes GR. Systemic lupus erythematosus. Lancet. 2007;369(9561):587-96.

Glass GG. Osteoarthritis. Dis Mon. 2006;52:343-362.

Gregory PJ, Sperry M, Wilson AF. Dietary supplements for osteoarthritis. Am Fam Physician. 2008;77:177-184.

Smolen JS, Aletaha D, Koeller M, Weisman MH, Emery P. New therapies for treatment of rheumatoid arthritis. Lancet. 2007;270(9602):1861-74.

Atualizado em 14/2/2011, por: Michael E. Makover, MD is a professor and attending in rheumatology at the New York University Medical Center, New York, NY. Review provided by VeriMed Healthcare Network. Also reviewed by David Zieve, MD, MHA, Medical Director, A.D.A.M., Inc.

Todas as doenças

A A.D.A.M., Inc. é reconhecida pela URAC, também chamada de American Accreditation HealthCare Commission (Comissão de Reconhecimento de Cuidados de Saúde) – www.urac.org. O programa de reconhecimento da URAC é uma auditoria independente com o objetivo de verificar se a A.D.A.M. segue padrões rigorosos de qualidade e responsabilidade. A A.D.A.M. está entre as primeiras empresas a conquistar essa importante distinção para informações e serviços de saúde on-line. Saiba mais sobre a política editorial, o processo editorial e a política de privacidade da A.D.A.M. A empresa é também um membro fundador da Hi-Ethics e segue os princípios da Health on the Net Foundation (Fundação da Saúde na Internet) – www.hon.ch.

As informações aqui fornecidas não poderão ser usadas durante nenhuma emergência médica, nem para o diagnóstico ou tratamento de doenças. Um médico licenciado deverá ser consultado para o diagnóstico ou tratamento de todas as doenças. Ligue para 192 em caso de emergências médicas. Os links para outros sites são fornecidos apenas a título de informação e não constituem um endosso a eles. 1997- 2011 A.D.A.M., Inc. A reprodução ou distribuição das informações aqui contidas é estritamente proibida.

Ver de novo