Minha Saúde

enhanced by Google
 

Intoxicação alimentar

Compartilhar:
Conteúdo exclusivo para o iG no Brasil e usado pelos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos

Definição

A intoxicação alimentar ocorre quando você ingere alimentos ou água que contêm bactérias, parasitas, vírus ou toxinas produzidas por esses germes. A maioria dos casos de intoxicação alimentar é provocada por bactérias comuns como a Staphylococcus ou a E. coli.

Leia também: O que fazer em caso de intoxicação alimentar

Causas, incidência e fatores de risco

A intoxicação alimentar pode afetar um indivíduo ou um grupo de pessoas que comem a mesma comida contaminada. Ela ocorre com mais frequência após o indivíduo comer em piqueniques, refeitórios, grandes eventos sociais ou restaurantes.

Foto: ADAM

Intoxicação alimentar

Os germes podem contaminar os alimentos que você come de diferentes maneiras:

  • A carne vermelha ou branca pode entrar em contato com as bactérias normais dos intestinos de um animal em processamento
  • A água que é usada durante o cultivo e o transporte de alimentos pode conter excrementos ou dejetos humanos
  • Preparo e manuseio de alimentos em mercados, restaurantes ou domicílios

A intoxicação alimentar geralmente ocorre por meio da ingestão de:

  • Qualquer alimento preparado por alguém que não seguiu as técnicas adequadas de higiene das mãos
  • Qualquer alimento preparado com utensílios, tábuas de cortar ou talheres que não tenham sido lavados por completo
  • Laticínios ou alimentos que contêm maionese (como salada de repolho ou de batatas) que foram mantidos fora da geladeira por muito tempo
  • Alimentos congelados ou refrigerados que não foram armazenados na temperatura adequada ou não foram reaquecidos de forma apropriada
  • Peixe cru ou ostra
  • Frutas ou vegetais crus que não foram bem lavados
  • Vegetais crus ou sucos de fruta e laticínios (consulte sobre o termo "pasteurizado")
  • Carne ou ovos mal cozidos
  • Água de um poço, rio ou de uma região sem tratamento de água

A intoxicação alimentar pode ser causada por:

  • Botulismo (Clostridium botulinum)
  • Enterite associada à Campylobacter
  • Cólera
  • Enterite associada à E. coli
  • Intoxicação por peixe contaminado
  • Listeria
  • Vários tipos de vírus
  • Staphylococcus aureus
  • Salmonella
  • Shigella
  • Yersinia

Crianças e idosos correm mais risco de serem acometidos por intoxicação alimentar. Você também corre um risco maior, se:

  • Apresentar alguma enfermidade séria, como doença renal ou diabetes
  • Estiver com o sistema imunológico debilitado
  • Estiver viajando por regiões onde haja mais exposição a organismos que provocam intoxicação alimentar

Gestantes e mulheres que estiverem amamentando devem ser especialmente cautelosas para evitar a intoxicação alimentar.

Sintomas

Os sintomas dos tipos mais comuns de intoxicação alimentar geralmente têm início de 2 a 6 horas após a ingestão do alimento. Esse período pode ser maior ou menor (até dias depois), dependendo da causa da intoxicação.

Os possíveis sintomas incluem:

  • Cólicas abdominais
  • Diarreia (podendo conter sangue)
  • Febre e calafrios
  • Dor de cabeça
  • Náusea e vômito
  • Fraqueza (podendo ser grave e levar a uma parada respiratória, com no caso do botulismo)

Exames e testes

Seu médico o examinará para verificar sinais de intoxicação alimentar, como sensibilidade no abdome e desidratação. Ele também fará perguntas sobre o que você comeu recentemente.

Os exames para descobrir a causa do problema podem ser realizados com:

Mesmo se você estiver com intoxicação alimentar, esses exames talvez não sejam capazes de comprovar.

Em raras ocasiões, o médico poderá solicitar um ou mais dos seguintes procedimentos:

  • Uma sonda fina é introduzida no ânus para buscar a origem do sangramento ou da infecção (sigmoidoscopia)
  • Um exame para medir os impulsos elétricos nos músculos (eletromiografia) para verificar se há botulismo
  • Um exame de fluidos da espinha dorsal (punção lombar), se você apresenta sinais de distúrbio no sistema nervoso

Tratamento

A recuperação na maioria dos tipos de intoxicação alimentar se dá em 2 dias. O objetivo é fazer com que você se sinta melhor e evitar a desidratação.

  • Não coma alimentos sólidos até que a diarreia tenha passado, e evite produtos de laticínios, que podem piorar o quadro de diarreia (devido a um estado temporário de intolerância à lactose)
  • Beba líquidos (exceto leite e bebidas cafeinadas) para repor os líquidos perdidos devido à diarreia e ao vômito
  • Dê às crianças uma solução de eletrólitos, que pode ser encontrada em farmácias

Caso você tenha diarreia e não consiga beber líquidos (por exemplo, devido à náusea e ao vômito), busque um atendimento médico para receber fluidos por meio venal (via intravenosa). Esse procedimento é especialmente importante para crianças pequenas.

Se você toma medicamentos diuréticos, é preciso tratar a diarreia com cautela. Fale com um médico -- talvez seja preciso interromper a medicação diurética, enquanto você estiver com diarreia. Nunca interrompa ou altere seus medicamentos sem comunicar a um médico e obter instruções específicas.

Na maioria dos casos de intoxicação alimentar, seu médico NÃO prescreverá antibióticos.

Você pode comprar remédios na farmácia que ajudam a diminuir a diarreia. Não tome esses remédios sem falar com um médico se você apresenta diarreia com sangue ou febre. Não dê esses medicamentos a crianças.

Caso você tenha ingerido toxinas de cogumelos ou frutos do mar, precisará de atendimento médico imediatamente. O médico do atendimento de emergência realizará procedimentos para esvaziar seu estômago e remover as toxinas.

Evolução (prognóstico)

A maioria das pessoas se recuperam dos tipos mais comuns de intoxicação alimentar dentro de 12 a 48 horas. No entanto, é possível haver complicações sérias, em alguns tipos de intoxicação alimentar.

Complicações

A desidratação é a complicação mais comum. Ela pode ocorrer em qualquer um dos casos de intoxicação alimentar.

As complicações menos comuns e mais sérias incluem:

  • Artrite (Yersinia e Salmonella)
  • Distúrbios hemorrágicos (E. coli e outras)
  • Morte (intoxicação alimentar de cogumelos e alguns peixes, ou botulismo)
  • Problemas renais (Shigella, E. coli)
  • Distúrbios no sistema nervoso (Botulismo, Campylobacter)
  • Pericardite (Salmonella)
  • Insuficiência respiratória, incluindo a necessidade de aparelhos de suporte respiratório (botulismo)

Ligando para o médico

Ligue para seu médico se:

  • A diarreia durar mais de 2 ou 3 dias
  • Apresentar sangue nas fezes
  • Tiver diarreia e não conseguir ingerir líquidos devido à nausea e ao vômito
  • Apresentar febre acima de 38 °C
  • Apresentar sinais de desidratação (sede, tontura e sensação de desmaio)

Procure um atendimento de emergência ou ligue para 192 se:

  • Suas fezes apresentarem sangramento excessivo ou estão avermelhadas ou enegrecidas
  • Você acreditar que pode ter se intoxicado por cogumelos, peixes ou botulismo
  • Você apresentar taquicardia, palpitação ou batimentos irregulares

Prevenção

Consulte: Como evitar a intoxicação alimentar

Leia também:

Perigo no prato

Alimentos: top 5 da contaminação

Dossiê dos pesticos à beira mar

Referências

Sodha SV, Griffin PM, Hughes JM. Foodborne disease. In: Mandell GL, Bennett JE, Dolin R, eds. Principles and Practice of Infectious Diseases. 7ª ed. Philadelphia, Pa: Elsevier Churchill Livingstone; 2009:cap. 99.

Craig SA, Zich DK. Gastroenteritis. In: Marx JA, ed. Rosen's Emergency Medicine: Concepts and Clinical Practice. 7ª ed. Philadelphia, Pa: Mosby Elsevier;2009:cap. 92.

Todas as doenças
Ver de novo