Minha Saúde

enhanced by Google
 

Estenose aórtica: a doença cardiovascular que não para de crescer

O problema já atinge 5% da população mundial. Com aumento da expectativa de vida, a doença avança

Yara Achôa, iG São Paulo | 24/05/2011 11:16

Compartilhar:

Foto: Thinkstock/Getty Images Ampliar

Com o aumento da expectativa de vida da população, a estenose da válvula aórtica deve aumentar muito nos próximos anos

As doenças cardiovasculares são a primeira causa de morte no mundo. Em primeiro lugar vem o AVC e em segundo, o infarto.

Mas existe uma doença que também afeta o coração e que não para de crescer: a estenose aórtica.

“Trata-se do estreitamento ou da obstrução da válvula aórtica cardíaca, que perde a flexibilidade e passa a não abrir adequadamente, reduzindo significativamente o fluxo de sangue do ventrículo esquerdo para a aorta”, explica Marco Antonio Praça Oliveira, cirurgião cardiovascular do Hospital Beneficência Portuguesa, de São Paulo.

 

Como fica mais difícil bombear o sangue, os músculos da parede da câmara cardíaca se esticam e engrossam, levando a um aumento da probabilidade de insuficiência cardíaca.

Veja o infográfico sobre a estenose aórtica

O problema pode ser de origem congênita (de nascença), reumática (uma infecção subtratada) ou degenerativa (aparece com o envelhecimento). “A principal causa de estenose é degenerativa. E com o aumento da expectativa de vida da população, a tendência é a enfermidade aumentar muito nos próximos anos”, diz Praça Oliveira.

A doença se desenvolve frequentemente sem a presença de sinais externos. Daí a importância de um check-up anual, especialmente se há histórico familiar ou a partir dos 40 anos.

“O médico, com uma simples ausculta, pode suspeitar do problema. E um ecocardiograma confirma o diagnóstico”, esclarece o especialista.

Leia também: Check-up: o que é e quando fazê-lo

Os sintomas da estenose costumam se manifestar a partir da sexta década de vida. Entre eles estão dor no peito, fadiga, falta de ar, vertigem ou dificuldade ao fazer exercícios. Quando aparecem, porém, o quadro já é grave.

Após o aparecimento dos sintomas, até 50% dos pacientes podem morrer em um prazo de dois anos devido à progressão da doença. Por se tratar de um problema mecânico, não há método preventivo.

Milhares de pacientes com estenose recebem o tratamento clínico. Os especialistas, porém, dizem que o mais adequado seria a substituição cirúrgica da válvula, por meio de uma técnica minimamente invasiva - semelhante à adotada na angioplastia para implante de stent coronário.

O procedimento consiste na passagem de um fio guia através da artéria femoral ou pela ponta inferior do coração e, por ele, a introdução de uma válvula que é inflada através de um cateter balão, no interior da válvula doente. A válvula substituta utilizada nesse procedimento, produzida pela Edwards, ainda aguarda aprovação da Anvisa para utilização no Brasil.

Esse tratamento evita a agressão da toracotomia mediana (abertura do osso chamado esterno, localizado no meio do tórax) e também a reação inflamatória causada pela circulação extracorpórea.

Atualmente as técnicas minimamente invasivas vêm sendo utilizadas com sucesso no tratamento das doenças de coração.

“O resultado impacta diretamente no aumento da expectativa de vida e melhora significativa na qualidade de vida, principalmente a partir de 65 anos”, finaliza o cardiologista Praça Oliveira.

Leia mais:
Faça o teste e veja se o seu coração está em risco
Coração de ultramaratonista tem comportamento de infarto
Dietas que ajudam o coração

    Notícias Relacionadas


    Ver de novo