Minha Saúde

enhanced by Google
 

Hérnia inguinal afasta 80 mil do trabalho por ano

Problema de saúde é agravado por negligência pessoal, obesidade e esforço físico extremo

Fernanda Aranda, iG São Paulo

Compartilhar:

Foto: Getty Images Ampliar

Hérnia inguinal afasta 80 mil pessoas do trabalho por ano

“A hérnia inguinal é um dos preços que o homem paga por ser bípede (andar em duas pernas)”, afirma o cirurgião especializado em hérnias do Hospital Sírio Libanês, Paulo Alberto Côrrea.

Este problema de saúde acumulou 80 mil afastamentos trabalhistas em 2010 e ocupou o terceiro lugar na lista de doenças que mais comprometem a profissão.

A lista foi elaborada pelo iG Saúde com base nos dados compilados pelo Ministério da Previdência Social. Entram no banco de dados as licenças com duração superior a 15 dias.

Veja o ranking das dez doenças que mais afastam do trabalho.

As hérnias já seriam desencadeadas pela pressão do corpo sobre as pernas, mas as atividades físicas como agachamento e carregar peso são apontadas como principais motivos para a ocorrência do problema.

“O esforço físico extremo pode culminar na hérnia inguinal que se manifesta inicialmente, em geral, com um carocinho na região da virilha”, explica Côrrea.

“Pode vir acompanhado com dor ou não, mas o fato é que a demora para procurar ajuda médica resulta nos casos mais graves, que são aqueles em que há até ruptura do tecido da pele”, explica o médico.

Segundo ele, a piora do quadro é lenta e progressiva. Por isso, os afastamentos do trabalho por mais tempo coincidem com os pacientes que demoraram mais para procurar ajuda.

“Qualquer médico, de qualquer especialidade, pode identificar uma hérnia inguinal e encaminhar o paciente para o especialista. Por isso, se identificar algo de diferente no corpo, não deixe de procurar o consultório”, ensina o especialista.

Além do esforço físico extremo, obesidade (de novo, ela), fumo e álcool também são pano de fundo deste problema de saúde, pois aumentam a pressão abdominal e podem desencadear as hérnias em quem já tem predisposição à doença.

    Notícias Relacionadas


    Ver de novo