Tamanho do texto

Nota divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores afirma que aproximadamente 62 brasileiros vivem em Guiné e Libéria

O Ministério das Relações Exteriores (MRE) avisa, em nota da assessoria de imprensa divulgada nesta quinta-feira (7), que mantém contato com todos os brasileiros residentes em países africanos afetados pelo ebola. Segundo a pasta, são aproximadamente 50 brasileiros morando na Guiné e 12 na Libéria. Entre eles estão missionários evangélicos que trabalham no interior - áreas de maior risco.

Veja imagens do surto de ebola na África Ocidental:

"Todas as embaixadas brasileiras na região [da África, afetada pelo surto de ebola] foram instruídas a manter contato contínuo com a comunidade expatriada local, incluindo funcionários a serviço de empresas brasileiras e estrangeiras, com vistas a verificar a situação pessoal e prestar-lhes toda assistência consular cabível", diz a nota.

O Itamaraty informa que o Brasil tem acompanhado a evolução da situação sobre a ocorrência de casos de febre hemorrágica, por meio de relatos transmitidos pelas embaixadas do Brasil em Conacri (Guiné), Monróvia (Libéria), Freetown (Serra Leoa) e Abuja (Nigéria). Com base nos relatos, recomenda as medidas profiláticas básicas, que evitem áreas mais afetadas e façam a higiene adequada.

O MRE diz que não houve nenhuma solicitação de auxílio adicional ao já prestado, e destaca que não há brasileiros infectados. Salienta ainda que está sempre preparado para lidar com "situações de contingência".

O ebola causa febre alta e, nos casos mais graves, hemorragias. É transmitida pelo contato com fluidos corporais, e as pessoas próximas aos pacientes são as que apresentam maior risco de contrair a doença. Desde o início do ano, a epidemia causou 932 mortes e mais de 1.700 pessoas estão infectadas em Serra Leoa, na Guiné, Libéria e Nigéria - na costa atlântica da África Ocidental.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) convocou uma sessão de emergência, que ocorre desde ontem (6), em Genebra, na Suíça, a portas fechadas, para decidir se declara situação de crise internacional. A decisão é esperada para esta sexta-feira (8).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.