Tamanho do texto

Agência de saúde da Organização das Nações Unidas afirma estar preparada para uma crise que será prolongada por meses

Funcionários da Organização Mundial da Saúde que trabalham no combate ao surto de ebola na África Ocidental afirmam ter evidências de que o número de casos e mortes registrados do vírus "subestima imensamente a magnitude do surto", disse a agência da ONU, nesta quinta-feira (14).

Veja imagens do surto de ebola na África Ocidental, o maior da história:

O mais recente levantamento com o número de mortos do pior surto do vírus da história, divulgado nesta quarta, está em 1.069. No total, 1.975 casos foram confirmados, entre eles prováveis e suspeitos, de acordo com a agência. A grande maioria foi registrada na Guiné, Serra Leoa e Libéria, com quatro mortes também na Nigéria.

O Canadá anunciou na terça-feira (12) que vai doar à OMS até mil doses de um medicamento experimental contra o ebola para a sua utilização nos países africanos mais afetados pela doença.

Leia mais:
Morre padre espanhol infectado pelo ebola
EUA enviarão droga contra ebola para Libéria

A ministra da Saúde do Canadá, Rona Ambrose, disse em comunicado estar satisfeita por oferecer a vacina experimental desenvolvida por pesquisadores canadenses para ajudar na luta contra a epidemia. Ela informou que o país vai doar entre 800 e mil doses do medicamento das cerca de 1,5 mil que possui.

Segunda a ministra, a vacina, conhecida como VSV-Ebov, nunca foi testada em seres humanos, apenas em animais, mas os resultados foram animadores. "O Canadá acredita que a vacina experimental é um recurso global, por isso estamos partilhando com a comunidade internacional, uma vez que temos pequena quantidade no país", disse ela.

*Com agências de notícias

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.