Tamanho do texto

País confirmou primeiro diagnóstico do vírus em seu território nesta terça; mais de 3 mil já morreram da doença na África

Os EUA prometeram instalação de protocolos de isolamento rigorosos, nesta terça-feira (30), após a confirmação do primeiro diagnóstico de ebola em território norte-americano . Em sua maior epidemia da história, o vírus já matou mais de 3 mil pessoas na África Ocidental, especialmente na Libéria, Serra Leoa e Guiné.

Veja fotos do surto de ebola na África Ocidental:

Informado sobre o caso registrado em Dallas, Texas, o presidente dos EUA, Barack Obama, discutiu a questão com o Dr. Thomas Frieden, diretor do Centro de Controle de Doenças (CDC, na sigla em inglês), para procurar maneiras de impedir novos casos da doença. 

Leia mais:
EUA confirmam primeiro caso de ebola diagnosticado no país

"O Dr. Frieden observou que o CDC tinha se preparado para um caso de ebola nos Estados Unidos e que temos a infraestrutura para responder de forma segura e eficaz", disse a Casa Branca em comunicado, afirmando que o médico e o presidente discutiram "os protocolos rigorosos de isolamento aos quais o paciente está sendo submetido, bem como os esforços em curso para rastrear seus contatos e impedir casos adicionais do vírus".

Leia também:
Ebola já deixou pelo menos 3.700 crianças órfãs, diz Unicef
Ameaça de ebola faz vice-ministra da Saúde da Libéria se impor quarentena

Em coletiva de imprensa, Frieden se mostrou confiante, afirmando não ter dúvida de que o caso de ebola será controlado e não se espalhará pelo país. Até então, o vírus em seu atual surto só havia sido diagnosticado em pessoas infectadas em território africano.

Segundo Frieden, o paciente deixou a Libéria no último dia 19 de setembro e chegou aos EUA no dia 20 sem apresentar qualquer sintoma do ebola.

*Com Reuters e BBC

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.