Tamanho do texto

Dr. Martin Salia já sofria dos sintomas avançados da doença ao dar entrada no Centro Médico de Nebraska, no último sábado

Um cirurgião de Serra Leoa morreu com ebola em um hospital do estado norte-americano de Nebraska, para onde foi levado para receber tratamento após chegar da África Ocidental no fim de semana, informou o hospital, nesta segunda-feira (17).

Martin Salia: o 1º a morrer em tratamento contra o ebola em centro da Universidade do Nebraska
Reuters
Martin Salia: o 1º a morrer em tratamento contra o ebola em centro da Universidade do Nebraska

O médico Martin Salia, que possui residência permanente nos Estados Unidos, contraiu o vírus enquanto trabalhava em um hospital de Freetown, de acordo com seus familiares.

Leia mais:
Médico infectado por ebola está em estado extremamente crítico, diz testemunha
Vírus que matou mais que 1ª Guerra deixou lições para combate a ebola

Salia já sofria de sintomas avançados da doença, incluindo deficiências renal e respiratória, ao dar entrada no Centro Médico de Nebraska, no sábado (15), disse o hospital em comunicado.

Representantes do hospital disseram anteriormente que o estado de saúde do paciente já era grave quando ele foi transportado da África Ocidental para os Estados Unidos.

Veja algumas das vítimas do ebola de fora da África:

"O doutor Salia estava em estado extremamente crítico quando chegou aqui, e infelizmente, apesar de nossos esforços, não conseguimos salvá-lo", disse em comunicado Phil Smith, diretor-médico da unidade de isolamento biológico do Centro Médico de Nebraska.

Leia também:
Ebola 'é o maior desafio de saúde pública desde surgimento da Aids'
Mundo está mal preparado para emergências sanitárias, diz diretora da OMS
OMS prevê 5 mil novos casos de ebola por semana em dezembro

Salia, 44 anos, foi o terceiro paciente com ebola a ser tratado no hospital de Nebraska e o décimo caso conhecido do vírus nos Estados Unidos.

O atual surto do vírus é o mais grave já registrado e já matou ao menos de 5.177 pessoas, a maior parte em Serra Leoa, Libéria e Guiné, de acordo com os dados mais recentes da Organização Mundial da Saúde (OMS).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.