Tamanho do texto

“Na hora tenho sensação de euforia, mas depois que passa me sinto culpada e com vergonha”, revela Alys Mann

Quando fica nervosa ou entediada, a britânica Alys Mann, de 34 anos, começa a arrancar a própria pele. Ela já passou até três horas machucando os braços e pernas.

Leia também: Roer as unhas é perigoso para a saúde

Alys Mann tem distúrbio raro chamado dermatilomania. Inconscientemente, ela cutuca a pele e causa ferimentos em todo o corpo
Reprodução/Daily Mail
Alys Mann tem distúrbio raro chamado dermatilomania. Inconscientemente, ela cutuca a pele e causa ferimentos em todo o corpo

Em entrevista ao Daily Mail , Alys disse que não consegue parar com o vício e que, muitas vezes, nem percebe que está fazendo aquilo com a pele . O comportamento foi diagnosticado como um transtorno chamado de dermatilomania.

Não existe cura para o distúrbio, mas Alys contou que quer fazer terapia comportamental para tentar controlar os impulsos.

“Eu não quero mais me machucar, mas não consigo parar. É como as pessoas que roem as unhas. Na hora tenho sensação de euforia, mas depois que passa me sinto culpada e com vergonha. Faço sem perceber, geralmente quando estou assistindo à televisão”, contou.

Leia também: Dependência de chocolate é psicológica

A primeira lembrança da mania de Alys remete aos nove anos de idade, quando ela estava na escola e tirou a casquinha de um machucado em seu joelho. Ela conta que começa a cutucar a pele quando sente algo além da pele lisa, um pelo ou uma casquinha que a incomode, então ela trata de arrancar. Quando a ferida começa a formar nova casca ela retira novamente, até acabar com uma cicatriz no local.

Alys e o marido Aled. A britânica espera que com terapia ela pare com o vício
Reprodução/Daily Mail
Alys e o marido Aled. A britânica espera que com terapia ela pare com o vício

Alys disse que seu marido, Aled, não gosta da mania e pede que pare, mas ela diz que não é tão simples assim.

Agora ela está preocupada que seus filhos a vejam machucando a própria pele e comecem a reproduzir o hábito. “É difícil porque eu não posso levar as crianças para nadar e nem usar short por causa da quantidade de feridas e cicatrizes que tenho na pele”, desabafou.

Leia também: Estresse, ansiedade e até felicidade são gatilhos de recaídas no cigarro

Alys está apostando na terapia para controlar a sua mania e em algum tratamento à laser que deixe a sua pele sem cicatrizes novamente.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.