Tamanho do texto

Para evitar problemas cardíacos, especialistas sugerem controlar o peso e a alimentação e fazer atividades físicas

No Brasil, uma pessoa morre a cada dois minutos por conta de doenças do coração. São 350 mil mortes a cada ano, causadas pelos três maiores problemas cardiovasculares — infarto, AVC e insuficiência cardíaca —, segundo a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC). Em todo mundo, são 17,5 milhões por ano, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (SMS), que pretende reduzir em 25% a mortalidade cardíaca até 2025. “O problema é que no mundo inteiro o coração está matando mais do que o câncer”, diz Carlos Magalhães, diretor de Promoção de Saúde Cardiovascular da SBC.

Campanha nas redes sociais estimula atividades físicas contra o sedentarismo
Thinkstock/Getty Images
Campanha nas redes sociais estimula atividades físicas contra o sedentarismo

Os riscos são maiores para quem tem casos de problemas cardíacos na família: parentes de primeiro grau têm 50% de chances de também ter problemas cardiovasculares. Mas muito além dos fatores genéticos, os hábitos de vida influenciam enormemente para o problema. Para especialistas, a maioria das mortes prematuras poderia ser evitada com diagnóstico precoce, tratamentos específicos e a adoção de um estilo de vida mais saudável. Esta receita pode ajudar a eliminar fatores de risco como obesidade, sedentarismo, fumo, colesterol elevado e hipertensão.

“Por conta da vida corrida, as pessoas possuem cada vez menos tempo para cuidarem da saúde. Além disso, fatores como tabagismo e principalmente uma alimentação não balanceada aumentam o risco de a pessoa ter um problema cardíaco”, afirma o cardiologista Raul dos Santos, diretor da Unidade Clínica de Lípides do InCor - HC-FMUSP.

No Brasil, para ajudar as pessoas a mudar seus hábitos, a SBC encampou a campanha da World Heart Federation e lança hoje, Dia Mundial do Coração, um concurso de selfies nas mídias sociais, para as pessoas postem fotos fazendo alguma atividade saudável, usando a hashtag #cuidedeseucoracao. Vale selfie da preparação de um prato mais leve, de jogo de futebol, de corrida, de treino na academia, da família fazendo ginástica ou até mesmo uma caminhada com o cachorro.

A cardiologista Flavia Cunacia D’Eva, do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos, chama a atenção para o excesso de gordura abdominal que, junto com o aumento dos níveis de ácido úrico, triglicerídeos, glicemia e pressão arterial, acarreta maior chance de problemas cardíacos futuros. “Se possível, pratique exercícios físicos todos os dias, em torno de 40 minutos. Pode ser caminhada, ciclismo, corrida, natação ou dança”, afirma. Também é importante procurar um médico pelo menos uma vez ao ano e fazer exames de colesterol e glicemia e checar a pressão arterial. “A hipertensão é silenciosa e acomete pelo menos 25% dos brasileiros adultos, chegando a mais de 50% após os 60 anos, causando infarto, AVC e problemas renais.

Estilo de vida é fundamental

A dona de casa Maria Lucia Justo, de 50 anos, tem histórico de doenças cardíacas na família. O pai e a mãe morreram após infarto e outros problemas do coração. Desde mais jovem, ela tem colesterol alto e nunca cuidou da saúde devido à rotina corrida de trabalho. Há cerca de seis meses, Maria se aposentou e resolveu mudar totalmente de vida. Caminha entre quatro e cinco vezes por semana, faz alongamento e abdominais. Passou a se alimentar melhor, tomando mais água, substituindo doces por gelatinas e frituras por alimentos assados ou cozidos. Com isso, já emagreceu sete quilos.

Veja também quais são os oito vilões do coração:

Para manter um coração saudável, especialistas recomendam uma alimentação mais equilibrada em nutrientes, sem frituras e com menos alimentos industrializados, mais frutas e legumes e menos sal, além de reduzir o consumo de bebidas alcoólicas e eliminar o tabagismo. Dietas ricas em fibras, com baixas quantidades de sódio e gorduras saturadas, também são indicadas.

Álcool na medida ajuda a prevenir

Pesquisas científicas realizadas nos últimos 30 anos mostram qu eo álcool pode trazer tanto malefícios como benefícios para o sistema cardiovascular, dependendo da frequência e quantidade ingerida. De acordo com o Centro de Informações sobre Saúde e Álcool (Cisa), estudos indicam que o consumo de até duas doses diárias de álcool (duas latas de cerveja, uma taça de vinho ou uma dose de destilado) pode ajudar a reduzir os riscos de doenças do coração.

No entanto, alerta o Cisa, especialistas não recomendam o consumo de álcool na prevenção primária, “apenas permitem o paciente que já tem esse hábito, em situações pontuais, manter o seu consumo, devido aos outros riscos envolvidos”.

Leia esta e mais notícias  no site do jornal O Dia.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.