Tamanho do texto

Cientistas conseguiram reverter mutação em gene considerado a peça-chave da dor humana

Uma mulher de 39 anos sentiu dor pela primeira vez na vida durante experimento para tratar pessoas com dor crônica, segundo informações do jornal britânico "Independent". De acordo com os cientistas responsáveis pelo estudo, um medicamento usado no tratamento de vícios em drogas reverteu a rara condição da mulher, que não sentia dor.

Cientistas descobriram gene considerado 'peça chave' da dor humana
Getty Images
Cientistas descobriram gene considerado 'peça chave' da dor humana

Segundo a publicação, a paciente até gostou de sentir uma dor mediana quando um raio laser foi usado para esquentar a pele dela - o que antes passaria desapercebido porque sofre da chamada Síndrome de Riley-Day, quando a pessoa tem uma espécie de desordem no sistema nervoso que não repassa as sensações de dor para o cerébro.

Essa condição, também chamada de Síndrome de Proteus, é perigosa principalmente em bebês e crianças, pois eles podem não sentir nenhuma dor ao se cortar, se queimar ou ao quebrar alguma estrutura óssea.

A mulher, que se mantém anônima, teria herdado de algum parente uma mutação no gene Nav1.7 que bloqueava o canal de íons do sistema nervoso sensorial, que carrega íons de sódio pela membrana nervosa e permite a transmissão de sinais de dores para o cérebro.

Durante testes de laboratório em ratos, os cientistas da Universidade de Londres, no Reino Unido, perceberam que os animais e humanos que têm a Síndrome de Proteus produzem um analgésico natural em maior quantidade que a maioria dos seres vivos. A partir desses resultados, eles querem desenvolver medicamentos para tratar dores crônicas.

"Depois de uma década de testes decepcionantes com medicamentos, nós agora temos a confirmação que o gene Nav1.7 é o elemento chave da dor humana", observou o professor John Wood.

A proposta dos cientistas é a de desenvolver um medicamento que simule a mutação da Síndrome de Proteus e bloqueie o canal do sistema nervoso que transmite os sinais de dores para o cérebro.

Veja também quais são as dores mais comuns no corpo humano:




    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.