Tamanho do texto

Falta de tratamento da condição que ocorre por falta de estrogênio aumenta o risco de atrofia, afinamento da região, quedas da bexiga e perda urinária

Ressecamento vaginal é ocasionado pela falta de estrogênio, que pode ocorrer durante tratamento de câncer e no pós-parto
Shuttersock
Ressecamento vaginal é ocasionado pela falta de estrogênio, que pode ocorrer durante tratamento de câncer e no pós-parto

O problema atinge, principalmente, mulheres na menopausa, mas também pode ocorrer no pós-parto e em pacientes de câncer que estão em tratamento . Muito associado ao desconforto sexual, o chamado ressecamento vaginal também pode causar coceira nas partes íntimas da mulher e perda urinária por esforço. Além disso, se não for corretamente tratado , a pessoa ainda corre risco de atrofia, afinamento e secamento por completo da estrutura perivaginal.

“A grande maioria das mulheres só percebe quando tem vida sexual ativa, muitas que não têm não percebem o ressecamento vaginal e caminham para perdas urinárias ou quedas da bexiga. É importante o exame ginecológico para que o médico faça o diagnostico”, afirma Dr. Eliano Pellini, chefe do Departamento de Sexualidade da Faculdade de Medicina do ABC.

Algumas mulheres que usam anticoncepcionais em pílula também podem ter o problema, já que ele se dá pela falta de estrogênio. O tratamento pode ser feito por reposição ou terapia hormonal ou também pelo uso de cremes específicos com o hormônio feminino. Para evitar o desconforto sexual, o médico aconselha o uso de lubrificantes vaginais.

LEIA MAIS:  80% dos nódulos nas mamas são benignos

“É um fenômeno importante que, se não cuidado, leva a uma perda de qualidade de vida muito grande. É preciso dizer que é fácil de se tratar”, afirmou Dr. Eliano Pellini. Além da terapia hormonal, o especialista alerta para a importância das mulheres no pós-parto serem orientadas sobre a necessidade de uma hidratação vaginal.

Para evitar desconforto sexual, principal sintoma notado pelas mulheres, médico aconselha uso de lubrificantes vaginais
Shuttersock
Para evitar desconforto sexual, principal sintoma notado pelas mulheres, médico aconselha uso de lubrificantes vaginais


Conhecimento

Pesquisa aponta que 20% das internautas brasileiras não sabem o que é ressecamento vaginal e 68% conhecem pouco do assunto. Além disso, 17% das entrevistadas não sabem o que pode causar o problema. O levantamento foi encomendado pela Teva Farmacêutica e realizada pelo Conecta.

Entre as mulheres que já tiveram ressecamento vaginal, os sintomas mais citados foram região da vagina ressecada (69%), dor durante o sexo (69%) e ardência na região (44%). O problema afetou principalmente a vida amorosa e sexual (76%), o convívio social (27%), o trabalho (24%) e a prática de exercícios (22%), fazendo com que elas se sentissem irritadas (53%), inseguras (44%), com baixa autoestima (33%), envergonhadas (33%) e menos atraentes (24%).

LEIA MAIS:  Britânico sofre AVC após decidir lavar cabelo em salão de beleza

Apesar de 68% das mulheres afirmarem que vão ao ginecologista pelo menos uma vez ao ano, 24% das que tiveram ressecamento vaginal não procuraram um médico para tratar o problema. Entre os motivos apontados estão: “considerar normal sentir-se ressecada/o desconforto não precisava ser tratado” (40%), “não achar importante” (25%) e “falta de tempo” (23%).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.