Tamanho do texto

Levantamento da Iguana Sports mostra que maior parte das mulheres corre em busca de qualidade de vida: Débora Santos, de 38 anos, já participou de cinco maratonas

Débora Santos sempre praticou esportes e se dedica à corrida há 10 anos
Arquivo pessoal
Débora Santos sempre praticou esportes e se dedica à corrida há 10 anos

Uma pesquisa da Iguana Sports com 5.267 mulheres mapeou o panorama da corrida feminina no Brasil. Os resultados mostram que as mulheres estão cada vez mais interessadas nesse tipo de esporte, que depende apenas de motivação e um bom par de tênis, já que é independente e grátis.

E a motivação principal nem é um corpo malhado: 49% das entrevistadas consideram a corrida uma melhora no estilo de vida, enquanto outras 17% correm para melhorar a aparência corporal. Metade delas tem entre 35 e 45 anos e correm até quatro vezes por semana. Sete a cada 10 preferem praticar o esporte pela manhã. É o mesmo número de quem coloca o fone de ouvido e dá todas as passadas seguindo o ritmo de uma música.

Aos 38 anos de idade, a química Débora Santos é o retrato da pesquisa. Magrela desde a infância, foi apresentado ao mundo do esporte por conta de uma bronquite. Para melhorar, a mãe a matriculou na aula de natação. Da piscina foi para a quadra de futebol, depois para a de vôlei e, quando o trabalho não mais permitiu compromissos em horários rígidos, ela descobriu a corrida.

Há dez anos, ela corre em parques ou na rua. De segunda a sexta, corre por volta de uma hora pela manhã e, aos sábados, duas. Se houver algum imprevisto, a corrida vai para a noite, mas apenas até as 20h.  "Se passar disso, não consigo pegar no sono até as 3h da manhã, por conta da adrenalina do treino”, conta. Nos fins de semana, para relaxar, vale uma pedalada ou boas horas de natação.

O treino só fica mais intenso nos treinamentos que antecedem as maratonas. No total, já foram seis corridas de 42.195 metros que Débora percorre em cerca de 4 horas. Os 56 km da ultramaratona na Cidade do Cabo foi vencido em 6 horas e 22 minutos. Todas as viagens foram pagas do próprio bolso.

"Corro no máximo duas por ano, pois, para eu chegar bem ao final delas, são três meses de treino intensivo. E não quero só fazer isso. Quero curtir a vida, sair com os amigos, dormir tarde, comer o que quiser".

Nos meses que antecedem a maratona, a rotina é árdua. "Nesses momentos, tenho que ter uma disciplina militar". Isso significa 60 a 70 quilômetros de corrida por semana, o que a faz dobrar o seu tempo de treino diário. 

Nesse caso, corrida só na rua. O que pode significar sair da casa dela no Ipiranga (zona sul) e ir até a USP (zona oeste) e voltar, um total de 35 km. “Os parques de São Paulo são pequenos, então fica entediante se tenho que correr muitos quilômetros por lá. E não gosto de correr na esteira. É entediante demais. Quando estou na academia, faço sete minutos de esteira contados no relógio, somente para aquecer”.

Infográfico:  Como o corpo enfrenta a corrida

E a corrida traz amigos. Débora faz parte da assessoria esportiva Branca Esportes, que reúne corredores que buscam uma atividade física com orientação de um profissional. “É legal porque conheci pessoas com perfis diferentes do meu, com motivações diferentes”, conta.

Depois de bastante esforço – por puro prazer e satisfação pessoal – o final do ano vem como mês de descanso. O treinador recomenda que ela realmente descanse dessa modalidade, mas não necessariamente de outras. “Quem está acostumado a praticar exercícios físicos não consegue ficar mais do que dois dias sem fazer nada. Fico mal, começo a não dormir bem”, explica.

Leia:  Programa de caminhada e corrida

Antes de calçar o tênis, é importante também estar com a saúde em dia. "Procuro fazer o check-up esportivo, mas quando não posso, procuro fazer alguns exames cardiológicos todo ano", diz.

A próxima vez em que o coração de Débora vai bater mais forte será no dia 6 de abril, na Maratona de Santiago. O treino já começou e a corrida será feita com um grupo de amigos. De quebra, a corredora vai comemorar o aniversário na capital chilena.

DNA de corredora

- 83% das mulheres que correm têm ensino superior

- 62% seguem uma dieta

- 75% frequentam uma academia 

- 6 a cada 10 buscam informações sobre corrida em sites e portais de corrida

- 42% preferem eventos em que devem correr 5 km

- 78% das mulheres já participaram de corrida feminina

- 7 a cada 10 gostam de correr ouvindo música

- 47% das mulheres tomam algum tipo de suplemento alimentar

- 52% delas usam monitor cardíaco nas corridas

- 27% usam maquiagem para correr

- 85% se preocupam com o look de corrida antes de sair de casa

- 48% têm de três a quatro pares de tênis

Leia mais notícias de alimentação e bem estar

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.