Tamanho do texto

Doce não provoca diabetes, mas a possível obesidade causada pelo excesso deles sim. Veja a ligação entre a doença e o prato

Uma das causas do aumento dos casos de diabetes tipo 2 é a obesidade
Thinkstock
Uma das causas do aumento dos casos de diabetes tipo 2 é a obesidade

O diabetes é uma das epidemias mundiais. Estima-se que haja 150 milhões de pessoas com diabetes no mundo e, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), esse número pode dobrar até 2025. Ainda não é conhecida a causa do diabetes tipo 1, aquele que surge na infância e adolescência e o paciente não produz insulina. Para o diabetes tipo 2, no entanto, sabe-se que uma das causas é a obesidade.

Quem não come direito e ganha muito peso, portanto, tem riscos aumentados de desenvolver a doença. A circunferência abdominal é crucial para avaliar o risco de ter diabetes. Homens com cintura superior a 88 centímetros e mulheres 102 centímetros, pode-se avaliar como um risco a ser monitorado. 

Leia também:  11 sinais de que você pode estar com diabetes

A nutricionista da Abbott, Patrícia Ruffo, explica que a alimentação atual da maioria das pessoas não é nada saudável. "Hoje em dia nós temos um excesso de consumo de alimentos ricos em gorduras saturadas, açúcar simples, junto com o baixo consumo de fibras", explica. "Eles são riscos associados ao indivíduo desenvolver diabetes", alerta.

Quem está acima do peso e quer perder alguns quilos pode fazer algumas trocas de alimentos de alto índice glicêmico para outros de baixo índice glicêmico. Veja:

Quem tem pré-diabetes, segundo Patrícia, normalmente tem um dos fatores de risco associados: sedentarismo, hereditariedade e, principalmente, o excesso de peso. Esse quadro só vai mudar com a adoção de um estilo de vida saudável.  

"É preciso ter uma alimentação variada, com horários estabelecidos ao menos para o café da manhã, almoço e jantar. O intervalo entre uma refeição e outra não pode ser grande, porque é provável que dessa forma a pessoa esteja com muita fome na refeição seguinte", detalha. 

Leia também:  Médicos baixam índice de glicose aceitável para evitar doenças em pré-diabéticos

O café da manhã, segundo Patrícia, deve ter um carboidrato rico em fibras (os integrais), o consumo de proteínas – leite e derivados – e também uma fruta. Nos lanches, evite a gordura saturada e o açúcar simples é uma boa troca. 

E não só os adultos devem seguir essa regra. A alimentação da criança, por exemplo, normalmente é espelho da alimentação da casa. 

"As mais novas, de dois a três anos, começam a formar o hábito alimentar e, se a família come errado, é muito provável que a criança se alimentará inadequadamente", diz. 

Patrícia tranquiliza aqueles que pensam que é muito difícil modificar um hábito. "Há uma regra simples, de colocar um alimento de cada grupo alimentar por refeição. Se o indivíduo está obeso, tem que diminuir a quantidade de comida. O tempo é como uma mágica, e são os hábitos de vida e mudança de comportamento que faz melhorar o controle tanto do diabetes como a prevenção dele também", diz. 

Logo, uma das formas para prevenir o pré-diabetes e diabetes é controlar o peso. Alimentar-se saudavelmente é uma chave para isso. A variedade da alimentação já ajuda na absorção de todos os nutrientes necessários também. 

Leia:  Diabetes descontrolada é responsável por 80% das doenças da retina

Trocar carboidratos simples pelos integrais é uma boa pedida, já que os simples se transformam em glicose rapidamente e caem no sangue, elevando a glicemia. O carboidrato integral, por exemplo, já demora mais para isso acontecer, por causa das fibras.

Leia mais notícias de saúde

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.