Tamanho do texto

Cauê de Oliveira perdeu 45% de seu peso com dieta e exercício, passou a dormir melhor e deixou de ser pré-diabético

O estudante de Direito Cauê Batista de Oliveira, 25 anos, tem um passado pesado: carregou durante anos 182 quilos distribuídos em 1,86 m de altura. Ele conta que, desde a infância, nunca foi amigo da balança, mas se mantinha dentro de uma faixa de peso que provavelmente não traria dano à saúde.

Quando começou a trabalhar em horários diversificados, se alimentava de fast food e, consequentemente, engordou mais de 50 quilos em dois anos. A partir de então, começou a ter problemas para dormir, a ter pressão alta e quase virou diabético. Resolveu, então, dar um basta e perder todo o peso excessivo, mandando embora 81 quilos.

O cobrador do ônibus pediu para eu descer senão eu ia quebrar a catraca"

“Eu tinha gastrite, meu sono era ruim, tinha apneia do sono, sempre acordava cansado e minha pressão subiu tanto uma vez que fiquei afastado do trabalho por um tempo”, conta Cauê.

Quando saiu do emprego em que engordou mais de 50 quilos no período, Cauê decidiu viajar.

“No meio dessa viagem de um mês, aconteceram várias coisas comigo. O cobrador do ônibus pediu para eu descer senão eu ia quebrar a catraca, um grupo de pessoas ficou zoando comigo pelo fato de eu ser gordo e eu não conseguia dormir em um determinado colchão por causa do peso”, lembra.

Em outra busca por um trabalho, Cauê foi recusado em uma entrevista. “Minha mãe começou a achar que eu não tinha sido aprovado por preconceito por estar acima do peso”, conta ele. E a decisão de emagrecer partiu dali.

Cauê não consultou nenhum médico ou nutricionista para começar a reeducação alimentar. “Achei que não iria para frente com a decisão”, conta ele. O estudante começou a cortar alimentos não saudáveis, como frituras e refrigerantes, e substituir por alimentos amigos do corpo.

“Comia pão integral, arroz integral e coisas assadas. Além disso, caminhava meia hora por dia e pedalava mais 30 minutos”, conta. “Foi uma tortura nos primeiros dias, a batata da perna queimava e tudo doía”, relembra ele.

O resultado veio logo: terminou o primeiro mês 12 quilos mais leve. “Comecei a ver resultados rápidos, e aí quanto mais eu via o peso indo embora, mais fazia academia e mantinha uma alimentação certa”.

Cauê adicionou outros exercícios à caminhada e pedalada diárias. “Dançava, fazia boxe, circuito, muay thai e natação”. Esse esforço o levou a eliminar 45% do seu peso, chegando aos 101 quilos.

Por causa do excesso de pele em decorrência do emagrecimento, o estudante de direito passou por uma cirurgia recente. O período de recuperação não permitiu exercícios na academia. Ele ainda pretende perder mais 10 quilos, para completar 50% de peso eliminado.

Cauê conta que a maior dificuldade durante o processo de emagrecimento foi controlar a alimentação. “É muito mais fácil fazer uma coisa errada na alimentação do que no exercício, já que a gente come o dia todo”, conta ele. “Já no caso do exercício físico, é só reservar duas horas por dia e pronto.”

O estudante conta que a perda de peso melhorou sua saúde como um todo. “Antes eu não conseguia dormir, e quando dormia acordava sempre cansado. Hoje durmo seis horas e acordo ótimo!”, diz.

“Até o convívio social mudou em mim. Antes, tinha vergonha de sair de casa, agora não paro mais em casa. Adoro ir ao parque, consigo andar sem passar mal e minha pressão normalizou completamente. Nunca mais fiquei doente”, comemora.

Ele, que era pré-diabético, fez exames recentemente e descobriu que está absolutamente saudável.

Leia mais sobre saúde

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.