Tamanho do texto

Novo estilo de vida não precisa ter mudanças radicais. Substituir é a palavra de ordem

Radicalizar não é palavra imperativa para os hábitos saudáveis passarem a frequentar a vida das pessoas. Por vezes, trocar um alimento por outro até bem parecido já é o suficiente para trazer um pouco mais de saúde e bem-estar para a rotina alimentar.

O iG Saúde ouviu especialistas e selecionou quatro substitutos eficientes de alimentos adorados. Veja quais são:

Chocolate por chocolate amargo

 As pesquisas científicas já encontraram uma série de evidências que acalentam os amantes de chocolates. Além de efeitos mais imediatos, como melhora no humor e os sintomas da tensão pré-menstrual (TPM), os cardiologias descobriram que o alimento pode ser um aliado do coração, desde que seja a versão amarga, consumida com moderação. O tradicional – e o mais encontrado nas prateleiras dos supermercados – é muito gorduroso e calórico, perdendo assim o efeito protetor. Por isso, na hora de escolher prefira o chocolate amargo. Mas não se iluda sobre os limites: um tablete por dia, ou mais ou menos 60g, é mais do que suficiente.

Salgadinhos por castanhas

Nem um dos dois tipos passa na prova de calorias, mas as castanhas são muito menos nocivas para o coração e para o organismo do que os salgadinhos industrializados. Elas são compostas por um tipo de gordura que é boa para o sistema cardiovascular. Mas atenção: elas também engordam. Entre um e outra, preferia a segunda opção, mas não exagere .

Açúcar por mel

Os cardiologistas colocam o açúcar como terceiro vilão branco do organismo (ao lado do sal e da cocaína), mas é possível deixar a vida mais doce sem recorrer ao refinado pó. Uma dica – que não pode ser seguida por diabéticos – é o mel, que também tem frutose e glicose, mas outros adicionais que potencializam o efeito no organismo. Além de ser um forte agente contra infecções, ajuda também para quem tem prisão de ventre e outros problemas .

Refrigerantes por sucos

A indicação dos nutricionistas é consumir de cinco a seis porções de frutas por dia. Para o refrigerante, a ordem é: quanto menos melhor, de preferência nada. Então, a equação de substituição fica clara, desde que o suco substituto seja feito com fruta natural, in natura, aproveitando casca, bagaços e até sementes (quando possível). A quantidade de calorias dos sucos pode até superar a dos refrigerantes, mas os outros nutrientes trazidos pelas frutas, em alguns casos, compensam. A Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa), no mês passado, alertou que os refrigerantes dietas e ligths (zero açúcar) têm excesso de sódio, o que também é prejudicial .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.