Tamanho do texto

O consumo regular da fruta pode melhorar a resistência e combater o desequilíbrio relacionado com doenças como câncer e diabetes

Morangos contêm compostos fenólicos, como os flavonóides, que diminuem o estresse oxidativo
Thinkstock/Getty Images
Morangos contêm compostos fenólicos, como os flavonóides, que diminuem o estresse oxidativo
Um estudo científico da Universidade Politécnica de Marche (UNIVPM), na Itália, e a Universidade de Granada (UGR), na Espanha, apontam que os morangos fortalecem os glóbulos vermelhos frente o estresse oxidativo, um desequilíbrio relacionado com diversas doenças.

Leia também: Suco de frutas para proteger o coração

Até então tinham tentado confirmar a capacidade antioxidante dos morangos mediante experimentos 'in vitro', mas agora, o grupo de pesquisadores conseguiu demonstrá-la 'in vivo'.

Para isso, segundo publicam na revista "Food Chemistry", deram a 12 voluntários 500 gramas diários de morangos (da variedade 'Sveva') ao longo de cada jornada. Durante 16 dias foram tiradas mostras de sangue: em quatro, oito, 12 e 16 dias, e um mês mais tarde.

Os resultados revelam que o consumo regular desta fruta pode melhorar a capacidade antioxidante do plasma sanguíneo e a resistência dos glóbulos vermelhos a sua hemólise (fragmentação) oxidativa.

"Averiguamos que algumas variedades de morangos apresentam maior resistência dos eritrócitos frente o estresse oxidativo, o que pode ser muito representativo se considerar que este fenômeno desencadeia graves patologias", explicaram os pesquisadores.

A equipe analisa agora as variações quando se ingere menos quantidade de morangos (o consumo habitual costuma ser um copo ao dia com 150 a 200 gramas).

"O importante é que façam parte de uma dieta saudável e equilibrada, dentro das cinco porções diárias de frutas e verduras", apontaram.

"No laboratório também estão analisando diferentes variedades de morangos, já que cada uma tem suas próprias quantidades e proporções de antioxidantes", explicaram.

Os morangos apresentam grande quantidade de compostos fenólicos, como os flavonóides, que diminuem o estresse oxidativo.

Tal desequilíbrio ocorre em algumas situações patológicas (como a doença cardiovascular , o câncer ou o diabetes ) e fisiológicas (nascimento, envelhecimento, exercício físico ) entre a agressão que produzem "espécies reativas do oxigênio" - os radicais livres, em particular - e as defesas antioxidantes do organismo.

Conheça os Programas de Dieta do iG Saúde
Siga o @igsaude no Twitter

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.