Tamanho do texto

Autoridade da Grã-Bretanha diz que publicações devem "celebrar a beleza da diversidade de formatos de corpos, cores, tamanhos e idades"

Governo britânico quer evitar que dietas restritivas virem moda
Thinkstock Photos
Governo britânico quer evitar que dietas restritivas virem moda

Uma representante do governo britânico escreveu uma carta para editores de revistas de comportamento na qual pede a eles que não promovam em suas publicações dietas milagrosas nas semanas posteriores ao Natal, com o argumento que elas representam um "risco à saúde".

Em carta aberta, a secretária-adjunta da Igualdade, Jo Swinson, pediu às revistas que "eliminem as dietas da moda e os mitos da boa forma" das edições de janeiro. No lugar desse tipo de artigo, a britânica sugere que as publicações deveriam "celebrar a beleza da diversidade de formatos de corpos, cores, tamanhos e idades".

Swinson é uma das fundadoras da Campaign for Body Confidence, campanha que tenta incentivar as pessoas a se sentirem confortáveis e seguras em relação ao próprio corpo. A carta foi enviada a revistas femininas e masculinas, assim como publicações ligadas a saúde e celebridades.

Consequências negativas

Após os excessos gastronômicos do Natal, muitas pessoas usam a chegada do Ano Novo como desculpa ou motivação para fazer regimes, perder peso e ficar em forma.

"Tenho certeza de que vocês querem promover um estilo de vida saudável entre seus leitores, mas, particularmente nesse período do ano, muitas revistas tendem a colocar seu foco em soluções irresponsáveis, de curto prazo, encorajando leitores a entrar na onda das dietas da moda", diz a carta de Jo Swinson.

Leia mais: Conheça as dietas mais eficazes e saudáveis

"Como editores, vocês devem mais aos seus leitores do que a promoção descuidada de soluções pouco saudáveis para a perda de peso", acrescenta.

"Se seu objetivo é dar conselhos práticos e sensatos sobre como perder peso - e não sobre como perder seis quilos em cinco dias - vocês deveriam promover expectativas razoáveis, em vez das perigosas, aliadas a exercícios e alimentação saudável."

Em entrevista à BBC após a divulgação da carta, a ministra disse ser contrária "a qualquer dieta que encoraje você a perder peso em velocidade milagrosa, ou seja, em velocidade pouco saudável, ou a cortar grupos de alimentos (carboidratos, proteínas ou gorduras) ou pular refeições".

"Essas dietas da moda podem na verdade ter consequências negativas para a saúde e, de qualquer forma, a maioria das dietas não funciona", afirma Swinson.

Especialistas em dietas ouvidos pela BBC dizem que, de fato, cortar grupos de alimentos gera desequilíbrios nutricionais que podem prejudicar o organismo.

E, quando uma pessoa perde peso muito rapidamente, a tendência é que ela recupere os quilos que perdeu - também com rapidez, segundo os pesquisadores.

Conselho confiável

Ao comentar a carta da representante do governo britânico, Jane Johnson, ex-editora das revistas Closer e Fabulous, disse à BBC que as publicações se preocupam com seus leitores e são bastante cuidadosas em relação aos conselhos que publicam.

Segundo Johnson, a maioria das revistas hoje é influenciada por filosofias de bem-estar "holístico" (ou seja, que abordam o organismo humano como um sistema completo, em vez de separá-lo em partes). 

Para a jornalista, hoje o pensamento mudou e as revistas buscam a confiança e a lealdade dos leitores. Por isso, avalia Johnson, artigos que propõe dietas da moda são vistos como "irresponsáveis".

Leia mais: 
Como incluir alimentos inibidores de apetite na dieta
Caem os mitos da dieta - Nove teorias falhas que viraram “regras”

>>> Assine a  Newsletter , curta nossa página no  Facebook  e siga o @Delas no  Twitter  <<<

    Leia tudo sobre: dieta
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.