Tamanho do texto

Ginecologista responde aos principais questionamentos das mulheres sobre limpeza e proteção da região íntima.

Dra. Nilma Neves é ginecologista
Arquivo pessoal
Dra. Nilma Neves é ginecologista

A médica Nilma Neves, professora de Ginecologia da Universidade Federal da Bahia, fala sobre os cuidados que as mulheres devem ter com a região íntima. 

1. Por que é importante cuidar da região íntima e manter o pH equilibrado?

Cada parte do organismo humano possui características e propriedades específicas e, precisa de atenção e cuidados especiais. A área externa da região íntima possui uma camada protetora naturalmente ácida, que previne a proliferação de microrganismos e bactérias não pertencentes a esse ambiente. A acidez do pH da região atua como um mecanismo de defesa, prevenindo infecções, irritações e possíveis odores. Por isso, manter em equilíbrio o pH é indispensável à sua preservação.

2. E como podemos manter o pH da região íntima em equilíbrio?

O melhor recurso para esse cuidado é a higienização com sabonetes íntimos com pH ácido, que, de acordo com o Guia sobre Higiene Íntima da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) são especialmente formulados para não agredir a pele e as mucosas da área íntima 1 .

3. Ainda com todos os cuidados, às vezes as mulheres notam odores indesejados. Por que isso pode acontecer?

Há fatores externos ligados ao comportamento da mulher que podem prejudicar a preservação do caráter ácido da pele. Suor, abafamento, higiene inadequada e uso de roupas justas e de tecidos sintéticos são elementos que podem dificultar a ventilação ou agredir a região íntima e, como consequência, alterar o seu pH, criando um ambiente propício ao desenvolvimento de incômodos desse tipo.

4. Fale um pouco mais sobre esses fatores externos e como afastar os odores indesejados nesses casos.

Pouca ventilação : o uso frequente de roupas justas ou que deixam a região íntima abafada por muito tempo pode trazer um odor mais forte. O ideal é evitar esse tipo de peça, mas quando não conseguir, é importante não exceder muito o período com a roupa.

Muito tempo fora de casa : a higienização deve ser feita pelo menos uma vez ao dia em climas mais amenos e de uma a três vezes em temperaturas mais quentes. Quem fica muito tempo fora de casa e une a isso outros fatores como a prática de exercício físico e o uso de roupas justas, por exemplo, deve redobrar o cuidado.

Prática de exercício físico : na correria do dia, muitas vezes torna-se impossível sair do trabalho e passar em casa antes de ir para academia para tomar uma ducha. Desta forma, levar uma nécessaire com alguns produtos que facilitem principalmente a limpeza íntima, é indispensável.

Tipo de lingerie : aliado a agitação da vida moderna, surgiram mudanças de hábitos como o uso mais frequente de roupas sintéticas e calcinhas de lycra, que prejudicam a ventilação, alterando o pH e criando um ambiente propício ao desenvolvimento de odores e infecções ginecológicas.

Menstruação : no período menstrual há uma variação do pH da região íntima. Essa fase afeta as mulheres de diversas formas. Uma delas é a mudança no odor vaginal, já que o sangue, em contato com o ar, pode causar um odor peculiar, que incomoda as mulheres. Trocar o absorvente sempre que perceber que a região íntima está úmida e higienizar com sabonete específico para a região, com pH equilibrado, pode ajudar a amenizar o cheiro.

  1. De forma geral, o odor pode ser prevenido com o cuidado adequado com a higiene íntima. A escolha de um sabonete adequado, hipoalergênicos e apropriados para a higiene íntima pode reduzir a chance de ocorrência de quadros irritativos e odores indesejados.


Referências:
1 FEBRASGO – Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia. Orientações sobre higiene íntima feminina baseadas no 1º Guia prático de condutas sobre higiene genital feminina. São Paulo: FEBRASGO, 2010.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.