Tamanho do texto

Conforto, segurança e bem-estar: estudo da Universidade de Buffalo defende que alimentos consumidos durante os primeiros anos de vida têm influência na vida adulta

Uma comida favorita pode ter relação direta com a pessoa que preparou a receita pela primeira vez
Reprodução
Uma comida favorita pode ter relação direta com a pessoa que preparou a receita pela primeira vez

Espaguete com almôndegas, lasanha ou até mesmo o clássico arroz com feijão e bife: o que esses pratos têm em comum? Para muitas pessoas, eles podem ser classificados como ‘comfort food’, aquele prato que, independentemente do modo de preparo, traz à tona histórias de vida e experiências agradáveis, algo que vai muito além do paladar.

Além disso, ter uma comida favorita pode ter relação direta com a pessoa que preparou a receita pela primeira vez, como um amigo próximo ou um familiar, de acordo com estudo da Universidade de Buffalo, nos Estados Unidos. Para os pesquisadores, um bom relacionamento afetivo é um fator social que tem forte influência sobre as preferências gastronômicas e hábitos alimentares de cada pessoa.

>> MAIS: 10 alimentos que melhoram o humor


“Tradicionalmente, comfort food são aquelas comidas que nossos pais ou cuidadores nos deram quando éramos crianças. A partir do momento que nós temos uma relação positiva com a pessoa que preparou aquele alimento, existe uma boa chance de repetirmos esse hábito alimentar ao passarmos por momentos de dificuldade, como rejeição e isolamento”, afirma Shira Gabriel, psicóloga da Universidade de Buffalo, em comunicado.

Mais feliz

A comida reconfortante, apontam os pesquisadores, consegue deixar as pessoas mais felizes, principalmente em momentos de crise. É justamente por isso que procuramos alimentos e pratos específicos quando estamos nos sentindo mal, já que existe essa associação inconsciente com as pessoas com quem tivemos um bom relacionamento na infância, como pais, tios e avós.

Leia também: 
Mau humor incentiva consumo de porcarias por diminuir perspectiva futura
Chef indonésio dá receita de 'prato feliz'

“É o alimento que as pessoas cresceram comendo. Em um estudo anterior, nós oferecemos aos entrevistados uma canja, com frango e macarrão. Apenas aqueles que tinham uma conexão emocional com esse tipo de sopa classificaram a refeição como comfort food e se sentiram socialmente aceitos depois de se alimentar”, explica Shira Gabriel.

Para os pesquisadores, essa é uma conclusão que pode dar pistas e indícios importantes sobre a melhor forma para lidar com a sensação de vulnerabilidade e fragilidade. O fato de encontrar conforto na alimentação, estimulando a sensação de pertencimento a alguma época ou lugar, pode diminuir os riscos de problemas de saúde físicos e emocionais.

Porém, a psicóloga e autora do estudo Shira Gabriel pondera que esses pratos não são tão isentos de risco assim. O exagero e a dependência devem ser policiados de perto. “Esses alimentos podem talvez destruir a sua dieta”, atenta ela.

Veja ainda:
15 opções "magras" de lanches
Por que algumas comidas melhoram o humor

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.