Tamanho do texto

Montanha de pneus, caçamba de gelo e escalada de muros fazem parte do percurso, que promete muita diversão

Imagina uma prova de corrida de 8k. Tranquilo, principalmente se você já está acostumado com outras corridas menores. Então que tal incluir 16 obstáculos durante o percurso? Para cruzar a linha de chegada é preciso passar por montanhas de pneus, pular caçamba de gelo, fazer travessia na lama e escalar rampas e muros. Não sei o que vai acontecer, mas eu vou encarar o desafio neste sábado, 28, na Xtreme Race em Arujá, cidade a 40 km de São Paulo. Mas tem gente que garante que tudo não passa de uma grande diversão. Será?

Corrida de obstáculos Xtreme Race
Divulgação/Xtreme Race
Corrida de obstáculos Xtreme Race


"No começo eu pensei: 'O que que estou fazendo aqui? Por que inventei isso?'. Mas você vai passando os obstáculos, vai vendo que é capaz e é muito bom. E quando vê a linha de chegada é uma sensasão maravilhosa", conta Osanita Rodrigues, que vai para a terceira prova da Xtreme. "É tão bom que quando acabei a primeira, poderia correr mais uma em seguida", completa. 

"A gente leva uma vidinha tão de rotina e não tem essa coisa do selvagem, do desafio. É a adrenalina mesmo que te puxa. Você passa umas duas semanas se perguntando se vai dar certo, se vai conseguir. Mas na hora você se supera", afirma Valéria Melo, mais uma experiente nas corridas de obstáculo. "É extremo, mas é seguro. Você se sente em um filme de aventura", compara. 

Quem pode fazer?

Segundo o personal trainer e educador físico Robert Moutran, qualquer um pode encarar a corrida de obstáculos, mas é mais indicado para quem já faz atividade física. "Qualquer pessoa pode participar, mas, para ter um bom desempenho, é necessário ter um certo preparo físico, pois a competição é um mix de atividade aeróbia com obstáculos que exigem um esforço muscular específico, como as provas que você carrega o seu corpo se pendurando apenas com os braços (travessia do macaco). Podemos dizer que quanto maior for o preparo físico do competidor, maiores serão as chances de obter um melhor resultado", explica o professor. 

Antes e depois de Osanita
Reprodução/Instagram
Antes e depois de Osanita

Osanita, mulher de Robert, contou com a ajuda do marido quando estreou na prova, mas não tinha intimidade alguma com corridas. "Até 2007, era sedentária. Era gordinha e decidi mudar. Já pesei 85 kg e emagreci 25. Continuo com a reeducação alimentar e treino de segunda a sábado uma hora e meia por dia", detalha Osanita, que é formada em Direito, estuda Jornalismo e cuida da parte de roupas fitness em uma loja de suplementos com o marido.

No ano passado ela resolveu participar da Xtreme Race. "Eu gosto muito de esporte, mas nunca me vi em uma corrida de rua. Mas quando vi na internet a corrida de obstáculos, decidi participar. Faltava um mês para a prova", lembra. "Quase morri. Tinha uma piscina de onda, um morro horroso. Mas consegui. A prova me mostrou que sou capaz", explica. Osanita chegou na 14ª colocação e, agora, vai para vencer a corrida do final de semana. 

Valéria Lemos é adepta das corridas de rua e também se arrisca na prova de obstáculos
Reprodução/Instagram
Valéria Lemos é adepta das corridas de rua e também se arrisca na prova de obstáculos

Já Valéria é fã das corridas de rua e se prepara para estrear na maratona de Boston, nos Estados Unidos, no ano que vem. Foi convidada para a corrida de obstáculos, aceitou e vai voltar agora. "Sou das provas de rua, mas prova de obstáculos tem a corrida e outra coisa que eu gosto bastante, que é a musculação e esse lado fitness também", fala. Ela é contadora e acorda todos os dias às 5h para treinar antes de começar o dia de trabalho. "Vou com a cabeça de me divertir, correr perto de árvore, sentir a natureza. Não tem a cobrança como em uma maratona." 

Ela também dá dicas para quem quiser se aventurar. "Para corrida de rua tem estratégia, como por exemplo não começar muito forte. Essa não tem. É ir lá e executar. Mas se conseguir fazer musculação, cross fit ou outra atividade, o preparo físico vai te ajudar". 

Antes e depois

Apesar de ser uma prova para se divertir e "se jogar" nos obstáculos, o educador físico Cirilo Becher dá dicas do que que fazer antes e depois para prova para preparar e relaxar os músculos. Veja no vídeo abaixo: 


Os obstáculos

A lista de obstáculos inclui escalar muros e redes, rastejar, saltar. Pelas fotos (veja mais na galeria) parece um pouco até brincadeira de criança. O que não pode é ter medo de se sujar. Fora isso, é se jogar e curtir. 


"Você até sai com uns arranhados ou roxos, mas na hora nem sente. Quer se superar. E é muito seguro, com gente controlando o percurso inteiro", assegura Valéria. E para ela, um obstáculo a deixou dividia. "A rampa (participantes têm de correr, pegar impulso e subir) foi o que deu mais medo e o mais emocionante. Quando consegui, comecei a gritar. E estava do lado de homens, todos fortes, e eles não conseguiram. Foi ali que testou a minha vontade de continuar", conta.

Para Osanita, o desafio foi logo no primeiro obstáculo. "Ah, a travessia do macaco. É uma espécie de gaiola e você precisa atravessar usando as mãos. É primeira lama da prova", explica. "Pensei: 'Não posso cair. Se cair, vai ser lama até o olho. O tênis ainda está limpinho, a meia também. Não é difícil, mas é desafiador", brinca. "Mas o mais difícil mesmo foi a rampa. Tive que vir correndo três vezes", completa. "Ainda tem água gelada, muro disso, muro daqulo. É ação o tempo inteiro", avalia Valéria. 

Tudo parece muito divertido na teoria, mas se não conseguir passar por algum obstáculo na prática? "Você não é obrigado a fazer tudo. Se não quiser passar por um obstáculo ou não conseguir, pode pagar um castigo e fazer 10 burpees (agacha, apoia as mãos no chão, joga os pés para trás e volta)", fala Osanita. 

Dicas preciosas

Uma coisa é certa: você vai se sujar
Reprodução/Instagram
Uma coisa é certa: você vai se sujar

Se você é estreante como eu (e está um pouco assustada com tudo isso!), Valéria e Osanita dão dicas preciosas. "Pode fazer a prova de luvinha de academia porque tem vários obstáculos que você precisa se agarrar, subir", diz Valéria. "Além da luva, procuro escolher um short, mas nada muito curto. A legging fica pesada gruda, muita lama. Também corri com meia compressora e sai sem dor nenhuma na panturrilha. Além disso, use um tênis com aderência o mais confortável possível", comenta Osanita. 

As inscrições para a prova acabam nesta segunda-feira (23) e custam R$ 150. A recompensa? O desafio concluído, medalha no peito e um chuveiro para se livrar de toda a lama. Na semana que vem eu volto (se sobreviver) para contar como foi a prova. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.