Tamanho do texto

Malhar dentro de casa é uma solução para quem está começando, deseja perder peso ou apenas manter o ritmo

Malhar em casa ajuda a perder peso e condicionar o corpo
Getty Images
Malhar em casa ajuda a perder peso e condicionar o corpo
Falta de tempo, o frio que aumenta a preguiça, a vergonha dos quilinhos a mais ou custos altos de investimento na academia. Nenhuma dessas desculpas para deixar de malhar tem fundamento. Com boa vontade e disciplina, é possível perder os quilos extras e manter o coração saudável exercitando-se dentro de casa.

A estratégia é recomendável quando o objetivo é deixar a condição de sedentário, emagrecer ou manter um ritmo leve de treino. “As vezes é mais fácil começar dentro de casa. Para perder peso ou ganhar condicionamento é absolutamente viável malhar na sala de estar,” explica o personal trainer Rodrigo Flores.

Para que a atividade tenha efeito, porém, é preciso investir em uma aparelhagem compatível com o tamanho do espaço e do orçamento disponível. O professor recomenda aos alunos modelos mais simples de bicicletas, esteiras ou simuladores de caminhada. “Esses aparelhos trabalham a parte aeróbica, fundamental para eliminar calorias e condicionar o coração.”

No mercado, há inúmeras opções desses equipamentos. Flores comenta que os preços variam conforme a potência e possibilidades de treino. “Algumas esteiras oferecem inclinações, o que é benéfico para atividades mais intensas, pesadas. Exigem mais. Simuladores de caminhada com peso também são interessantes.”

Bolas, alteres e caneleiras completam o kit caseiro de malhação. Esses três itens aumentam as possibilidades de exercícios. “Dá para trabalhar todas as partes do corpo. Podemos substituir os exercícios de braço pelas flexões. Abdominal é feito com bola ou sem aparelhagem, mas nas pernas é preciso ter uma caneleira com peso.”

A recomendação esbarra na evolução da atividade. Quem deseja ganhar massa ou definir a musculatura, precisará de aparelhagem específica, com cargas pesadas e exercícios mais elaborados, alerta o professor.

“Para malhar dentro de casa é recomendável procurar um especialista que proponha uma série, ensine como fazê-la em uma aula e a modifique pelo menos uma vez ao mês, mas não é necessário o acompanhamento diário. O único entrave dessa opção é o nível de treinamento, que, dependendo do objetivo, pode estagnar.”

Nesses casos, a duração da academia em casa é de aproximadamente seis meses. Depois desse tempo, o profissional comenta que a atividade passa a exigir outro tipo de equipamentos, que desafie o atleta e permita a evolução, o ganho de massa. “Para crescer, não tem como fugir da carga e avançar nos treinos.”

Suando com o videogame

A advogada Marcela Tavares Costa fez aulas de ioga em academias durante dois anos. Em junho de 2010, após o casamento, precisou cortar os gastos extras da vida de solteira e os 200 reais mensais pesaram no orçamento.

Para não deixar o aprendizado apenas na memória e manter o ritmo adquirido, Marcela resolveu investir em um software de vídeogame que ensina as técnicas da ioga. A ideia surgiu através de uma amiga, que já é aluna da modalidade hi-tech. Segundo Marcela, a recomendação confiável e o preço do programa a fizeram arriscar. “Como já tenho uma base, não vou aprender a ioga com o vídeo game, acho que vou conseguir evoluir na técnica”, pondera.

A estratégia da advogada, na avaliação de Rodrigo Flores, pode dar bons resultados. No caso de dela, que já tem conhecimento da atividade, é uma alternativa interessante para não perder tudo que já foi aprendido e manter o ritmo, mesmo que não seja tão intenso quanto o oferecido pelas academias.

O personal trainer ensina que os exercícios propostos por esses aparelhos incentivam o gasto calórico e ajudam a condicionar o corpo. Aulas de tênis, vôlei, boxe são interessantes, pois exigem movimentação, fazem suar, trabalham o coração. “Não será o mesmo gasto calórico que esse atleta teria dentro de uma quadra esportiva, mas é eficiente, estimulante.”

Na visão do profissional, o fundamental é buscar uma orientação com um profissional e não deixar de investir na atividade física. “Qualquer forma de trabalhar o corpo já é melhor que deixá-lo parado.”

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.