Bem-Estar

enhanced by Google
 

Açúcar pode estar relacionado com a hipertensão

Estudo norte-americano sugere que a ingestão elevada de frutose aumenta a pressão sanguínea

Bruno Folli, iG São Paulo | 14/07/2010 12:42

Compartilhar:

Já não bastassem todos os cuidados para não exagerar na dose de sal na comida, agora pode ser que a ingestão de açúcar precise ser regulada para não gerar ou agravar quadros de hipertensão. Ao menos é isso que sugere uma pesquisa norte-americana, divulgada recentemente.

O trabalho foi realizado pela Universidade de Colorado Denver, onde a médica Diana Jalal buscava identificar mais fatores de risco adicionais relacionados com a pressão alta.

Foto: Getty Images/Photodisc

Açúcar: estudo mostrou que o consumo de frutose está relacionado a hipertensão

A pressão arterial ideal é de 12/8 mmHg. Quando ela é sistematicamente igual ou maior que 14/9 mmHg, a pessoa tem hipertensão. A doença é crônica, não tem cura mas tem controle. Se não for tratada, ela pode gerar consequências fatais, como enfarte, derrame e falência renal.

Na pesquisa norte-americana, a equipe de Jalal analisou dados da Pesquisa Nacional de Saúde e Nutrição, realizada nos Estados Unidos entre 2003 e 2006. O estudo envolveu 4.528 adultos norte-americanos com pelo menos 18 anos e nenhum histórico de hipertensão. Os participantes do estudo responderam a questões relacionadas aos seus hábitos de consumo de alimentos e bebidas, como sucos de frutas, produtos de padaria, bebidas leves e doces.

Jalal descobriu que as pessoas que consumiam 74 gramas ou mais de frutose por dia (correspondente a 2,5 bebidas leves e adocicadas por dia) tinham uma chance maior de ter pressão alta. A proporção era de 26% para pressão 13,5/8,5, 30% para 14/9 e 77% para 16/10.

“Nosso estudo identificou um fator de risco potencialmente modificável para a pressão alta. Entretanto, a pesquisa precisa ser continuada para comprovar se a redução da ingestão de frutose realmente seria uma forma de prevenir a hipertensão e suas complicações”, relatou Jalal, em seu estudo.

Relação com o excesso de peso

Até hoje, nenhum estudo estabeleceu uma relação direta entre açúcar e hipertensão. “A relação é indireta. A pressão aumenta em obesos e em pessoas acima do peso, que chegaram a essa condição ingerindo muito açúcar”, explica o cardiologista Fernando Nobre, presidente da Sociedade Brasileira de Hipertensão (SHB).

A ingestão exagerada de sal é atualmente apontada como um grande problema para a pressão sanguínea. E é possível reduzir o consumo com dicas simples. O ideal é usar uma colher de chá para toda a alimentação diária.

Mas outros fatores externos, chamados de fatores ambientais, podem contribuir. Tabagismo, bebidas alcoólicas, estresse e falta de atividades físicas são alguns dos agentes. Mas também há tendência da pessoa, por questões hereditárias, e a idade avançada.

Quando a pressão está elevada no organismo, ela fere gradualmente uma fina camada interna dos vasos sanguíneos. Isso acontece em órgãos como cérebro, coração e rins.

O estrago é feito de forma silenciosa na grande maioria dos casos, sem apresentar nenhum sintoma. Quando o desgaste de um vaso sanguíneo é muito acentuado, ele pode se romper. O resultado pode ser um derrame ou um infarto.

A hipertensão causa 40% dos infartos e cerca de 80% dos acidentes vasculares cerebrais (AVC), de acordo com a SBH. Por isso a doença é tão perigosa e ameaçadora. Ela pode ser fatal logo em sua primeira manifestação.

Nas estimativas da SBH, a hipertensão acomete cerca de 30% da população brasileira adulta. O índice salta para 50% após os 60 anos e também está presente em 5% das crianças e adolescentes.

    Notícias Relacionadas


    Ver de novo