Tamanho do texto

Alimento contém ácidos graxos que combatem inflamação no cérebro e resgatam saciedade em obesos

Azeite tem ácido graxo que combate inflamação no cérebro de obesos
stock.xchng
Azeite tem ácido graxo que combate inflamação no cérebro de obesos
Uma pesquisa da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) revela que substâncias presentes no azeite de oliva e na linhaça marrom podem resgatar a sensação de saciedade nas pessoas obesas.

O nutricionista Dennys Esper Cintra identificou o efeito dos ácidos graxos ômega-3 e ômega-9 no cérebro de animais e constatou que eles impedem uma inflamação típica de pessoas acima do peso.

“Quem consome muita gordura saturada gera um processo inflamatório no hipotálamo”, explica o pesquisador. O hipotálamo é a região do cérebro responsável pelo controle da saciedade.

Se essa inflamação for persistente, devido à ingestão contínua de alimentos gordurosos, pode ocorrer a morte dos neurônios. “O processo é chamado de apoptose”, conta Cintra.

Quando isso acontece, o hipotálamo perde gradualmente o controle natural da saciedade. Desta forma, quem está acima do peso não recebe o alerta de que o corpo já comeu o suficiente.

Dose certa

Para identificar a dose ideal dos ácidos graxos, Cintra fez três tipos de testes em animais. Ele injetou direto no cérebro de ratos os ômegas 3 e 9. “Testamos uma dose que pode ser obtida em alimentos. Outra dose que só pode ser obtida por suplementos alimentares e uma dose impossível de se alcançar”, conta.

O melhor resultado foi alcançado com a menor dose, justamente aquela que pode ser adquirida por meio dos alimentos. “Há um desequilíbrio no cérebro, que pode ser recuperado com esses ácidos graxos”, explica.

O problema é causado pela ingestão de alimentos muito gordurosos, como carnes suína e bovina. Elas contêm ômega-6, que deve ser ingerido numa quantidade proporcional aos ômegas 3 e 9. “Se a pessoa come mais alimentos com ômega-6, ela terá problemas”, adverte o nutricionista.

Alimentos certos

Além da semente de linhaça, o ômega-3 está presente também no óleo de soja, na sardinha e no óleo de canola. Já o ômega-9 é encontrado no azeite de oliva, no amendoim, no abacate e também no óleo de soja. No entanto, para obter os benefícios destes alimentos, de acordo com o pesquisador, é preciso que eles sejam ingeridos com frequência. “O ideal é pelo menos três vezes por semana”, recomenda.

Além de incluir essas opções na dieta, é necessário passar por uma reeducação alimentar e abandonar a ingestão elevada de determinados alimentos para que o ciclo inflamatório não volte a acontecer.

Novos neurônios

O próximo passo da pesquisa é investigar a possibilidade desses ácidos graxos favorecerem o surgimento de novos neurônios, processo chamado de neurogênese. “A pesquisa encontrou marcadores que sugerem a neurogênese. Agora precisamos entender como acontece esse processo”, afirma o nutricionista.

Ao que tudo indica, os ácidos graxos agem sobre os neurônios afetados, revertendo o processo de morte instaurado pelas gorduras saturadas. “Precisamos descobrir se isso ocorre no local onde os neurônios foram mortos pelo excesso de gordura saturada. Ainda não sabemos até que ponto, e nem porque razão, mas o ômega-3 é capaz de estimular a multiplicação de neurônios”, afirma o pesquisador.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.